Artigos, Críticas

Terror que Ladra 2: “Os Doberman Atacam” e “A Revolta dos Cães”

Duas produções da década de 70 que mostram os estragos cometidos por matilhas – cães treinados para matar ou com sua natureza modificada!

A Revolta dos Cães (1976)

A Revolta dos Cães (1976)

Quando há o confronto entre o homem e a natureza, não há inimigo mais assustador do que os cães. Até os mais fofinhos, pequeninos e filhotes geram um questionamento de quem se aproxima: “Ele morde?” Talvez pelo fato de considerá-los imprevisíveis ou por uma experiência anterior, a verdade é que eles podem realmente afastar os curiosos e chamar a atenção por sua característica meiga ou agressiva! Por sua capacidade de causar medo, os cachorros já participaram de diversas produções do gênero, muitas vezes com sua natureza modificada para justificar ou ampliar sua agressividade. Quem não se lembra do clássico oitentista Cão Branco, sobre um animal treinado para atacar pessoas negras, deixando o público revoltado e ao mesmo tempo comovido com o animal, sem culpa por seus atos?

Ainda pior do que confrontar uma criatura assassina é imaginar um encontro com vários exemplares, onde a imaginação já permite antecipar a dor de ter sua carne rasgada a dentadas, em mordidas vorazes. Neste artigo você confere duas produções que mostram os estragos cometidos por matilhas – treinadas para matar ou modificadas – servindo como conselho para os incautos evitarem ao máximo cutucar aqueles animaizinhos aparentemente dóceis!

Os Doberman Atacam
Original:Trapped
Ano:1973•País:EUA
Direção:Frank De Felitta
Roteiro:Frank De Felitta
Produção:Gary L. Messenger
Elenco:James Brolin, Susan Clark, Earl Holliman, Robert Hooks, Bob Hastings, Ivy Jones, Tammy Harrington, Marco López, Erica Hagen, Mary Margaret Robinson

Imagine a situação: você acorda num banheiro de uma grande loja de departamento e descobre que está sozinho – os clientes e funcionários já foram embora, as portas estão trancadas, reina um silêncio absoluto. Enquanto procura um telefone para pedir ajuda, percebe, da pior maneira possível, que a segurança do estabelecimento é mantida por seis cães hostis, separados em quatro diferentes andares. Como você faria para sobreviver a uma situação como essa, tendo apenas em suas mãos uma pequena boneca?

Esse é o pesadelo real vivido por Chuck Brenner (James Brolin, veterano ator que depois faria o papel de George Lutz em Terror em Amityville, 1979, e apareceria na bomba de Wes Craven, Amaldiçoados), um homem simples que, após se divorciar de Elaine (Susan Clark), teve também que se afastar de sua filha Carrie. Para aumentar ainda mais seu tormento, sua ex-esposa está com outro homem, David (Earl Holliman), e pretende se mudar para bem longe na noite em que se passa a trama do filme.

Os Doberman Atacam (1973) (1)

Os Doberman Atacam (Trapped, 1973) tem início na já citada loja, onde Chuck quer se despedir de sua filha, dando-lhe o presente que ela mais quer: uma doce bonequinha. Enquanto aguarda a chegada do produto em falta, Chuck promete à pequena Carrie que estará no aeroporto para a despedida e que ficará no local até a chegada do presente. Algum tempo depois que sua ex-esposa e filha vão embora, a boneca chega às mãos de Chuck, que dá uma nota alta e fica aguardando a funcionária trazer o seu troco. Com a demora, resolve ir ao banheiro acender um cigarro já que em qualquer outro local seria proibido, mas, para seu infortúnio, ele é surpreendido por ladrões que roubam sua carteira e o deixam inconsciente e preso num cubículo.

Os Doberman Atacam (1973) (2)

Durante seu estado de inconsciência, acompanhamos a chegada dos seis ferozes cães – que são de várias raças e não apenas Doberman como sugere o título – juntamente com os seguranças, que vestem pesadíssimas roupas de proteção. É nitída a dificuldade em controlá-los e mantê-los afastados, já que se tratam de animais treinados para matar. Depois de posicioná-los estrategicamente nos andares do local, os seguranças trancam as portas e vão embora, deixando uma pequena placa de aviso: “A segurança desta loja é mantida por cães ferozes”.

Sem entender nada, Chuck acorda no banheiro com a pequena boneca na mão e lentamente, ainda tonto pelo golpe dos bandidos, caminha em busca de ajuda. Assim que abre a porta do banheiro, acaba chamando a atenção de um dos cães que começa a ir em sua direção. Nesse momento há a primeira cena de tensão: Chuck dá alguns passos e desmaia novamente no corredor da loja, enquanto vemos o animal correndo pelos corredores seguindo o seu cheiro e prestes a despedaçá-lo vorazmente. O espectador sente uma vontade de gritar para que ele acorde logo, mas a angústia e a boa direção de Frank De Felitta (diretor e roteirista de poucos filmes, responsável pelo roteiro de Enigma do Mal, 1982) insiste na tortura por vários minutos. Chuck desperta com os latidos do doberman e mesmo tonto corre rumo à primeira porta que encontra pela frente não conseguindo evitar uma violenta mordida na sua perna. Perdendo muito sangue, ele mantém a todo custo a porta fechada com suas costas, e, logo percebe a chegada de um segundo animal.

Os Doberman Atacam (1973) (3)

Enquanto isso, no aeroporto, Elaine, Carrie e David aguardam Chuck ao passo que já ouvem os primeiros chamados do seu vôo. Ela acredita que Chuck esteja em algum bar bebendo e insiste em partir, mas David, com a intenção de conquistar Carrie, pede que eles desistam da viagem nessa noite em busca do pai da menina, mesmo que seja para xingá-lo em algum boteco de esquina.

Assim, o filme apresenta paralelamente duas narrativas: Chuck e a sua luta pela vida e pelo cumprimento da promessa a sua filha; e a busca de David e Elaine por algum sinal do “irresponsável” pai de Carrie. Quando David sugere a possibilidade de ter ocorrido um sequestro, Elaine acertadamente resume seu ex-marido com a frase: “Ele é um sobrevivente.

Os Doberman Atacam (1973) (4)

Feito para a TV, Os Doberman Atacam consegue prender a atenção do espectador com cenas bem dirigidas de suspense, fazendo o público realmente acreditar que os cães querem matar o protagonista. Há dois momentos que merecem destaque: num deles, Chuck se encontra em cima de um armário sendo observado por um dos cães e tendo que saltar para outro móvel apoiado num fino cano preso ao teto; em outro tenso momento, Chuck tonto pela perda de sangue tenta matar um dos animais com um arco e flecha de brinquedo, enquanto acompanhamos a chegada de outro animal que caminha em sua direção pronto para atacá-lo.

Sem exibir cenas de violência e praticamente centrado num ambiente único, é impossível não estabelecer uma identificação com Chuck Brenner, já que ele é apenas uma pessoa normal numa situação que poderia ocorrer com qualquer um. E esse é o maior mérito dessa produção: mostrar a luta de um pai de família, um homem comum, que quer apenas dar um último beijo no rosto de sua filha e presenteá-la com o brinquedo que ela tanto quer.

Exibida algumas vezes nas madrugadas da Globo e provavelmente não lançada em vídeo, Os Doberman Atacam é diferente de outras produções envolvendo cães assassinos, pois é centrada na personagem principal, tendo os cães apenas como obstáculos. Não tem a intenção de trazer mensagens positivas ou importantes ensinamentos, apenas mostrar o quão pode ser perigoso estar diante de animais treinados para imobilizar e matar humanos.

Leia também:

Páginas: 1 2

3 Comentários

  1. Daniel

    Os Dobermans Atacam muito Bom Filme Agora já a Revolta dos cães muito ruim o filme não tem moral nenhuma aparece os cães do nada atacando seus donos e cenas muito idiotas parece aqueles filmes de classe b que passavam na band

  2. roberto cardoso

    Eu me lembro desse. Assisti na tv Bandeirantes, quando ela exibia filmes de terror e suspense às sextas feiras. Faz Tempo!!!

  3. vanessa vasconcelos

    queria assistir isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *