Artigos

Snuff Movies: Matando a Curiosidade!

Por que há pessoas que sentem prazer ao ver um filme de tortura ou com uma morte supostamente real?

Pode-se dizer que os alicerces do cinema fantástico são o medo e a curiosidade. Desde a exibição pública do curta A Chegada do Trem na Estação, pelos irmãos Lumiére, em 28 de dezembro de 1895, foi possível notar que o anseio dos espectadores sempre foi experimentar sensações novas e se aproximar da morte. Não basta apenas apresentar um enredo envolvente e criativo; é preciso também conduzir a plateia a limites extremos, como se fosse possível até mesmo morrer e, logo depois da sessão, voltar à vida, percebendo que está no conforto da cadeira de cinema ou do sofá de casa. É essa curiosidade mórbida que faz com que as pessoas diminuam a velocidade do veículo para visualizar as vítimas de um acidente de trânsito ou queiram buscar informações sobre um tal vídeo intitulado 2 Guys and 1 Hammer, envolvendo os Maníacos de Dnepropetrovsk, famosos por vários crimes cometidos como o que fizeram com Sergei Yatzenko, um homem de 48 anos que desapareceu após um passeio de bicicleta.

2 Guys and 1 Hammer

2 Guys and 1 Hammer

Toda essa vontade – presente desde a literatura de Guillaume Apollinaire com seu Um Belo Filme, de 1910, com relatos sobre um assassinato registrado em câmera – parecia não ter sido saciada nem quando as cores invadiram as telas e Herschell Gordon Lewis fez questão de intensificar o tom vermelho em seu clássico de 1963 Banquete de Sangue. Não era apenas para ofertar à deusa Ishtar, conhecida como a Mãe das Trevas, mas também dar um passo adiante no cinema para que seus precursores conhecessem a fórmula do interesse público. Se você quer fazer sucesso no gênero, basta causar medo, mostrar cenas de violência e assassinato cada vez mais ousadas.

Assim surgiram as lendas por trás dos chamados snuff, ou produções que trazem assassinatos supostamente reais. O termo aparecia pela primeira vez na quinta edição do Slang Dictionary, em 1874, definido como uma palavra muito comum entre as classes baixas de Londres, significando morrer por doença ou acidente.. No inglês antigo viria de snithan passando por snuffen ou snuppen – que significa desmembrar ou matar por esfaqueamento ou corte – associado a snide (falso, imitação).

Peeping Tom (1960)

Peeping Tom (1960)

Ainda que existam menções a produções no estilo até mesmo na década de 60, como Peeping Tom, de Michael Powell, sobre um cineasta que resolve documentar seus assassinatos, o filme que daria uma facada inicial no subgênero seria um longa argentino lançado em 1976. Filmado em 1971, com um orçamento insignificante e o título Slaughter, com direção do casal Michael e Roberta Findlay, a película logo teria problemas com um trabalho homônimo de 1972, de Jim Brown, e alteraria seu nome para Snuff, numa referência à obra de Ed Sanders sobre os assassinatos de Charles Manson, intitulada The Family: The Story of Charles Manson’s Dune Buggy Attack Battalion. Na trama, um grupo hippie de jovens motoqueiras segue o líder Satan na realização de diversos crimes até objetivar numa atriz que acaba de chegar à América do Sul com seu namorado diretor para fazer um filme. Extremamente amador, com péssimas atuações e diálogos, a produção ficaria guardada por quatro anos sob a tutela do produtor Allan Shackleton até surgir uma reportagem em 1975 sobre filmes snuff sendo feitos na América do Sul. Ele decidiu investir numa lenda urbana, chamando Simon Nuchtern para dirigir um novo final, com o assassinato real de uma das atrizes de Snuff, mesmo deixando vestígios de que se tratava de uma armação rodada anos depois.

Deu certo. O que era para ser apenas um filme ruim e desconhecido tornou-se cult em Nova Iorque, Filadélfia, Los Angeles e Boston. Mesmo com a divulgação das filmagens falsas pela Variety em 1976 o longa passaria a ser investigado e atrairia cada vez mais interessados em conhecer o primeiro snuff movie. A frase promocional já indicava o que o público veria na tela: Isso só poderia ser feito na América do Sul…onde a vida é barata! Para instigar a curiosidade, dizem que Shackleton colocou notícias falsas no jornais a respeito de protestos sendo realizados pelo país e até contratou manifestantes para causar mais pânico. Era o que a população queria realmente ver, tanto que outros cineastas pelo mundo começaram a tocar levemente no subgênero.

Last House on Dead End Street (1977)

Last House on Dead End Street (1977)

Last House on Dead End Street, de 1977, de Roger Watkins, foi o primeiro bastardo. Também filmado em 1972, e fazendo uso mais uma vez da onda de violência cometida pelos seguidores de Charles Manson, o filme traria o próprio diretor no papel principal como um sujeito que acabara de sair da prisão e decidiu punir a sociedade cometendo assassinatos e registrando-os em vídeo. Bem mais produzido que Snuff, alcançaria o mesmo status através de cenas bem realizadas de gore e morte, tentando mais uma vez convencer de que se trata de registros reais de assassinato. Enquanto atraia a atenção da mídia americana, a Itália faria seu próprio exemplar com o intenso Emmanuelle na América, de Joe D´Amato, e o Brasil beliscava o estilo com Snuff: Vítimas do Prazer, de Cláudio Cunha.

A qualidade melhoraria ainda mais em 79, com Hardcore – No Submundo do Sexo, de Paul Schrader, com um pai em busca de sua filha, possivelmente envolvida com a indústria pornográfica, encontrando vestígios de um submundo doente e violento. O destaque fica por conta do ator George C. Scott, com sua degradação evidente. No mesmo ano, com um elenco ainda mais refinado, contando com Audrey Hepburn, Ben Gazzara e James Mason, é lançado o clássico A Herdeira, de Terence Young, baseado num romance de Sidney Sheldon. Depois que Elizabeth (Hepburn) assume a herança de seu pai, ela começa a descobrir o lado negro de sua companhia. A referência ao snuff acontece em dado momento em que o personagem de James Mason assiste a cenas de estrangulamento de prostitutas – na versão final, tal momento seria cortado para diminuir a duração do filme e evitar problemas com a censura, um receio que um tal Ruggero Deodato não teria no ano seguinte com Cannibal Holocaust, no maior exemplar da Itália.

Hardcore (1979)

Hardcore – No Submundo do Sexo (1979)

Com efeitos realistas e inaugurando o estilo found footage – que mais tarde se tornaria popular com A Bruxa de Blair, Rec e Atividade Paranormal -, Deodato conta que quatro documentaristas desapareceram durante umas filmagens na selva, investigando tribos canibais. Ao avaliar as fitas encontradas, nota-se que o grupo havia cometido atrocidades contra os índios na viagem, tendo seu fim como consequência de seus atos. As cenas com o massacre dos jovens é tão bem feita e produzida que o próprio cineasta acabou sendo obrigado a dar explicações e provar que o elenco estava realmente vivo. Infelizmente, não se pode dizer o mesmo dos animais mortos no processo, o que deu ao longa um status de cult e serviria para dar início ao ciclo de produções italianas com canibais.

Depois, em 1983, David Cronenberg traria imagens abstratas em Videodrome – A Síndrome do Vìdeo, também aproveitando para lembrar o subgênero em ascensão. O empresário Max Renn (James Woods), que possui uma estação de televisão a cabo chamada Civic TV, começa a receber transmissões de um programa clandestino com pessoas sendo torturadas e assassinadas de verdade. Ao investigar as origens, descobre algo ainda mais assustador contendo alucinações e sofrimento.

Videodrome - A Síndrome do Vìdeo (1983)

Videodrome – A Síndrome do Vìdeo (1983)

Na linha dos snuff, até mesmo a banda Nine Inch Nails desenvolveria seu exemplar através de curta-metragem The Broken Movie, de 1993, com a junção de quatro músicas e cenas de mortes reais. Um ano depois, a fórmula seria explorada em Testemunha Muda, de Anthony Waller; Estranhos Prazeres (1995), de Kathryn Bigelow; no excepcional Henry: Portrait of a Serial Killer (1996), de John McNaughton; no espetacular Morte ao Vivo (1996), de Alejandro Amenábar, além de O Bravo, de Johnny Depp, o raso 8mm, de Joel Schumacher, o péssimo Lenda Urbana 2 (2000), de John Ottman, August Underground (2001), de Fred Vogel, Snuff 102 (2007), de Mariano Peralta…até A Entidade, de Scott Derrickson.

Leia também:

Páginas: 1 2

Marcelo Milici

Marcelo Milici

Fundou o Boca do Inferno em 2001. Formado em Letras, fez sua monografia sobre o Horror Gótico na Literatura. Já foi juri de festivais e eventos do gênero! Contato: marcelomilici@bocadoinferno.com.br

7 Comentários

  1. Estefani

    Lembrei de Matadouro Parte 2, snuff puro. Como esqueceram de citar esse clássico cult do nosso cinema?

  2. Mari Castro

    Excelente matéria! Muitas curiosidades ficaram na verdade aguçadas hehe
    Andei lendo e me divertindo com várias resenhas de filmes sobre o tema aqui mesmo no site, e esse foi um dos textos mais legais que ja li no boca.
    Só não entendi muito bem porque kill list foi citado mas, parabéns pelo texto!

  3. Sejam snuff movies ou baseado neles , não importa por qual subgênero que é , o que realmente importa pra mim são as MORTES das maneiras mais brutais , chocantes , violentas , explícitas , dolorosas , angustiantes , com torturas e requintes de crueldade a nível extremo , e se não for real , que seja o mais realista possível pro meu prazer !

    • wexler

      o que é isso, jovem?!

    • Rodrigo Ramos Rodrigo Ramos

      Poxa, amiguinho! Procure ajuda! 🙂

    • Fernanda

      HAHHAAHAHAHAHAHHA MORRI

    • Alice

      Gosto assim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *