Dhampir: o Vampiro Cigano

Dhampir

Os ciganos estão ligados ao vampirismo como auxiliares de Conde Drácula, situação imortalizada na obra máxima de Bram Stoker, Drácula. Os servos ciganos de Drácula morreriam (ou, principalmente, matariam) pelo seu Mestre, entrando em luta com o grupo que foi destruí-lo no final da obra de Stoker. Mas a realidade é mais complexa e os ciganos europeus também têm o seu mito vampírico: dhampir.

Os ciganos acreditavam que alguns vampiros tinham um desejo sexual insaciável, retornando das sepulturas para fazer amor com sua viúva ou uma jovem da sua escolha, sendo que a repetição das visitas levaria a mulher a ficar grávida. O filho desta relação era denominado “dhampir“, sendo que este tinha poderes especiais para detectar e destruir o vampiro.

Alguns “dhampirs” modernos entre os ciganos da Europa Oriental vangloriavam-se de sua habilidade em localizar o vampiro, que era morto a tiros depois de localizado fora da sua sepultura. Outros que se autodenominavam “dhampirs” complementavam sua renda oferecendo-se como caçadores de vampiros, embora o “dhampir” era um membro normal da comunidade de ciganos e tivesse que proteger sua comunidade. Já outros ciganos acreditam que o verdadeiro “dhampir” possuía um corpo escorregadio, gelatinoso e que tinha vida curta, crença esta derivada do conhecimento de que os vampiros não têm ossos. Os poderes do “dhampir” podiam ser transferidos para a prole masculina e, em última instância, através de uma linhagem familiar. As habilidades para caçar vampiros poderiam ser herdadas, mas não ensinadas e, conseqüentemente, aprendidas.

Scott Baker escreveu um romance sobre os “dhampirs“, associando-os a uma linhagem de “dhampirs” originados na família de Elizabeth Bathory, famosa condessa que torturou e assassinou várias jovens virgens, desejando o sangue das suas vítimas para manter-se eternamente jovem.

(Visited 166 times, 1 visits today)
Orivaldo Leme Biagi

Orivaldo Leme Biagi

É mestre e doutor em História pela UNICAMP e pós-doutor em Relações Públicas pela USP. Atualmente é professor e Coordenador do curso de Direito da FAAT.

Um comentário em “Dhampir: o Vampiro Cigano

  • 30/10/2014 em 15:06
    Permalink

    Muito legal eu adoro esse tipo de história!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien