Clive Barker, o Futuro do Horror!

Clive nasceu perto de Penny Lane, Liverpool, em 1952, local onde estudaria suas paixões Literatura Inglesa e Filosofia. Aos 21 anos, mudou-se para Londres, onde formou uma companhia de teatro para produzir peças que ele mesmo escrevia, e com apenas duas décadas de vida, já trabalhava como escritor, diretor e ator.

Muitas dessas peças já tinham elementos eróticos, fantásticos e assustadores que, mais tarde, passariam a fazer parte de seu trabalho literário. Com essas características, há, por exemplo, The History of the Devil, Frankenstein in Love, Subtle Bodies, The Secret Life of Cartoons e uma peça sobre seu pintor favorito, Goya, intitulada Colossus. Esses trabalhos estão atualmente publicados no livro Incarnations.

Clive Barker

Os elementos imaginativos que faziam parte fundamental de seu trabalho no teatro encontraram suas primeiras publicações nos contos de ficção que ele recuperou nos seus últimos vinte anos. Os primeiros exemplares desses contos foram publicados em The Books of Blood Volumes 1-3. Eles tiveram um modesto sucesso no Reino Unido, mas com a publicação dos livros nos EUA e o aparecimento do primeiro romance de Clive, Damnation Game, a crítica e os leitores passaram a considerá-lo como um gênio.

Mais três volumes surgiram, publicados na Inglaterra como The Books of Blood volumes 4-6, e renomeados na América como The Inhuman Condition, In the Flesh e Cabal. A partir desse ponto, muitos de seus livros encontrariam sua própria forma de tradução, sendo convertidos em mais de doze línguas.

Em 1986, com a adaptação de duas histórias de Clive para o cinema, Rawhead Rex e Transmutations (ambas repugnadas pelo autor), ele decidiu dirigir uma de sua autoria. O resultado foi Hellraiser, baseado na história The Hellbound Heart. O filme foi tão bem recebido que imediatamente se expandiu em três sequências – Hellraiser 2: Renascido do Inferno, Hellraiser 3: Inferno na Terra e Hellraiser 4: A Herança Maldita – e em uma série de revistas em quadrinhos, bonecos e artigos relacionados à franquia. Depois, viriam mais cinco filmes (e a possibilidade de um remake), diminuindo o impacto dos personagens, mas imortalizando Pinhead na galeria dos grandes vilões do cinema.

No mesmo período, Barker adaptou seu conto “Cabal” para o cinema com o nome de Nightbreed (lançado no Brasil como Raça da Noite e Raça das Trevas), que ele dirigiu e provocou o surgimento de uma série de revistas em quadrinhos publicadas pela Marvel.

Barker também aparece como produtor executivo de Candyman, que foi baseado em seu conto Forbidden, e Candyman 2: A Vingança.

Doug Bradley (Pinhead) e Clive Barker
Doug Bradley (Pinhead) e Clive Barker

Desde o lançamento de seus romances Weaveworld e The Great and Secret Show, diversas publicações de Clive apareceram: uma série em quadrinhos chamada Tapping the Vein e um livro que mostra o trabalho de arte do escritor, chamado Clive Barker: Illustrator.

Seu romance Imajica foi publicado em 1991 e foi seguido por uma fábula para crianças e adultos chamada The Thief of Always e uma linha de superheróis da Marvel intitulada Razorline.

Clive Barker escreveu Galilee, Everville, a sequência de seu romance The Great and Secret Show, Second Book of the Art e Sacrament, uma fantasia gótica para todas as idades.

A maioria dos filmes de terror hoje não são filmes de terror. Eles não me atingem, não são horripilantes. E é por isso que eu tomo muito cuidado ao usar a palavra ‘terror’ para descrever algo.

Em 1995, ele voltaria à cadeira de diretor com O Mestre das Ilusões, a partir de um roteiro de sua própria autoria, com Scott Bakula e Daniel von Bargen no elenco. O filme recebeu uma nomeação para o prêmio Saturn como melhor filme, e venceu dois outros que competiu: Chainsaw Award (pela trilha sonora) e IHG Award (melhor filme).

Como roteirista e produtor, Barker possui uma filmografia mais consistente. Com participação em dois episódios da série Mestres do Terror, no filme de zumbis A Praga; libertando mais demônios em O Santo Pecador; e emprestando seu talento nos games de horror: Undying, Demonik e Jericho. Também viria uma adaptação de seu conto The Midnight Meat Train como O Último Trem, dirigido por Ryûhei Kitamura; dois segmentos da antologia Livro de Sangue (“On Jerusalem Street” e “The Book of Blood”); e a adaptação do conto “Dread” como Lentes do Mal, de Anthony DiBlasi. Seus próximos trabalhos envolvem o roteiro do horror, em pré-produção, Jacqueline Ess, com Lena Headey, e o aguardado remake de Hellraiser, com envolvimento total do autor.

Clive Barker (3)

Apesar de ter se mudado para Los Angeles e estar agora envolvido em muitos projetos para a TV e o cinema, seu amor continua sendo a literatura. Seus trabalhos continuam seguindo a influência de mestres como Edgar Allan Poe, Ray Bradbury, Herman Meville, William Blake, Will Burroughs, Arthur Machen, entre outros.

Filmes e Adaptações

2016: Hellraiser (remake a partir do romance “The Hellbound Heart”)
2015: Jacqueline Ess (roteiro)
2011: Hellraiser: Revelações
2009: Lentes do Mal (conto “Dread”)
2009: Livro de Sangue (contos “The Book of Blood” and “On Jerusalem Street”)
2008: O Último Trem (conto “The Midnight Meat Train”)
2007: Jericho (videogame)
2006: Mestres do Terror (episódios “Valerie on the Stairs” e “Haeckel’s Tale”)
2006: A Praga (produção)
2006: Demonik (videogame)
2005: Hellraiser 8 – O Mundo do Inferno
2005: Hellraiser 7 – O Retorno dos Mortos
2002: O Santo Pecador (história)
2002: Hellraiser 6 – Caçador do Inferno
2001: Undying (videogame)
2000: Hellraiser 5 – Inferno
1999: Candyman 3: Dia dos Mortos
1997: A Maldição de Quicksilver (história “The Body Politic”)
1996: Hellraiser 4 – A Herança Maldita
1995: Candyman 2: A Vingança
1992: O Mestre das Ilusões (história “The Last Illusion” e direção)
1992: Hellraiser 3- Inferno na Terra
1992: O Mistério de Candyman (história “The Forbidden”)
1989: Raça da Noite (romance “Cabal” e direção)
1989: Monster – A Ressurreição do Mal
1988: Hellraiser 2 – Hellbound
1987: Tales from the Darkside (segmento “The Yattering and Jack”)
1987: Hellraiser – Renascido do Inferno (romance “The Hellbound Heart” e direção)
1985: Subterrâneos – A Revolta dos Mutantes (roteiro)
1978: The Forbidden (curta, direção)
1973: Salome (curta, direção)

(Visited 54 times, 1 visits today)
Marcelo Milici

Marcelo Milici

Fundou o Boca do Inferno em 2001. Formado em Letras, fez sua monografia sobre o Horror Gótico na Literatura. É autor do livro "Medo de Palhaço", além de ter participado de várias antologias de horror!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien