Críticas

Abismo do Medo (2005)

O longa do inglês Neil Marshall consegue ser um agradável diferencial dentro de um gênero tão sobrecarregado de produções fracas ou medianas

Abismo do Medo (2005)

O lado primitivo do medo!

Abismo do Medo
Original:The Descent
Ano:2005•País:UK
Direção:Neil Marshall
Roteiro:Neil Marshall
Produção:Christian Colson, Ivana Mackinnon, Keith Bell, Paul Ritchie, Paul Smith
Elenco:Alex Reid, Catherine Dyson, Julie Ellis, Molly Kayll, MyAnna Buring, Natalie Mendoza, Nora-Jane Noone, Oliver Milburn, Saskia Mulder, Shauna MacDonald

Um dos melhores filmes de terror de 2006. É dessa forma que Abismo do Medo (The Descent, 2005) ficará lembrado pelos fãs do gênero. A película, que teve estreia nacional no dia 15 de setembro de 2006, é uma bem sucedida trama que mistura fortes cenas de suspense, com genuínos momentos de horror, provocando medo na medida exata.

A história gira em torno de seis amigas aventureiras. Dentro da trama, destaca-se Sarah (Shauna Macdonald), que perdeu o marido e a filha pequena em um violento acidente de automóvel. Um ano depois da tragédia, ela resolve se juntar às cinco companheiras para explorarem uma caverna local. Um acidente faz com que aconteça um deslizamento de rochas, que bloqueia a saída do lugar, obrigando as amigas a explorarem o espaço em busca de uma forma de escapar.

A situação, nada agradável, se complica ainda mais quando a organizadora da expedição explica que o grupo não está na caverna conhecida, mas sim em uma nunca antes explorada pelo homem. A justificativa para a troca de percurso seria das amigas descobrirem esse novo espaço e batizarem a caverna com o nome delas.

Abismo do Medo (2005) (2)

Presas, em um lugar desconhecido, semelhante a um labirinto com uma infinidade de corredores e túneis. Vai ser nesse ambiente que as seis amigas vão precisar trabalhar em equipe para encontrarem uma saída. Mas não vai demorar muito para o grupo perceber que a caverna é habitada por perigosas criaturas que vão se mostrar, além de asquerosas, bastante agressivas.

Dirigido pelo inglês Neil Marshall, Abismo do Terror consegue ser um agradável diferencial dentro de um gênero tão sobrecarregado de produções fracas ou medianas. Trabalhando com uma história simples, o roteiro, também assinado por Marshall, consegue prender a atenção do público ao apresentar esse ambiente hostil da caverna quase como um personagem dentro da trama. E a sensação para quem assiste à produção é de estar junto com o grupo, preso nesse lugar.

Uma das principais características de Abismo do Medo é a excelente ambientação claustrofóbica criada para o filme. O diretor não se limitou apenas a mostrar túneis apertados, embora eles existam e sejam realmente minúsculos, mas também soube utilizar a escuridão dentro desse espaço aumentando ainda mais a sensação de medo. Muitas vezes, os personagens estão utilizando apenas uma lanterna, ou um isqueiro e a visibilidade torna-se bastante precária. Tal decisão é bastante positiva, pois o que se está acostumado a ver em filmes de terror é uma pseudo-escuridão, na qual o telespectador enxerga claramente tudo, enquanto os personagens parecem estar cegos. Na maioria das cenas de Abismo do Terror, nem elenco nem público conseguem ver direito tamanha a escuridão.

Mesmo antes dos habitantes da caverna serem descobertos, Abismo do Medo já oferece grandes momentos utilizando apenas esses corredores escuros e minúsculos do lugar. Algumas cenas são especialmente aterradoras, como quando as amigas precisam passar por um pequeno túnel e uma das moças fica presa sem conseguir respirar. De tirar o fôlego, literalmente.

Abismo do Medo (2005) (3)

O susto também vem de forma bem trabalhada, pois o filme cria várias cenas onde se espera que algo aconteça, mas muitas vezes não ocorre nada, o que deixa o público tenso aguardando por alguma cena de impacto. Mas esses momentos de susto vão vir em outras sequências e sem muito aviso prévio, pegando as pessoas mais relaxadas e desprevinidas.

Abismo do Medo foi gravado obedecendo à cronologia da história, o que possibilitou ao elenco conhecer os habitantes da caverna apenas na primeira cena em que eles são vistos. Um detalhe referente à aparição das criaturas deve ser dado, pois as mesmas só dão as caras na metade do filme. Mas a boa notícia é que a narrativa da película segue de forma tão bem construída que essa “demora” dos estranhos não prejudica em nada o andamento do filme, que vai trabalhando outros pontos até chegar nesse momento.

Seres da Escuridão

A primeira aparição dos bichos é de fazer gelar a espinha. Logo após o desabamento da caverna, a personagem Sarah começa a escuta estranhos barulhos, mas não consegue identificar o tipo de animal que poderia estar fazendo o som. Após uma das moças sofrer um acidente, em uma cena de forte impacto, Sarah parece escutar novamente o barulho e começa a procurar a origem do mesmo. A sequência é extremamente bem realizada por mostrar a fraca luz da lanterna da moça percorrendo as rochas até encontrar, distante, um dos seres que, após se dar conta da estranha, desaparece na escuridão.

Tal cena é feita de forma simples, mas estabelece o tom que o filme vai seguir a partir de então. A reação imediata de Sarah, e do público, é de processar a estranha visão através do rápido raciocínio de que aquele ser, que parece um homem, mas não é humano, está na caverna com o grupo. Será que existem outros? São perigosos? A sensação final é de que as amigas precisam, mais do que depressa, encontrar uma saída.

Abismo do Medo (2005) (4)

Como homens que andam de quatro, sem pigmentação, cegos, mas com olfato e audição apurados, garras e dentes afiados e extremamente agressivos. Assim são os seres que habitam nessa perigosa caverna. Nenhuma das mulheres dá crédito a “visão” de Sarah e o grupo prossegue na tentativa de sair do lugar. Vai ser durante uma caminhada que os estranhos sons, que antes só uma delas escutava, vão soar audíveis para todas. Com pouca visibilidade, uma das amigas utiliza uma câmera de vídeo com infra-vermelho para observar o lugar e durante a panorâmica vai oferecer uma das, se não a melhor cena de todo o filme. É ver e tomar medo, de verdade.

A partir desse momento, o filme segue uma combinação de muita correria e pouca visibilidade. O grupo logo se separa e passamos a acompanhar os diferentes destinos reservados para cada garota. Nesse momento, o diretor Marshall nos apresenta uma série de cenas violentas e nojentas entre os estranhos seres e as mulheres, essas cada vez em menor número.

Vai ser nessa parte final que o filme vai dar algumas derrapadas de roteiro com certas situações bastante forçadas, mas nada que comprometa o produto como um todo. Basta fazer uma comparação de Abismo do Medo com outras produções que abordem temas semelhantes, como A Caverna (The Cave, 2005) para perceber que existe um grande abismo entre os dois filmes. Essa segunda produção foi tida como um dos piores trabalhos vistos nos últimos anos pelo péssimo roteiro, total ausência de situações de medo ou suspense e direção voltada para clichês e previsibilidade, o que é totalmente o oposto de Abismo do Medo.

Ou seja, mesmo com uma história simples, foi a linguagem utilizada por Marshall que deu direcionamento e fôlego ao filme. Até o elenco de seis mulheres deve receber crédito positivo, pois, se não é formado por nenhuma estrela, ao menos, soube segurar a peteca dentro de seus respectivos personagens. E para fechar com chave de ouro, o final de Abismo do Medo é uma agradável surpresa para os fãs do gênero, que vão ser pegos pela brincadeira do roteiro. Ratificando o que já foi dito, é por todos os motivos apresentados nesse texto que Abismo do Medo será considerado um dos melhores filmes de terror de 2006. Por isso mesmo, corra para o cinema mais próximo da sua casa.

Leia também:

6 Comentários

  1. Paulinha

    Filme maravilhoso, marcou uma época e sem dúvidas daqui a décadas veremos que essa historia não morrerá.

  2. Estou vendo agora,é realmente muita agonia,e olha que são apenas 33 minutos de filme ainda,antigo mais marca a vida de quem vê, ícone do suspense e da aflição rs

  3. Fabio Rodriguez

    Dos poucos filmes de horror britânicos que eu já vi – e isso inclui Extermínio e os clássicos A Profecia e Hellraiser -, The Descent é, sem sombra de dúvida, o melhor.

  4. Hique

    Parece ter sido inspirado em um conto de H. P. Lovecraft que trata de uma criatura dessas sendo encontrada por um viajante perdido numa caverna.

  5. vanessa vasconcelos

    MUITO BOM ,ADORO ESSE FILME,PENA QUE A CONTINUAÇÃO É MAIS OU MENOS.

Trackbacks / Pings

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *