Críticas

O Misterioso Assassinato de uma Família (2010)

Found footage sangrento sobre jovens que investigam uma lenda urbana e descobrem que falar demais pode ser perigoso!

O Misterioso Assassinato de uma Família (2010)

O que foi? O gato comeu sua língua?

O Misterioso Assassinato de uma Família
Original:Atrocious
Ano:2010•País:Espanha, México
Direção:Fernando Barreda Luna
Roteiro:Fernando Barreda Luna
Produção:David Sanz, Jessica Villegas Lattuada
Elenco:Cristian Valencia, Clara Moraleda, Chus Pereiro, Sergi Martin, Xavi Doz, Jose Masegosa, Rafael Amaya

Uma câmera tremida na mão, uma ideia repetida na cabeça

Se você quiser viver uma experiência realmente assustadora, é só fazer uso de uma câmera – não precisa ser moderna – e resolver registrar tudo, seja uma festa de despedida, um passeio na floresta ou até mesmo suas horas de sono na madrugada. O gênero nos ensina que tal ato é uma sentença de morte e seu equipamento será encontrado dias mais tarde juntamente com seu corpo para tentar explicar o que aconteceu. São tantas produções parecidas que as resenhas acabam sendo repetidas quando você começa a citar a longa lista de filmes que fazem parte do subgênero mockumentary ou found footage: Cannibal Holocaust, Alien Abduction, A Bruxa de Blair, Cloverfield – Monstro, Diário dos Mortos, Atividade Paranormal, Rec, O Caçador de Trolls, O Último Exorcismo, The Tunnel, Lake Mungo, The Poughkeepsie Tapes, The Zombie Diaries, Evil Things, Fenômenos Paranormais, Apollo 18, Contatos de 4º Grau…entre outros. Para você ter uma ideia, já existem lugares que realizam festivais de produções assim e até locadoras que reservam prateleiras para esse estilo que sempre envolve câmeras tremidas, desespero, ausência de trilha sonora e um texto explicando os fatos no começo para tentar convencer o espectador de que tudo aquilo realmente aconteceu. Bullshit!

A bola da vez é Atrocious, uma produção meio mexicana, meio espanhola, meia-boca, lançada no Brasil com o título imensamente absurdo de O Misterioso Assassinato de uma Família – o próprio nome já deixa evidente o propósito do filme; e ainda estampam na capa do DVD: Filmagens reais do assassinato da familia Quintanilla e também Baseado em Fatos Verídicos…faltou dizer, Aconteceu mesmo, acreditem. De acordo com a sinopse, a família Quintanilla foi encontrada morta no dia 4 de abril de 2010, em uma fazenda em Sitges, tendo cerca de 37 horas de gravações editadas em vídeo para explicar o que aconteceu. Os dois adolescentes da família, Christian (Cristian Valencia) e July, possuem um site onde investigam lendas urbanas no esquema Freakylinks e resolvem aproveitar a viagem para solucionar A Lenda da Garota da Floresta de Garraf, um espírito que ronda um labirinto local guiando as pessoas perdidas.

O ambiente é realmente assustador. Repleto de folhagens e atalhos sinistros, com algumas esculturas escondidas e um poço macabro, não é difícil ficar arrepiado ou imaginar centenas de histórias de terror que poderiam ocorrer ali. Enquanto os jovens conduzem suas câmeras pelo caminho, você fica esperando aparecer vultos, sombras, vozes sinistras e qualquer sinal ameaçador, mas o pouco que aparece não é bem explorado pela trama. Como o filme pretende convencer o público de sua veracidade, não há nada para ver em quase toda a projeção – fico imaginando se os policiais souberam mesmo editar o conteúdo encontrado, pois poderiam ter desenvolvido um curta-metragem de 20 minutos no máximo.

Por outro lado, Atrocious se revela corajoso ao derramar bastante sangue, seja no corpo arrastado até o poço ou na sequência final, quando as vítimas forem surgindo, deixando-nos curioso em querer saber como aquilo vai terminar. Também foi interessante a ideia da língua cortada – que impede que certo personagem possa revelar algo sobre a ameaça -, o uso de apenas uma câmera nessas cenas e até quando alguém é arrastado pelo labirinto, sem permitir que o espectador saiba o que está acontecendo.

O Misterioso Assassinato de uma Família (2010) (2)

Com direção e roteiro de Fernando Barreda Luna (do curta Oscuridad ), Atrocious tinha potencial para ocupar com a maestria a galeria das produções do estilo, porém ficou apenas na promessa. Com uma revelação final que conta muito mais do que devia, com seus exageros quase americanos, e a falta de sustos e arrepios, acredito que, no fim das contas, a Bruxa de Blair deve estar gargalhando enquanto procura outras crianças em Maryland.

Marcelo Milici

Marcelo Milici

Fundou o Boca do Inferno em 2001. Formado em Letras, fez sua monografia sobre o Horror Gótico na Literatura. Já foi juri de festivais e eventos do gênero! Contato: [email protected]