Críticas

The Girl Next Door (2007)

Uma visão perturbadora da maldade humana, sem limites, sem escrúpulos…; a pancada que o filme dá é forte!

The Girl Next Door (2007)

Um vislumbre do Inferno!

The Girl Next Door
Original:The Girl Next Door
Ano:2007•País:EUA
Direção:Gregory Wilson
Roteiro:Daniel Farrands, Philip Nutman, Jack Ketchum
Produção:William M. Miller, Andrew van den Houten
Elenco:William Atherton, Blythe Auffarth, Blanche Baker, Kevin Chamberlin, Gabrielle Howarth, Spenser Leigh, Daniel Manche, Mark Margolis, Graham Patrick Martin

O filme americano mais chocante que vi nos últimos 20 anos. Se você se impressiona facilmente não o veja. Mas, se está preparado para um vislumbre do inferno, versão suburbana, The Girl Next Door não desapontará.

Essa frase dita por Stephen King é o convite perfeito, e uma ótima definição para o filme. Baseado no livro de Jack Ketchun (que escreveu também The Woman), este é uma produção sobre uma história real que aconteceu nos EUA nos anos 50. O desconhecido diretor Gregory Wilson, nesta adaptação, não poupa o espectador, com um filme perturbador! Uma versão mais branda da história foi lançada aqui como o nome de Um Crime Americano; fez até um barulho nas locadoras, devido a presença da Ellen Page como protagonista, mas, sinceramente, não chega nem aos pés do filme de Wilson.

A história começa com David, um investidor bem sucedido porém atormentado por seu passado. Em seus pensamentos, lembra o que aconteceu quando ainda era um adolescente: a rotina do jovem David mudou com a chegada de Meg e sua irmã Susan, vítimas de um acidente, onde perderam os pais. As mesmas ficam sobre a tutoria de Ruth Chandler, a parenta mais próxima das garotas, e vizinha de David. Meg se aproxima de jovem rapaz, logo se cria um laço de amizade entre os dois. Com o tempo começa a se revelar uma certa implicância de Ruth com ela e a irmã, porém o garoto, que é amigo dos filhos da mesma, acha que é apenas uma questão de adaptação da garota à nova família.

Mas David, que está sempre com os amigos Willie e Donny, passa a conhecer o outro lado da Tia Ruth (como ela prefere ser chamada), e reconhece que o que acontece as garotas não era apenas uma implicância. Insinuações e humilhações para com as garotas vão se tornando cada vez mais constantes a cada visita de David. O jovem, sem saber o que fazer, vai acompanhando tudo sem imaginar as proporções assustadoras que as implicações da Tia Ruth estavam tomando. Após uma denúncia à polícia, Ruth e seus filhos prendem Meg no porão, e a submetem a todo tipo de humilhação, torturas físicas e abusos sexuais. Tudo isso é acompanhando não só pela família de Ruth, mas também é visto por outros jovens da vizinhança. David, tenta a sua maneira ajudar, porém sem sucesso. Apesar de sua agonia e sofrimento, noites sem dormir, o garoto irá carregar uma culpa pelo resto da vida, já que de certo modo, ele podia ter evitado tudo, mas seu medo e inocência acabam deturpando suas ações.

The Girl Next Door (2007) (2)

No elenco, a atriz Blanche Baker interpreta Ruth e constrói uma personagem cruel e repulsiva, com uma frieza incômoda, um tom de voz, sem alterações em seus diálogos além de um olhar perturbador – talvez pior que Ruth sejam seus filhos, até o mais jovem, um garoto com cerca de 8 anos que se apresenta como um pequeno psicopata sádico. Já Meg, interpretada pela atriz Blythe Auffarth, aparece como uma garota frágil que tenta proteger sua debilitada irmã, mas não tem forças para enfrentar Ruth e seus filhos. Ao contrário da Mulher Selvagem do filme The Woman, que na primeira oportunidade se vinga de quem lhe submeteu as humilhações e torturas, Meg nada tem a fazer a não ser tentar sobreviver a toda violência sofrida – e nós espectadores, acompanhamos toda a dor da garota, torcendo para que o tormento acabe logo.

Um retrato cruel da sociedade, a famosa desconstrução da família americana, que já citei na resenha de The Woman. Uma visão perturbadora da maldade humana, sem limites, sem escrúpulos…; a pancada que o filme dá é forte, e como disse Stephen King, se você se impressiona facilmente, não o veja.

Leia também:

10 Comentários

  1. Taison

    A Tendência é sempre fazerem filmes lixo como esse aos montes quando vejo o Boca Do Inferno dar uma nota grande ai que abro o olho e vejo que vai ser uma tremenda porcaria sabe até hoje o Boca Recomendou um filme e acertaram na note trata-se de Demons após isso cada lixo que não merece ser chamado de filme nem mesmo de terror só que não adianta a sociedade psicopata tente a amar filmes desse tipo e pessoas que ficam até excitadas em ver algo desse tipo lamentavelmente pois Terror não é visto mais como Terror e sim como algo doentio sabe sou de um tempo que um terror que merecia ser chamado de terror seria um filme na qual o assassino só aparecia no final do filme seja ele uma criatura ou um cara que escapou do manicômio ou um assassino em serie aquele clima de festa um cenário escuro e obscuro coisas desse tipo que quando você entrava na locadora você ficava babando e imaginando nossa quanto filme de terror pra nós assistirmos eu e meus amigos mas é aquilo essas porcarias de filmes multiplicaram e vão multiplicar mais ainda e isso retrata muito mais além pois existem pessoas com essas tendências resumo esse tipo de filme retrata a falta de imaginação e criatividade do ser humano que em vez de criar algo que nos prenda na cadeira e nos faça aplaudir não e sim algo doentio que nos causara a revolta sem mais!!!

  2. Paulinha

    Fraco não é tão terrível assim.

    • airlon

      Pra sua informação; o filme fala da maldade humana e nao de tortura ou sangue se liga!

  3. Josy Curti

    Fiquei curiosa!
    Alguém, por favor, sabe onde posso baixá-lo?
    😉

  4. dan

    tenso..cruel..doentio….belo.

  5. Rebecca

    Tive o “desprazer” de assistir a esse filme ontem a tarde e, a noite, me descobri pesquisando mais dados sobre o caso real. É chocante, perturbador e nauseante. Sendo eu apaixonada por filmes de terror, achei que estivesse preparada para o nível de sadismo desse filme, mas estava muito enganada. Ruth é uma criatura pérfida e nojenta, as crianças são monstruosas… péssima idéia assistir a esesse filme e, ainda por cima, grávida! O bebê e eu tivemos uma péssima noite, por sinal Rs

  6. Matheus Sales

    Acabei de ver “An American Crime”. Se este já me deixou atordoado, o que pensar desse outro? Ansioso para ver. Pelo que li, ele é até mais fiel que o original.

  7. Nathalie

    Esse foi o filme mais perturbador que já vi em toda a minha vida.
    Foi uma péssima ideia vê-lo antes de dormir.
    Tive até que ligar o pc novamente pra pesquisar melhor sobre a história em que se baseia o filme.
    Agora são 6:04 da manhã e quem disse que eu consigo dormir?

  8. Álvaro Leite

    Filme ótimo e muito perturbador.Recomendo.

  9. vanessa vasconcelos

    quero muito ver isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *