Críticas

Encontro Maligno (2012)

Tenta manter os pés no chão, evitando esbarrar em qualquer clichê contemporâneo, transformando seu produto numa divertida HQ!

Encontro Maligno (2012)

A Morte pede Açúcar!

Encontro Maligno
Original:Meeting Evil
Ano:2012•País:EUA
Direção:Chris Fisher
Roteiro:Chris Fisher, Thomas Berger
Produção:Justin Bursch, Mike Callaghan, Brad Krevoy
Elenco:Luke Wilson, Samuel L. Jackson, Leslie Bibb, Peyton List, Muse Watson, Tracie Thoms, Bret Roberts, Jason Alan Smith, Danny Epper

Samuel L. Jackson é a representação do Mal no thriller Encontro Maligno, de Chris Fisher (S. Darko). Ele não chega a lembrar Jules, de Pulp Fiction, embora seu terno de gangster, seu chapéu fedora e o linguajar repleto de motherfucker pudessem dar um tom de nostalgia a seu personagem. Quem pode dizer bastante sobre ele é o ex-agente imobiliário John (Luke Wilson), que um dia atende à porta e é surpreendido pelo sujeito que irá mudar sua rotina.

Após mais uma derrota no difícil ramos das vendas de moradias, ele está desempregado, sem esperanças alguma de conseguir algo melhor na vida, mesmo casado com a linda Joanie (Leslie Bibb, de Homem de Ferro) e pai de dois filhos saudáveis – aliás, muito saudáveis! O estranho Richie (Jackson) pede ajuda para empurrar seu carro, aparentemente sem combustível, e o leva para uma viagem infernal pela região, matando todos que incomodam(-ram) John na busca por uma vida tranquila. Tem início, então, uma versão pedestre de A Morte Pede Carona, com os crimes sendo apontados para o bom moço, enquanto o vilão aparenta ser um fantasma para a policial Latisha (Tracie Thoms, de À Prova de Morte) e seu parceiro Frank (Muse Watson, um envelhecido Ben Willis de Eu Sei O Que Vocês Fizeram No Verão Passado), sempre um passo atrás das carnificinas.

O roteiro, também de Chris Fisher, baseado num romance de Thomas Berger, é interessante, ainda que seja extremamente inverossímil, transformando o vilão numa entidade maléfica, um quase demônio, similar ao Mal em O Ajudante de Satã, pois parece saber muito a respeito de John, deixando apenas algumas suposições no final a respeito disso. Enquanto o herói da trama esboça seu caráter, sua esposa Joanie começa a expressar um lado agressivo e distante de uma dona de casa comum, o que é interessante porque dá ao título original duas possibilidades de explicação ao termo evil.

Encontro Maligno (2012) (1)

Ao parar num posto de gasolina para abastecer, Richie se afasta por alguns minutos, incomodado pela família feliz que entrava na loja de conveniência. Mais tarde, o local será apresentado com todos os clientes mortos e sangue para todo lado – John não ouviu nem sequer um tiro, um grito de desespero ou algo que pudesse revelar o que estava acontecendo. Já o olhar perdido em direção ao pai da família foi um ótimo ponto do roteiro pois parecia que John estava enxergando a si mesmo há alguns anos em seu olhar confiante, tranquilo.

Outro fator positivo da trama é a presença aparentemente sem função de uma garotinha com seu cachorro na vizinhança. Ela está sempre ali, observando tudo em todas as situações, até mesmo nas mais improváveis, como se fosse um outro fantasma de Encontro Maligno. Ela é um mistério como a identidade de Richie e suas ações jamais explícitas, o inimigo imaginário de John. Eu sou como você, John, diz o estranho para o protagonista deixando no ar uma possível arte de uma mente insana, cansada dos sofrimentos na vida.

Não, não se trata de um novo Clube da Luta ou Amigo Oculto; Encontro Maligno tenta manter os pés no chão, evitando esbarrar em qualquer clichê contemporâneo ou maquineísmo, mesmo que, para estabelecer sua proposta inicial, seja preciso transformar seu produto numa divertida HQ. Só faltaram algumas doses de ousadia e pessimismo para o encontro ficar completo!

Leia também:

5 Comentários

  1. Ernesto

    Um filme bosta. Não assista!

    • thiago

      como se sua opinião importasse….

    • Silas

      Tô vendo neste momento e tá sendo um xol de interpretação do S. L. Jackson. Fico um pouco duvidoso de seu gosto fera!!!!

  2. vanessa vasconcelos

    interessante.nem sabia que existia esse filme.

Trackbacks / Pings

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *