Críticas

O Segredo da Cabana (2012)

O Segredo da Cabana é uma homenagem caprichada e interessantíssima, não somente ao gênero horror, mas também aos seus fãs sempre fieis!

O Segredo da Cabana (2012)

O Segredo da Cabana
Original:The Cabin in the Woods
Ano:2012•País:EUA
Direção:Drew Goddard
Roteiro:Drew Goddard e Joss Whedon
Produção:Joss Whedon
Elenco:Amy Acker, Anna Hutchison, Bradley Whitford, Brian White, Chris Hemsworth, Dan Payne, Fran Kranz, Jesse Williams, Jodelle Ferland, Kristen Connolly, Matt Drake, Reila Aphrodite, Richard Cetrone, Richard Jenkins, Sigourney Weaver e Tom Lenk

Já dizia um tal escritor russo que nenhum discurso é totalmente original. Todo e qualquer discurso estaria sempre impregnado por outros anteriores, conscientemente, ou não. Este conceito, vulgar e sorrateiramente resumido neste primeiro parágrafo, se aplica de maneira implacável ao cinema e aos chamados gêneros cinematográficos. Reflexão rápida: a própria definição, mesmo que mais simplória, de gênero, é fundamentada por elementos “comuns” que nos permitem generalizar. No caso do horror, são os temas como a violência, o sobrenatural, o inexplicável, o medo, entre outros, que se repetem infinitamente e nos permitem distinguir as produções que acreditamos fazerem parte do gênero.

Mas a repetição não é apenas a dos temas, é também das ideias, dos conceitos, dos personagens e dos estilos que são frequentemente reciclados, sejam nas intermináveis continuações, nos remakes, nos reboots, nas paródias, nas inspirações, nas reinvenções, nas homenagens ou nas novas adaptações. Pensando assim, o conceito de originalidade deixa de existir, afinal tudo sobre tudo já foi dito e de todas as maneiras e o efeito “surpresa” é pouco provável – por mais pessimista que isto soe.

O Segredo da Cabana (2012)

Portanto, se dentro do Horror tudo já foi contado uma centena de vezes, nada seria mais honesto do que a autoparódia: trabalhar com os clichês, com as inverossimilhanças, com os tipos, com os personagens genéricos, com os vilões…. Mérito então para o filme em questão, afinal O Segredo da Cabana é certamente a maior paródia do gênero já realizada. Importante ficar claro aqui: não há qualquer teor pejorativo no termo paródia, nem qualquer associação a questão do humor.

Como pode notar o leitor mais esperto, a própria versão do título em português (O Segredo da Cabana) nos remete imediatamente a outros dois filmes importantes do gênero: Cabana do Inferno (2002), de Eli Roth e A Morte do Demônio, clássico absoluto entre filmes cujo cenário é uma cabana no meio de uma mata (sim, existem vários). Coincidentemente (e enganosamente), o título é também a junção de dois best sellers sucesso de vendas: O Segredo, de Rhonda Byrne e A Cabana, de William P. Young. Já o título original (The Cabin in The Woods) faz uma alusão direta ao predecessor de A Morte do Demônio dirigido por Sam Raimi em 1978, Within The Woods.

O Segredo da Cabana é a estreia na direção do roteirista Drew Goddard, responsável pelos roteiros do sci-fi Cloverfield – O Monstro (2008), além de uma dúzia de episódios de séries de sucesso, como Lost e Alias. A direção de Goddard (mais uma infame referência?) não se destaca, mas também não compromete – embora fique devendo um pouco mais de estilo.

Como já foi adiantado, o principal destaque da produção é o roteiro eficiente (também de Goddard, em parceria com Joss Whedon, diretor de Os Vingadores), carregado de homenagens e referências – claramente pesa neste ponto a bagagem cinematográfica do espectador, afinal reconhecer estas referências é boa parte da diversão. Porém, mesmo estas diretrizes metalinguísticas do roteiro não são assim tão originais; só para ilustrar, além da série cômica Todo Mundo em Pânico, o conceito já havia sido bem explorado em pelo menos dois momentos – em Pânico (1996) e Behind the Mask: The Rise of Leslie Vernon (2006).

O Segredo da Cabana (2012)

O enredo se desenvolve em duas frentes simultâneas, a primeira delas é o esperado desfile de clichês e referências: um grupo de jovens bonitos a procura de sexo e diversão em uma cabana no meio do nada e que acabam atacados por zumbis – uma espécie de mini-refilmagem de A Morte do Demônio. Na segunda frente, uma equipe de cientistas manipula “mecanicamente” o desenrolar da primeira, fazendo com que os jovens cometam todos os tipos de erros clássicos dos filmes de horror e consequentemente acabem mortos – o “sacrifício” destes deveria acalmar os ânimos de criaturas ancestrais e gigantescas que um dia dominaram o planeta. Mas é claro que algo não dá muito certo e o resultado é um festival alucinado de mortes quando o casal de sobreviventes (e seus “perseguidores”) encontram os cientistas. Neste momento há um verdadeiro revival de personagens que marcaram o gênero, são monstros de todo o tipo: vampiros, lobisomens, mortos vivos, fantasmas japonesas, palhaços assassinos, cobras gigantes, cenobitas, etc… O CGI de algumas criaturas pode até incomodar os mais exigentes, mas é algo que acaba relevado quando entendemos a proposta divertida da produção.

O elenco principal é bem escolhido, apesar de pouco conhecido: Kristen Connolly vive Dana, a protagonista certinha e virgem; Anna Hutchinson interpreta a sexy do grupo; Chris Hemsworth (isso mesmo, o Thor de Os Vingadores) encarna o atleta; enquanto Frans Kranz é o divertido maconheiro com inteligência acima da média; desnecessário qualquer comentário sobre a originalidade dos personagens. O desfecho ainda traz uma pequena surpresa para os fãs do gênero fantástico: a participação da eterna Ten. Ripley, Sigourney Weaver, como a diretora da organização que mantém a equipe de cientistas.

Infelizmente, o desfecho é um pouco preguiçoso, principalmente quando comparado a sofisticação do enredo; porém não chega a manchar a obra como um todo. Enfim, O Segredo da Cabana é uma homenagem caprichada e interessantíssima, não somente ao gênero horror, mas também aos seus fãs sempre fieis. Pode não ser uma obra prima, nem se tornar um novo clássico, mas sem dúvidas vale o ingresso do cinema.

Deixo ainda uma nova reflexão sobre o enredo: seriam estes seres ancestrais, que exigem a morte de belos jovens da maneira mais clichê possível uma alegoria a nós, os espectadores, aficionados por filmes de horror? Afinal, não somos nós, os que mais reclamam, mas também os que mais consomem a fórmula da violência estilizada repetida a exaustão, mas que quando bem executada, continua nos arrancando suspiros?

Leia também:

18 Comentários

  1. Christian

    Bem interessante. O legal é ficar tentando identificar os “pesadelos” em outras obras de terror. Várias referências são jogadas na cara do espectador, e realmente eu concordo com o final do post… Talvez os espectadores sejam os “deuses ancestrais”.

  2. Pinhead

    Só eu que não vi nada demais nesse filme?! Mediano, apenas!

  3. elton

    O filme mais merda que eu vi nos ultimos anos kkk

  4. George Campelo

    Muito bom. Ele tem algo que Tarantino gosta de fazer, que é colagem de velhos clássicos e homenagens.

  5. Carlos

    Apesar de simples, gostei do desfecho: seria mais clichê e previsível se de alguma forma o sacrifício tivesse sido feito por outro viés e aplacasse o final o corrido, como pela morte dos funcionários ou mesmo pela revelação que o tolo era na verdade, “a/o virgem”. Afinal, em praticamente todo filme de terror sobrevive alguém e quase sempre o mal maior é aplacado ou derrotado de alguma forma.

  6. Emerson Silva Salgueiro

    Lixo.

  7. Erico

    Filme muito divertido. Uma coisa interessante é que os cinco jovens não se enquadram nos clichês que deveriam: “a virgem” já teve um caso com um professor. A moça que deveria ser “a vadia” é fiel ao namorado. “O atleta”, que deveria ser um bronco, mas que na realidade é inteligente e culto, só tomando atitudes idiotas por que foi drogado pelos cientistas. “O estudioso” não é muito brilhante e o maconheiro, que deveria ser “o tolo” é de longe o mais inteligente do grupo.

    A cena das garotinhas (de 9 anos) derrotando a “sadako” (feito que nenhum personagem adulto de filme de terror japonês consegue) é genial.

    • Carlos

      Apesar de simples, gostei do desfecho: seria mais clichê e previsível se de alguma forma o sacrifício tivesse sido feito por outro viés e aplacasse o final o corrido, como pela morte dos funcionários ou mesmo pela revelação que o tolo era na verdade, “a/o virgem”. Afinal, em praticamente todo filme de terror sobrevive alguém e quase sempre o mal maior é aplacado ou derrotado de alguma forma.

    • Carlos

      Realmente. Isso “arredonda ainda mais o roteiro e justifica tudo ter dado errado.

  8. rere

    Filme delicioso! E mega inteligente! confesso que o início dentro do conglomerado me fez acreditar que estava vendo o filme errado, ahaha!

    Rachava de rir com cada interferência dos cientistas e quando a névoa de feromônios começou a subir eu fiz um aaaahhh, de “agora tudo faz sentido”, ahaha!

    As homenagens são lindas, vibrei com os cenobitas (Spoiler adiante)

    Já desconfiava que alguma coisa sobre eles viria, quando vi a “bola mágica”, hahaah!

    Também gargalhei com a cena do tritão, hauaha mais negro que o negro do humor, impossível!

    é um filme indispensável para os fás de terror e comédia de humor negro!

    p.s. faltou um cachorro que falasse, não? hahaahha!

  9. Juninho

    Filme extremamente interessante e bem feito. Me lembrou muito a refilmagem/resposta Sexta Feira 13 (2009). Se mantém fiel na sua proposta em entreter e saciar nossa sede de filmes de horror com roteiros bem feitos.
    Destaque para os personagens principais e para o final fora do convencional. Seria interessante se alguém fizesse um roteiro com a explicação de pelo menos alguns dos monstros/demônios e psicopatas como eles ficaram presos no elevador. Um curta por exemplo. É um filme de terror diferente.
    P.S: Eu sou um fã de filmes de suspense/terror exigente e esse me surpreendeu.

  10. katia guimaraes

    Muito loko esse filme!!!

  11. Ana Paula

    Um dos melhores filmes que vi nos últimos tempos! Começa com todos os clichês do tipo, mas que vai gradativamente explicando praticamente todos os clichês que vemos nos filmes de terror. Gostei muito, tanto que já revi umas duas vezes. Nota 10!

  12. Felipe

    Esse filme foi um dos melhores do gênero que já vi! Nossa muito bom e nostálgico, uma homenagem clara à vários filmes de horror. Que delícia de filme, cenas bem elaboradas. Aquele banho de sangue no final, nossa… Uma das melhores cenas kkkk de mais mesmo.

  13. Davi

    O filme é uma delícia para os aficcionados em cinema de terror! Demora um pouco pra se juntar as peças e despertar nosso interesse, mas quando isso acontece o resultado é mto interessante. Parabéns também pela ótima critica.

  14. Lukas

    Filme ótimo, muito bom, inteligente e esquisito, É um filme feito somente para os fãs de terror quem não conhece muito bem as fórmulas usadas em filmes de terror com certeza não vai gostar, pois vai estranhar não vai entender o filme. Ultimamente foram surgindo filmes ruins de terror, o gênero foi ficando fraco, e eis que O Segredo da Cabana surge para surpreender os fãs do cinema de horror. Esse filme chegou na hora certa.

  15. vanessa vasconcelos

    bom filme,mas achei o final meio tosco,foi mal……..

  16. Paula

    Tdo de bom esse filme ,uma surpresa agradável nesse ano que foi mto chato em relação aos filmes de terror!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *