Críticas

A Entidade (2012)

Com um final daqueles capazes de despertar um calafrio no estômago até dos mais fortes, A Entidade é um dos destaques de 2012!

A Entidade (2012)

Quando você vê-lo, nada irá te salvar!

A Entidade
Original:Sinister
Ano:2012•País:EUA
Direção:Scott Derrickson
Roteiro:Scott Derrickson, C. Robert Cargill
Produção:Jason Blum, Brian Kavanaugh-Jones
Elenco:Ethan Hawke, Juliet Rylance, Fred Dalton Thompson, James Ransone, Michael Hall D'Addario, Clare Foley, Rob Riley, Janet Zappala, Victoria Leigh, Cameron Ocasio, Ethan Haberfield, Danielle Kotch

Não é de hoje que Scott Derrickson escreve roteiros para filmes de terror. Em 2000, foi responsável por Lenda Urbana 2 e Hellraiser: Inferno, seu primeiro trabalho na direção de longas. Depois viria o suspense sobrenatural O Exorcismo de Emily Rose, em 2005, até chegar À Entidade. Uma jornada curta, mas que serviu para o cineasta adquirir experiência e prestígio no gênero, tanto que seu nome está associado a várias produções como o remake de Poltergeist. A importância de trazer o currículo do diretor em pauta é simplesmente porque o trabalho desenvolvido em seu último longa é tão interessante e atmosférico que é impossível não tentar observar tudo o que fez anteriormente e ainda aguardar ansiosamente pelo seu próximo filme, seja lá qual for!

No meio de uma quantidade vasta de produções que estreiam toda semana, A Entidade pode até passar despercebido. Como o ritmo dos cinemas é acelerado, não é de estranhar que o filme fique apenas umas duas semanas em cartaz, sendo ofuscado por outros lançamentos como Atividade Paranormal 4, um novo 007 e a simpatia de um ursinho falante. É seguramente uma injustiça, pois trata-de um terror eficiente, com uma clima assustador e uma conclusão satisfatória para qualquer fã do gênero.

A Entidade (2012) (1)

O escritor de livros sobre crimes reais Ellison (Ethan Hawke) está procurando um novo bestseller dez anos após sua última obra, Kentucky Blood, que lhe deu notoriedade suficiente para conquistar admiradores e inimigos. Ele se muda com a família para uma casa, onde no passado ocorreu um crime brutal envolvendo a morte de quatro pessoas por enforcamento na árvore do quintal – a cena inicial, com a fatalidade mostrada lentamente, é capaz de deixar o público atônito. Escondendo de sua bela esposa Tracy (Juliet Rylance) e de seus filhos Trevor (Michael Hall D’Addario), que sofre de terrores noturnos, e Ashley (Clare Foley), Ellison vai se tornando obcecado pelo mistério de sua casa, quando encontra no sótão uma caixa repleta de filmes Super 8, cujo conteúdo traz os assassinatos filmados de diversas famílias.

Derrickson não poupa os espectadores de mais cenas agoniantes como a da família que é queimada viva no interior de um carro, aquela que é degolada diante das câmeras e um afogamento lento e doloroso para a degustação dos fãs de produções sobre snuff. Quem estaria por trás dessas gravações? E quem seria aquela coisa que aparece em cada filmagem, num visual sombrio, aterrador? E qual a relação entre todos esses crimes, que ocorreram em locais e anos distintos? A fotografia escura contribui para a atmosfera assustadora, sem camuflar o que é essencial para o enredo, remetendo ao clássico moderno Os Outros e ao genial Os Inocentes.

A Entidade (2012) (2)

Embora não consiga evitar alguns clichês – família se mudando para uma nova casa, pesadelos, visões, desenhos macabros… – são as qualidades que fazem a diferença em A Entidade. O elenco, liderado por Ethan Hawke (2019 – O Ano da Extinção), cumpre com o esperado, sem prejudicar o conteúdo. O destaque fica por conta da pequena Clare Foley, que rouba as principais cenas, deixando para Michael Hall D’Addario a função de simplesmente arregalar os olhos para interpretar seu medo ao estilo David Dorfman em O Chamado.

Outro ponto positivo é o modo criativo como é utilizado a fórmula do found footage. Aqui temos as gravações amadoras como pede o gênero, mas nem tudo é mostrado: Ellison assume a função de espectador, mostrando apenas o que interessa para o público sem aquela enrolação do estilo, que, inicialmente, costuma ser chato, cansativo, pisando no acelerador nos últimos dez minutos com a morte do elenco.

Se há alguma falha em A Entidade, ela está nos fantasmas que aparecem apenas para o público, quando Allison está de costas e não consegue visualizá-los a tempo. São sustos artificiais, que não permitem que o protagonista sofra por antecipação e que poderiam ser evitados pois seus propósitos são apenas arrepiar o espectador e elevar a tensão sobre os acontecimentos. Funcionam, sim, mas são falsos, não acrescentam nada aos personagens.

Com um final daqueles capazes de despertar um calafrio no estômago até dos mais fortes, A Entidade é um dos destaques de 2012 ao lado de O Despertar, O Segredo da Cabana e Prometheus. Um longa que vale a pena você conferi-lo, de preferência numa tela grande, ao lado de um público pequeno, sem adolescentes que estragam qualquer atmosfera assustadora. É só entrar no clima e se arrepiar!

Leia também:

13 Comentários

  1. jv

    Achei macabro e sinistro tudo super aver com o nome do filme as pessoas pedem susto e mais sustos hoje em dia !! Mas oque assusta essas pessoas ? … amei o filme, climatização ótima por sinal, outro ponto importante neste filme é a trilha sonora super obscura principalmente em quanto esta rodando os filmes super 8, isso foi um dos pontos chave nele também. Hoje em dia é difícil não ser clichê… mas também é difícil fazer um bom filme, coisa que este filme é e muito !! Melhor do que esses clichês sem criatividade que andam oferecendo ultimamente.

  2. Scopel

    O filme é ridículo. Não há criatividade no enredo; o elenco se resume a dois personagens importantes e as atuações vão de amadoras a mal dirigidas ((!?)) – seja lá o que isso signifique -, o que achei estranho no caso do Hawke, que é um ótimo ator; as cenas de sustos são comuns e forçadas (as citadas aparições que só o espectador vê são no mínimo cômicas, pra não soltar aqui um palavrão). Não tem 4 horas que assisti e já começo a esquecê-lo (!). O final, ah, o final é nada mais que banal, vulgar, igual a mil outros, (minha companheira cantou a pedra com pouco mais de 40 minutos de filme) e olha que eu esperava algo do tipo Janela Secreta com Johnny Depp… vamos ter mais cuidado aí nas análises.

    Tenho certeza que minha decepção exagerada provém do fato de ter pesquisado o filme aqui no site antes de assisti-lo, como, aliás, sempre faço. Infelizmente este exemplar faz parte dos 90% ruins dos filmes de terror. Nota 2 e olhe lá.

    Destaques para as fitas macabras. E só.

  3. Flávia

    Poxa vida, fui assistir toda feliz depois dessas 4,5 caveiras.. achei péssimo. Não tomei um sustinho sequer, sempre esperando pela reviravolta que fosse me deixar feliz com o filme… péssimo. Muito ruim.

  4. Paulinha

    Estou até agora sem entender essas 4 caveiras!!!!Esse filme é super fraco, não assusta nem minha vozinha! Nem a história é novidade. Tema super batido e esse bicho papão mega ridículo!!!!!!!

  5. Emerson Silva Salgueiro

    Ótimo filme de terror. Sinistro. Assustador.

  6. Hierofante1970

    Assisti o filme e no começou me prendeu muito, mas depois da metade só vi para ver no que ia dar e sinceramente esperava mais, não é nenhuma bomba, mas com certeza poderia ter sido bem melhor. Para mim duas caveiras está de bom tamanho.

  7. Só eu que achei péssimo o filme?
    Eu não curti nem um pouco.

  8. Cristiano

    Este filme é muito bom, o final é de assustar, muito criativo.

  9. Gilson Bloch

    FILMAÇO GOSTEI MUITO DÁ HISTÓRIA E DA ATUAÇÃO DE ETHAN WANKE , FILME NOTA 10…

  10. Lukas

    Muito bom esse filme, é um ótimo filme de suspense, bem tenso e sinistro.

  11. Alam

    Gostei bastate desse filme, apesar de não gostar de filmes sobrenaturais, mais o clima desse é muito bom!!!recomendo…

  12. vanessa vasconcelos

    bonzinho,e só.

    • Adriana

      Também achei fraco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *