Críticas

A Hora do Pesadelo (1984)

A lenda de Krueger se espalharia, e nos filmes seguintes ele acabaria se tornando o protagonista, quase um anti-herói!

A Hora do Pesadelo (1984)

Sonhos mortais na Rua Elm

A Hora do Pesadelo
Original:A Nightmare on Elm Street
Ano:1984•País:EUA
Direção:Wes Craven
Roteiro:Wes Craven
Produção:Robert Shaye
Elenco:John Saxon, Heather Langenkamp, Ronee Blakley, Amanda Wyss, Jsu Garcia, Johnny Depp, Charles Fleischer, Robert Englund, Lin Shaye, Joe Unger

Não existe forma mais perfeita de descrever o medo do que com um pesadelo. Dentro dele, não vale nenhuma regra, não existe nenhuma chance de vencer, é apenas você e os seus maiores medos. Quem nunca acordou no meio da noite assustado, sem conseguir se lembrar direito do que havia sonhado, mas com uma sensação de pavor completo que parece ainda mais absoluta na escuridão da noite?

Wes Craven sabe bem disso. Tanto que no seu primeiro filme, o superestimado Last House on the Left, ele já apresentou uma cena de pesadelo onde um homem tem o dente arrancado de forma bem carniceira. Expandindo o conceito, ele criou o seu melhor filme, e um dos maiores ícones da história do cinema.

A Hora do Pesadelo (1984) (3)

O grupo de amigos formado por Nancy (Heather Langenkamp), Tina (Amanda Wyss), Rod (Nick Corri) e Glen (Johnny Depp) é assombrado por pesadelos estranhos, todos envolvendo o mesmo estranho personagem, um homem de suéter listrado, pele queimada e com longas lâminas nos dedos, chamado Freddy Krueger. O que parecia ser apenas uma coincidência estranha acaba se revelando uma vingança sobrenatural, quando os jovens começam a morrer. Lutando contra o sono ao mesmo tempo que tenta descobrir quem ou o quê é Krueger e como destruí-lo, Nancy precisa lutar contra a loucura e contra os adultos da cidade, que parecem esconder algum segredo horrível.

Soberbamente dirigido, o filme possui um sem número de cenas antológicas. A mais famosa sem dúvida é a morte de Glen, que é puxado para dentro da cama durante um cochilo e triturado num imenso jorro de sangue. Heather Langekamp faz um trabalho fantástico como a heroína Nancy, enquanto os veteranos John Saxon e Ronee Blakey interpretam seus pais problemáticos. Mas quem se destaca mesmo são Amanda Wyss, perfeita como a frágil Tina, que rouba cada cena em que aparece e tem um final digno de Janet Leigh; e Robert Englund como Freddy Krueger. Seu olhar psicótico, sua voz e gestos são o suficiente para deixar qualquer um com medo de pôr a cabeça no travesseiro. Com um único diálogo sobre o passado do vilão, Craven deixa a história e a personalidade de Krueger no escuro: só o que se sabe é que ele quer matar, e que sente um êxtase demoníaco nisso.

A Hora do Pesadelo (1984) (2)

Craven alega ter baseado o personagem mais famoso de sua carreira em um episódio da sua infância, quando olhou viu um mendigo encarando-o pela janela de seu quarto à noite. “Ele não era apenas assustador, mas estava deliciado pelo fato de estar me apavorando e de poder antecipar os meus pensamentos” descreveu ele numa entrevista. O nome do assassino veio de um garoto que praticava bullying contra o diretor no colégio, e que se chamava exatamente… Freddy Krueger! Já o conceito dos pesadelos assassinos surgiu a partir de uma série de notícias que Craven teria lido nos jornais, e que descreviam casos aparentemente sem conexão de três jovens que teriam morrido no Camboja durante seus sonhos.

A Hora do Pesadelo (1984) (1)

A lenda de Krueger se espalharia, e nos filmes seguintes ele acabaria se tornando o protagonista, quase um anti-herói, enquanto detalhes de seu passado foram se revelando. Mas apesar das continuações, spin offs e do patético remake, este original se mantém insuperável, e qualquer suposto fã de horror que não tiver visto esta gema merece ser incendiado vivo por uma turba de quem realmente ama o gênero.

Leia também:

8 Comentários

  1. Adoro a franquia esse primeiro é meu filme de terror preferido, um verdadeiro clássico mesmo. Ψ

  2. Papa Emeritus

    Foi o primeiro filme de terror que eu vi na vida. Eu lembro de ter visto ele no final dos anos 80 e fiquei com medo de dormir. Eu era bem novinho. Daí eu decidi que nunca mais iria ver um filme de terror na vida. Contudo, quando abriu uma locadora aqui perto de casa, o primeiro filme que resolvi alugar, por algum motivo, foi justamente A Hora do Pesadelo. Eu queria vencer o medo que o filme tinha colocado em mim. Não deu outra, Freddy Krueger virou o meu herói de infância e eu me tornei um fanático por filmes de terror. Esse primeiro filme é imbatível, supera todas as sequências e o remake fácil, fácil. Pra mim entra num top 5 de melhores slashers de todos os tempos. O filme não se baseia em jump scare (apesar de ter uns 2), ele se baseia em criar uma atmosfera assustadora e aumentar a tensão do espectador, além de confundir sonho com realidade (coisa que as sequências jogaram fora). O Freddy desse primeiro filme não faz piadas (sequências) e nem fica conversando com suas vítimas (remake). Ele tem apenas frases curtas como “vou te pegar”, “vem pro Freddy”, “vou te partir em dois”, “eu sou Deus”, “olha isso”, etc. Sem falar que a maquiagem desse primeiro filme deixa o Robert Englund monstruoso, enquanto nas sequências a maquiagem vai ficando cada vez mais borrachuda e menos ameaçadora, sem falar que no remake tem CGI em cima da maquiagem.

    Enfim, UM CLÁSSICO. É obrigatório pra fãs de terror.

  3. Morecgo

    Verdadeiramente, o melhor exemplo de como devem ser os primeiros filmes de terror de uma franquia bem-sucedida como essa.
    Craven criou a atmosfera perfeita para a primeira aparição de Freddy Krueger, numa época em que os slasher films começavam a cair na mesmice.
    Com um roteiro original, ele criou um dos personagens mais emblemáticos do cinema de terror de todos os tempos.
    Mesmo quem nunca tenha visto essa obra, deve saber quem é Freddy Krueger.
    DICA:
    Melhor assistir a franquia inteira – EM ORDEM! – do que assistir o remake horroroso.

  4. Adoro A Hora do Pesadelo, mas toda vez que reassisto o filme eu me pergunto: existe algum motivo para o Freddy passar a atormentar os adolescentes protagonistas todos ao mesmo tempo? Tipo, por que ele não fez isso de invadir pesadelos anos antes, logo depois que ele foi morto pelos pais da vizinhança?

  5. Fabio Rodriguez

    Um dos 5 melhores slashers já feitos!

  6. Fabio Rodriguez

    Foi uma experiência maravilhosa e única quando, em 2007, eu vi pela primeira vez o filme que deu origem a esse personagem tão icônico do cinema de horror. Confesso que depois dessa primeira assistida, eu passei a implicar um pouco com o filme por causa de suas tosquices e exageros, mas depois eu percebi que isso era uma característica comum à maioria dos filmes de horror dos anos 80, e até passei a enxergar isso como um charme nos filmes daquela época.

  7. Carlos Geovanny

    PERFEITO!

  8. vanessa vasconcelos

    marcou minha infãncia,clássico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *