Fase Um (2011)

Fase Um (2011)

Fase Um
Original:Bloodwork / Phase One
Ano:2011•País:EUA, Canadá
Direção:Eric Wostenberg
Roteiro:David Nahmod
Produção:Chris Chesser, Karen Glasser, Brandon Nutt, David S. Ward
Elenco:Travis Van Winkle, Tricia Helfer, Stephen Bogaert, John Bregar, Anna Ferguson, Mircea Monroe, Joe Pingue, Eric Roberts

Atendendo a um anúncio que promete dinheiro fácil para aqueles que se submeterem a uma nova droga, dois jovens se internam numa clínica farmacêutica conhecida pela produção de medicamentos populares. Greg (Travis Van Winkle, de Sexta-Feira 13, 2009) faz o típico adolescente american pie, que só pensa em sexo e aceita qualquer negócio desde que não coloquem nada na sua bunda, enquanto Rob (John Bregar, Left for Dead) faz o papel inverso, agindo com responsabilidade e consciência, apesar de ser facilmente manipulado pelo amigo.

No instituto, são orientados pela gatíssima Dr. Wilcox (Tricia Helfer, da série Battlestar Galactica) sobre a fórmula, chamada Ravenix, servir para testar alergias e as condições do contrato, mas é um paciente, Nigel (Rik Young, de A Lenda de Beowulf), que irá apresentar as instalações e as garotas – Patrícia (Yanna McIntosh, de Um Ato de Coragem) e Stacey (Mircea Monroe, de Eu Queria Ter a Sua Vida) -, além de outros que participarão dos experimentos.

Divididos em capítulos que trazem cada dosagem da droga, Bloodwork, também conhecido como Phase One, começa como uma produção de humor negro, colocando os personagens em situações cômicas, e depois se transforma num banho de sangue quando os efeitos da fórmula passam a agir no comportamento das cobaias humanas. É claro que não se trata de um medicamento para alergia, já que afasta a repulsa e ainda faz com que os pacientes tenham uma boa recuperação contra ferimentos.

Dirigido por Eric Wostenberg (Sacrifice), a partir de um roteiro de David Nahmod, o longa surpreende pela falta de pretensão e por apresentar uma trama simples e enchê-la de elementos que os fãs do gênero adoram: gore, violência e até zumbis. Por outro lado, os efeitos especiais são fracos, fazendo uso de um CGI terrível na recuperação dos ferimentos, no degolamento ridículo e, principalmente, numa explosão que acontece no ato final.

Algumas soluções simples e as altas doses de clichês impedem uma avaliação melhor, embora o sangue e as mortes violentas jusfiquem a participação do filme no Brussels International Festival of Fantasy Film. Provavelmente, todo o orçamento da produção tenha sido utilizado para as duas cenas em que aparecem o veterano ator Eric Roberts (Os Mercenários), pagando mico e algumas contas.

(Visited 64 times, 1 visits today)
Marcelo Milici

Marcelo Milici

Fundou o Boca do Inferno em 2001. Formado em Letras, fez sua monografia sobre o Horror Gótico na Literatura. É autor do livro "Medo de Palhaço", além de ter participado de várias antologias de horror!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien