A Noite dos Demônios (1988)

Night of the Demons (1988)
A festa apenas começou!
A Noite dos Demônios
Original:Night of the Demons
Ano:1988•País:EUA
Direção:Kevin Tenney
Roteiro:Joe Augustyn
Produção:Joe Augustyn
Elenco:Hal Havins, Allison Barron, Alvin Alexis, Harold Ayer, Billy Gallo, Cathy Podewell, Karen Ericson, Lance Fenton, Donnie Jeffcoat, Linnea Quigley, James W. Quinn, Clark Jarrett, Amelia Kinkade, Jill Terashita

por Tiago Toy

Todos nós que crescemos assistindo a filmes de terror temos um em especial, aquele que marcou nossa infância. Lembro de quando meu pai comprou nosso primeiro videocassete. Eu estava no céu! Antes disso, me contentava em passar horas na locadora ao lado de casa lendo as sinopses nas contracapas das fitas VHS. Havia um em particular que não saía da minha cabeça, e eu imaginei durante anos como aquele filme seria. Pudera, com uma capa daquela. Uma mulher-demônio com dentes podres de vampiro, com uma aranha saindo de sua coroa, olhos vermelhos me encarando, e a linguona roxa de fora lambendo um pirulito em formato de crânio. A chegada do videocassete me permitiu conhecer aquela preciosidade que se tornaria o filme de minha vida: Night of the Demons 2.

Minha mãe deixava que eu alugasse de 2 a 3 filmes todo final de semana, e ele estava em todas as listas. O dono da locadora Dimensão deve ter ficado consideravelmente mais rico graças a minha obsessão com aquele filme. Pelo menos até eu descobrir como fazer cópias usando dois videocassetes.

Não vou me aprofundar muito em minha história com A Noite dos Demônios 2, pois pretendo escrever uma análise só pra ele, mas o básico é: assisti o filme tantas e tantas vezes que decorei cada fala, movimento e corte de cena. Primeiro porque eu gostava; segundo porque eu não encontrava a parte 1 em lugar nenhum. Não me recordo datas exatas, mas desde que conheci a 2ª parte, passei 10 anos em busca do 1º. Se tornou uma meta de vida. Lembro até hoje de quando sonhei que estava andando em uma rua deserta, chegava à casa de um amigo dos meus pais onde estava rolando um churrasco, entrava escondido e vasculhava pelos armários em busca de algo que eu sabia que estava ali. E encontrei. O VHS de Night Of The Demons. Não pensei duas vezes e roubei. Fiquei tão feliz!… Mas era um sonho.

Quando comprei meu segundo computador (o primeiro era daqueles com a tela preta e letras verdes, onde inclusive transformei A Noite dos Demônios 2 em livro, pra verem o grau da obsessão), pesquisei por meses e descobri que o filme não havia sido lançado no Brasil. Naquele ponto isso não era mais um problema. Quando temos poder sobre a internet, podemos encontrar absolutamente qualquer coisa, é só saber procurar. Descobri o Emule e, obvio, procurei pelo filme. Devo ter esperado que ele baixasse completo por mais de um mês. Aquela tarde em que o download foi acusado como concluído… Cara, foi uma sensação indescritível! Era uma tarde fria, escura, propícia para o momento. Finalmente, após dez anos de procura, estávamos ele e eu naquele quarto, sozinhos. Minhas expectativas eram demasiado altas. Apaguei a luz, me enrolei no cobertor e dei o play.

Night of the Demons (1988) (3)

Em Night of the Demons (A Noite dos Demônios), de 1988 e dirigido por Kevin Tenney, Angela Franklin (Amelia Kinkade, apresentada como Mimi Kinkade nos créditos) planeja uma festa inesquecível junto a sua melhor amiga Suzanne (Linnea Quigley) em uma antiga funerária conhecida como Hull House, um lugar assustador no meio do nada, digno de um verdadeiro filme de terror. Há muitos anos, os negócios eram conduzidos pelo velho Sr. Hull, mas Hull era um homem estranho, obcecado pelos cadáveres dos clientes. Uma noite, a família Hull teve um doloroso fim, quando um dos membros da família surtou. A empregada da família não conseguiu escapar do massacre, e a identidade do assassino se tornou um mistério, uma vez que as autoridades não tiveram êxito em encontrar pistas em meio às pilhas de sangue e tripas.
Angela aproveita o passado obscuro da mansão e acolhe a ideia de uma festa de Halloween autêntica. Frannie (Jill Terashita) sugere uma sessão espírita como a primeira brincadeira da noite. Claro que não podia sair coisa boa disso. O jogo aparentemente inofensivo sai pela culatra da pior maneira quando os dez jovens acidentalmente libertam um demônio, o único morador de Hull House. Odores desagradáveis, ruídos altos e brisas arrepiantes arruínam a vibe de festa, mas há problemas maiores que tornarão essa a pior noite da vida de cada um deles. Todos tentam entender as aleatórias e bizarras séries de eventos enquanto o demônio toma vantagem da confusão e as forças do mal possuem Suzanne.

Como demônios não podem atravessar água corrente, a única maneira de se prevenir dos ataques é atravessar a área que diz respeito ao riacho subterrâneo que circunda a propriedade. O único problema (pensando bem, não é o único) é que o portão sumiu misteriosamente. Por mais que andem, só encontram o alto muro que protege a mansão. As forças demoníacas de Hull House vão impedir qualquer saída até que o último dos jovens seja possuído. Os sobreviventes terão que escapar dos ferozes ataques até o amanhecer, ou suas almas serão perdidas para sempre.

Night ff The Demons é uma notável comédia/terror. É um horror oitentista exagerado, recheado de piadas que supostamente deveriam ser bregas. Adoro o humor extravagante, e o filme oferece uma boa mistura de horror e risos, mas nunca chega a um ponto específico, um empecilho para quem quer levar a história a sério. O roteiro não é bobo ao extremo, escrachado, e pode-se agradecer ao escritor Joe Augustyn por tê-lo escrito. As piadas de Augustyn proporcionam algum alívio cômico e são deveras criativas, como a lápide com a data da morte: TONIGHT, ou quando Angela “aquece as mãos” na lareira, mas nunca se esquece do horror, sabendo quando e como manter o suspense, principalmente antes das aparições demoníacas.

Night of the Demons (1988) (1)

A casa por si só é o cenário perfeito para o filme. Hull House é isolada no meio do nada, acessada apenas por uma velha estrada, impedindo que os jovens fujam ou peçam ajuda para os vizinhos. É uma mansão funerária antiga, assustadora, com uma atmosfera arrepiante (tente se imaginar dentro dela à noite e saberá do que estou falando). A casa realmente realça os sentimentos de medo e desespero.

Depois da primeira possessão, Angela explica a diferença entre “mal-assombrado” e “possuído“. Não há fantasmas causando problemas na mansão, como se imagina à primeira vista. Um demônio espreita os adolescentes, e Hull House é controlada por misteriosas forças do mal que podem interceptar suas vítimas ao fechar ou bloquear portas e outras saídas, ocultar determinadas partes do local, como o portão, a única saída, e o que mais vir a calhar. Esta peça crucial de informação o separa de outros filmes sobre casas assombradas, e a ideia de uma casa possuída é mais revigorante.

Um dos pontos mais baixos é a péssima atuação da protagonista Judy Cassidy (Cathy Podewell). Judy é doce, inocente e, para complementar, está fantasiada de Alice no País das Maravilhas. Sua atuação é sofrível, beira a vergonha alheia. Em compensação, a antagonista Angela, não sendo a primeira, mas a mais memorável dos possuídos, é fantástica. Angela é uma pária, daquelas góticas reclusas, que implora por atenção da pior maneira. Ela usa um vestido negro de noiva, e o traje reforça o lado obscuro da personagem, especialmente durante suas cenas como demônio.
Apesar disso, Kinkade trouxe um apelo sexual à personagem. Não dura muito, mas Kinkade oferece um show e rouba a cena com seu momento sexy e icônico, quando ela dança sensualmente ao som de Stigmata Martyr (Bauhaus) e é possuída ao longo da música. A performance enche os olhos, é o erotismo infernal em seu melhor. A coreografia é não-linear, como se houvesse rupturas no tempo, e considerando a época em que foi gravada, é quente ao extremo, especialmente quando Kinkade começa a girar em círculos exibindo pernas e nádegas. Angela dá saltos e giros banhada pela luz estroboscópica, fazendo parecer que ela está viajando através do tempo. Amparado pelos flashes rápidos, é um efeito assustador.

Night of the Demons (1988) (4)

Amelia Kinkade é o único membro do elenco recorrente na franquia, e ela realmente possui a personagem. Angela tem força equivalente a Jason Vorhees ou Freddy Krueger, e poderia ser um ícone da cultura pop mais conhecida no Brasil se o filme tivesse sido distribuído por aqui.
A caracterização de Angela, do figurino e atuação à maquiagem e voz demoníaca (voz essa por James W. Quinn), funciona muito bem e é o ponto forte. Vê-la deslizando pelos corredores escuros é o tipo de cena que, visto pelos olhos de um moleque na época, marca. Em resumo, Angela é Night of The Demons.

Uma curiosidade que vale ressaltar é que, diferente de outras divas do horror, Amelia Kinkade não seguiu carreira cinematográfica. Ela trabalhava com balé na época da gravação e foi a responsável por desenvolver a cena da dança sobrenatural de Angela. Seu último trabalho no cinema foi em 1997 no filme Night of the Demons 3 (A Casa do Diabo, no Brasil), a terceira e última parte da franquia, tendo como Angela Franklin sua personagem mais notável. Em 2001 e 2006, Kinkade lançou, respectivamente, os livros “Straight From the Horse’s Mouth – How to Talk to Animals and Get Answers” e “The Language of Miracles – A Celebrated Psychic Teaches You to Talk to Animals”, e atualmente trabalha como comunicadora animal e se autoproclama pet psychic (algo como psíquica animal, alguém com poderes para se comunicar com animais de todas as espécies). Seu site oficial pode ser encontrado facilmente na net.

Outra personagem notável é Suzanne, interpretada pela diva do B-horror dos anos 80 Linnea Quigley. Da primeira à sua última cena, pode não ser uma atriz de Oscar, mas cumpre seu papel. Escolho todas como as melhores, mas a TOP é quando ela desliza um batom pelo corpo, o enfia no mamilo, como se o guardasse na bolsa. É bizarro!

Aliás, em relação à falta de uma gama repleta de todos os tipos de personagens o filme não sofre. Há uma variedade sortida de estereótipos. Só entre os jovens na festa, há dez. Angela é a gótica; Suzanne é a piranha; Judy é a protagonista inocente; Sal Romero (Billy Gallo, creditado como William Gallo) é o típico colegial durão; Jay Jansen (Lance Fenton) é o babaca pé-no-saco; Roger (Alvin Alexis) é o covarde; Stooge (Hal Havins) é o gordo desbocado e desrespeitoso; Max (Philip Tanzini) é o bem humorado; Frannie é namorada de Max e não tem muitos atrativos além da beleza; e Helen (Allison Barron) é… Bem, ela apenas está lá.

Night of the Demons (1988) (5)

Vale citar uma história (nem sei se posso chama-la assim) paralela que ocorre na vizinhança de Judy, envolvendo um casal de vizinhos idosos. O velho está ali para xingar a molecada e, no fim, morrer pelas mãos da esposa. Não há ligação nenhuma com a trama principal, e mesmo após assistir várias vezes não entendi seu fundamento.

A abertura é uma brincadeira à parte, desenvolvida em desenho animado onde morcegos e outros elementos do Halloween brincam na tela por 3 minutos ao redor de um castelo assombrado. Original, no mínimo.

Como a maioria dos filmes de terror dos anos 80 – especialmente os que envolvem comédia – Night of The Demons recebeu um severo tratamento por parte da crítica. Particularmente, acredito que a maioria dos críticos que o atacam não compreende o lado comédia do filme.
Tecnicamente, há duas versões: a versão original de 1988, e o DVD sem cortes. Assisti ambas e nunca percebi grande diferença. A versão sem cortes é 3 minutos mais longa, apresenta com mais gore gráfico e violência, mas ainda assim não se percebe maiores mudanças entre as versões.
Há um remake lançado em 2009 que dá um tom mais fresco e violento à trama, e tem ótimas sacadas, assim como a eficiente piada final, mas se difere do original em diversos pontos, o que vou deixar para discutir em uma análise distinta.

Night of the Demons (1988) (6)

À medida que o horror vem e vai, é possível encontrar um monte de filmes ruins e slashers previsíveis oriundos dos anos 80, mas Night of The Demons é uma verdadeira joia. Como filme alcança fácil o 8/10, mas como significado ultrapassa a nota máxima. Não o considero melhor do que sua sequência (Night of The Demons 2 é o filme da minha vida), mas é realmente um entretenimento agradável. Dê uma chance se estiver no gênero ou no estilo ou no clima para algo inofensivo e divertido. Poderá não marcar sua vida como fez à minha – afinal, você não precisará esperar 10 anos para assisti-lo se tiver fácil acesso ao Torrent ou Youtube –, mas vale conhecer Angela em toda sua plenitude, a verdadeira e única rainha dos demônios.

(Visited 724 times, 1 visits today)
Autor Convidado

Autor Convidado

Um infernauta com talentos sobrenaturais convidado a ter seu texto publicado no Boca do Inferno!

20 comentários em “A Noite dos Demônios (1988)

  • 26/09/2017 em 09:04
    Permalink

    Que Decepção na época eu vi a capa VHS e pensei, sera que é uma Continuação de Demons Filhos das trevas? quando olhei atras da fita a descrição, coloquei de volta na pratilheira kkkkk

    Resposta
  • 20/01/2017 em 17:36
    Permalink

    O unico filme da década de 80 que eu realmente não consigo gostar. Acho muito puxado e sem graça alguma, mas sua critica ficou ótima e que bacana a historia de como ele marcou uma época da sua vida

    Resposta
  • 03/05/2015 em 22:19
    Permalink

    Eu assisti o 1º só depois de adulta, quando era pequena tinha o vhs de A noite dos demônios 2 e assistia várias vezes, creio que seja esse o motivo de gostar mais do 2º srsrs

    Resposta
  • 16/04/2015 em 06:51
    Permalink

    Achei muito parecido com a Morte do Demonio.

    Resposta
  • 02/10/2014 em 03:41
    Permalink

    kkkkkkkk rindo do começo ao fim. kkkkkkkkkkkkkkkk

    Resposta
  • 20/09/2014 em 23:17
    Permalink

    caramba…minha história é bem igualzinha. quando o video cassete chegou em casa,atingimos o ápice da felicidade. aqueles filmes com capas que nos chamavam a atenção (alem daqueles cartazes gigantes dentro das locadoras e do lado de fora aquele cavalete que trocava toda a hora o cartaz dos filmes mexia com nossa imaginação… filmes ótimos que não dependiam de computadores para serem bons. uma boa história e uma maquiagem bem feita era o que precisava para prender nossa atenção por longas tardes ou longas madrugadas.(eu e meus irmãos achavámos o máximo ver filmes de terror de madrugada). bons tempos…

    Resposta
  • 25/05/2014 em 00:29
    Permalink

    Tiago, antes de mais nada quero dizer que seu comentário em relação ao filme noite dos demônios, está perfeito. Você disse exatamente tudo aquilo que sinto e percebo ao assistir o filme, sim, é meu filme de cabeceira, assim como vários outros trashs dos anos 80. Gostaria de saber se você organiza ou já organizou encontros para assistir filmes de terror (estilo americano)? Acho que este tipo de filme possui seu público e é bem representado, mas, por exemplo, quando um filme faz seus 25 anos, ele merece um “replay”. Gostaria de conversar mais sobre estas ideias. Meu e-mail foi enviado. Se puder, entre em contato.

    Resposta
  • 03/03/2014 em 03:38
    Permalink

    Filmaço mesmo. E sobre a cena do velhinho o que parece que funciona como uma pequena lição tipo não tente fazer o mal ou poderá voltar para você, pois ele está com sacos de compra e há maças e uma caixa de giletes ao que parece o velhinho iria sacanear os jovens e se deu mal.

    Resposta
  • 15/08/2013 em 10:47
    Permalink

    Cara, a mesma obsessão eu nutri pelo terceiro Night Of The Demons, que no VHS era chamado de A Casa do Diabo, passei uns 10 anos procurando e só fui consegui-lo também no bom e velho emule, cara, foi lindo rever o filme e relembrar da insuperavel infancia que eu tive em meio àqueles bons filmes de terror.

    Resposta
  • 13/06/2013 em 15:05
    Permalink

    Trash total, muito divertido e assustador (Para quem assistiu na infância).
    Observação: A capa de Night of the Demons 2 sempre me chamava a atenção na locadora, só que minha mãe não me deixava alugar, desde a vez em que aluguei “Festim do Inferno” de 1988, e fiquei uma semana com medo de ser devorado pela minha mãe.

    Resposta
  • 11/06/2013 em 14:45
    Permalink

    Assisti, o número 1,2,3 e o remake, gostei de todos, pode-se assistir online no youtube, mas é impagável 1, e irmã Glória do 2, “Give space for the holy spirit”, kkkkkkkkkkkkkkkk

    Resposta
  • 09/06/2013 em 16:41
    Permalink

    Uma pena eu não ter assistido a esses filmes na infância, porque, certamente, teriam me marcado bem mais do que marcaram. Tudo o que eu assisti na infância, e até no início da adolescência, pra mim, é como se eu tivesse visto através de uma aura mágica, capaz de dar um sentido diferente ao que eu via. Isso, olhando para trás, e não durante o momento, deu pra entender? E será que com todo mundo é assim?

    Acho que é o caso de “Evil Dead”, apenas para citar um clássico como exemplo. Eu o assisti aos onze anos de idade, e tenho certeza de que, se o tivesse assistido pela primeira vez uns dez anos mais tarde, ele não teria me marcado como marcou… acho até que o teria achado fraco, como muitos que o assistem pela primeira vez depois dos vinte anos.

    E o mesmo vale pra outros gêneros. “My Girl” (que me recuso a chamar de “Meu primeiro amor”) não teria essa aura de magia que tem pra mim hoje, assim como “A história sem fim” e tantos outros…

    Enfim, muito bom o seu texto, Tiago, mas, mais ainda, o seu desespero e peripécias na busca incessante e, finalmente, concretizada pelo primeiro filme. Viva a Internet!!

    Também adoro a Angela possuída. ANGELA RULES!

    (uma das minhas cenas preferidas, e não apenas deste filme, mas considerando todos os filmes de terror, é aquela cena, e não lembro se é do primeiro ou do segundo filme, quando eles estão em um círculo e o demônio, recém-despertado, fica se locomovendo no meio deles, escolhendo em qual dos corpos irá entrar. Nessa cena, vemos através do ângulo do demônio, e é apavorante demais).

    :))

    Resposta
  • 08/06/2013 em 20:39
    Permalink

    Tiago, MEUS PARABÉNS pela crítica. Muito bom mesmo.

    A Noite dos Demônios é um ótimo filme de terror. Lembro da minha infância, na locadora, olhando aquela capa do VHS do segundo filme. Pra quem nunca viu, essa é a capa.
    http://4.bp.blogspot.com/__YJpvnwlJPI/SgQ8KFuthSI/AAAAAAAAAAU/sswc1-orgws/s400/a+noite+dos+demonios+2.jpg

    Infelizmente, esse é o tipo de filme que não se faz mais hoje em dia. demônios, possuídos, maquiagem excelente pra época (dá medo mesmo) sustos, desespero, funerária antiga, coisas que realmente deixam o filme bem assustador.
    E acredite, esse filme realmente da medo.

    Outro ponto forte é sua trilha sonora, tão assustadora quanto o filme. Quando a Angela sai andando pela casa procurando a molecada. (kkkkkkkk tenho medo disso até hoje)

    Pra quem nunca assistiu, não perca tempo é um baita filme. Com tanto filme de terror ruim hoje em dia, hoje a noite vou aproveitar e assistir novamente esse filme, que marcou minha infância.

    Resposta
  • 08/06/2013 em 08:46
    Permalink

    deve ser hilário,queria ver.

    Resposta
    • 08/06/2013 em 20:42
      Permalink

      não perca tempo, assista!!!!!!

      Resposta
  • 07/06/2013 em 01:30
    Permalink

    Tiago, cara, MEUS PARABÉNS pela crítica! Dá pra sentir a sua paixão escorrendo por cada frase, e eu valorizo muito isso na expressão escrita de alguém!

    Eu tenho adoração por Night of the Demons 1 e 2 (o 3, bem, temos que conversar sobre ele… hehe!). Angela, pôxa, ela rouba toda a cena, tanto como humana tanto como possuída! Ela tem um humor meio Pinhead meio Freddy Krueger! As mortes são muito boas no grafismo e na criatividade, os personagens que supostamente deveriam ser irritantes e descartáveis aqui apresentam-se estranhamente como carismáticos, o ritmo do filme é dinâmico, fácil de acompanhar e divertido.

    E por favor, escreva sobre a parte 2, o filme da tua vida, porque ele é um dos filmes da minha vida também!

    P.S.: falando em casas, demônios e pessoas possuídas, e tu sendo um cara craque da era do VHS, tu não te lembras de um filme onde numa casa isolada numa noite de tempestade um grupo de adultos fica ilhado e numa cena uma velha possuída vai pra cima de uma pessoa na varanda, essa pessoa desvia e a velha encapetada cai dessa sacada lá embaixo na lama? Se tiver alguma pista, me ajude a encontrar esse filme!

    Resposta
  • 06/06/2013 em 19:56
    Permalink

    Já tinha assistido o 1 e gostei muito, fui baixar o 2 e assistir pelo jeito que você falou…

    bem, assisti e não achei melhor que o 1… o 1 chegou a dar medo, pois um grupo preso na casa sem poder sair, no escuro, e cada vez mais demonios, além da vilã nunca morrer (eeu achava varias vezes que a deaba já tinha morrido ela voltava)

    Já o 2 achei mais fraco, não teve mortes legais, e o clipe de terror é menor, além da comedia ter broxado as partes de terror… só presta mesmo os personagens que viveram, gostei muito da irmã Gloria

    Resposta
    • 08/06/2013 em 19:57
      Permalink

      Tenho a mesma opinião do segundo filme.

      Resposta
  • 06/06/2013 em 19:01
    Permalink

    Adorei a resenha, nunca encontrei alguém que fosse fã da trilogia ” A noite dos Demônios” assim como eu,. É interessante vc ressaltar alguns caminhos tomados por alguns atores no decorrer da crítica. Eu também prefiro o segundo filme da trilogia , mas amo incondicionalmente esse primeiro capítulo. Acho válido destacar várias referências á bandas de heavy metal e punk rock oitentististas no filme, como os adesivos do Corrosion of Conformity no aparelho de som, o logo do Exodus no vidro do carro do stoogie, entre várias outras referências. A cena em que rola Bauhaus é sinistra bixo ! haha. Aguardo as outras resenhas.

    Resposta
    • 08/06/2013 em 19:54
      Permalink

      Pois encontrou o primeiro fã. Quer dizer, fã da trilogia eu não sou, pois só assisti o 1 e 2, sendo que o 2 não gostei, muita comédia pro meu gosto, já o 3 nunca achei pra comprar ou baixar.
      Já o primeiro filme não chega a ser um clássico, mas em minha humilde opinião e um dos melhores filmes de terror que já assisti.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien