Brinquedo Assassino 3 (1991)

Brinquedo Assassino 3 (1991)
Chucky entra para o Serviço Militar!
Brinquedo Assassino 3
Original:Child's Play 3
Ano:1991•País:EUA, UK
Direção:Jack Bender
Roteiro:Don Mancini
Produção:Robert Latham Brown
Elenco:Justin Whalin, Perrey Reeves, Jeremy Sylvers, Travis Fine, Dean Jacobson, Brad Dourif, Peter Haskell, Dakin Matthews, Andrew Robinson, Burke Byrnes, Matthew Walker

Com uma enorme quantidade de absurdos e cenas francamente surreais, este é o filme mais odiado da série, mais ainda do que O Filho de Chucky. O próprio Don Mancini não gosta de Brinquedo Assassino 3, dizendo que foi forçado a escrever o roteiro às pressas antes mesmo da parte 2 estar pronta. Isso explica a quantidade de buracos e situações forçadas. Isso quer dizer que o filme é uma bomba completa? De forma alguma! O melhor elogio que pode se fazer a Brinquedo Assassino 3 é considerá-lo um guilty pleasure, um daqueles filmes que divertem exatamente por serem idiotas.

Como na parte 2, tudo começa com a ressurreição de Chucky. Ressurreição ridícula, diga-se: uma gota do sangue do boneco cai num tonel de plástico derretido, deste plástico é feito um boneco, e voilá, Chucky está vivo! Não faz o menor sentido, mas precisávamos de Chucky vivo de uma forma ou outra, ou não teríamos filme.

Brinquedo Assassino 3 (1991) (2)

A ação se volta então para uma reunião dos donos da Play Pal, fábrica de bonecos Good Guy. O dono da fábrica, Sullivan (novamente interpretado por Peter Haskell), que está reabrindo a companhia. A grande estratégia de marketing deles é voltar a comercializar os bonecos Good Guy, para superar a polêmica por conta dos assassinatos dos filmes anteriores, outra coisa que não faz o menor sentido. Sullivan é morto por Chucky numa cena extremamente longa e mal construída, e logo depois o brinquedo descobre que o executivo mantinha uma ficha com o paradeiro de Andy Barclay, o garoto que é sua única esperança de voltar a ser humano.

Brinquedo Assassino 3 (1991) (1)

Superado este prólogo ridículo, a história começa de fato. Andy Barclay, agora com 16 anos e interpretado por Justin Whalin (de Mamãe é de Morte), está entrando para o Colégio Militar. O lugar é lotado de personagens clichê, muitos deles feitos apenas para ir pra faca, outros um pouco mais desenvolvidos. Os mais importantes são Da Silva (Perrey Reeves), que é o interesse romântico de Andy, e Tyler (Jeremy Sylvers), um garoto que passa a ser a nova esperança de Chucky voltar a ser humano.

Brinquedo Assassino 3 (1991) (4)

A partir daí, visualize a primeira metade de Nascido para Matar com um boneco assassino no meio. Chucky perde muito tempo matando gente que não faz diferença, o que só atrasa o seu plano de trocar de corpo com Tyler. Já no final o cenário muda completamente, da selva onde os soldados estão em treinamento para um parque de diversões (que fica no meio do mato!) onde ocorre o confronto final contra Chucky. O clímax se dá num Túnel do Terror, e é até bem legal. O problema é que destoa completamente do resto do filme. Parece que Don Mancini tinha na gaveta a ideia de um clímax no parque e decidiu enxertá-la de alguma forma no filme.

Brinquedo Assassino 3 (1991) (3)

Brinquedo Assassino 3 pode ser considerado uma ponte entre o terrir dos primeiros filmes (especialmente do segundo) e o humor escrachado dos filmes seguintes. Por isso mesmo não funciona, e, ficando em cima do muro, é o pior filme da série. Mas, se nada mais funciona, Chucky ainda é o mesmo, e deve garantir momentos de diversão para o espectador menos exigente. Nada como Brad Dourif e sua voz sinistra para salvar o dia!

Leia também:

Matheus Ferraz

Matheus Ferraz

Mineiro, autor publicado e mestre em Biografia pela University of Buckingham

13 comentários em “Brinquedo Assassino 3 (1991)

  • 11/10/2016 em 05:41
    Permalink

    Eu gosto desse filme, é o meu favorito, adoro o final dele.

    Resposta
  • Pingback:23 memórias da infância que ilustram perfeitamente como a inocência pode ser trágica – Cachorros do Cerrado

  • Pingback:23 memórias da infância que ilustram perfeitamente como a inocência pode ser trágica | Curiosidades Atuais

  • 18/04/2014 em 23:33
    Permalink

    Não sei qual o problema com este BRINQUEDO ASSASSINO 3.
    Pra mim, o problema é que, foi com este filme que morria de medo de Chucky.
    Quando era criança, não podia ver a chamada no SBT, que corria para o quarto e começava a chorar, de tanto pavor!
    Acho que o mais me assustava nele era sua cara demoníaca, com seu sorriso aterrador.
    Porem, curiosamente, adorava ver a capa do VHS de BRINQUEDO ASSASSINO 2, mais por causa do palhacinho assustado…
    Mas, em 2003, resolvi, deixar de ter medo dele, e aluguei o primeiro filme. Confesso que gostei muito, o que me levou a buscar as continuações.
    E o resultado foi o mesmo. Adorei tanto o 2 quanto este. Porem, admito que antes de chegar a eles, vi A NOIVA DE CHUCKY e achei bacana… Hoje, passo direto.
    BRINQUEDO ASSASSINO 3 mostra um Chucky igualmente perverso e engraçado, igual a Freddy Krueger. Mostra também como ele continua sua busca obsessiva pela alma de Andy, mesmo tendo encontrado um substituto. Acho que o único problema é porque ele foi atrás do menino Tyler e não de Andy…
    Mas isso não importa. O que importa é que Chucky continua o mesmo: sádico e cruel e agora, engraçado.
    O filme tem poucas cenas de morte, é verdade, mas a melhor delas é o nerd que explode…
    O melhor momento é a perseguição no Parque de Diversões, mais precisamente a cena em que Chucky tem seu rosto parcialmente decepado pela foice do Reaper. Uma jogada de mestre!
    Outro momento memorável é a morte dele – jogado do alto de um penhasco por Andy dentro de um exaustor. Brilhante!!!!
    Enfim… Mesmo com suas criticas e poucas falhas, BRINQUEDO ASSASSINO 3 é um filme divertido.
    Curiosidade: A única cena que vi quando era pequeno foi a sequencia de abertura, mas, mesmo assim, fiquei com medo.
    Agora, assisto ao filme sem problemas.

    Resposta
    • 09/12/2017 em 19:49
      Permalink

      Cara, pelo visto tínhamos o mesmo trauma só de ver as chamadas do filme. Confesso que virou um trauma de infância e até hoje eventualmente sonho com o chucky. Kkk

      Resposta
    • 20/01/2018 em 00:36
      Permalink

      Quando eu era criança, Morcego, também tinha um medo terrível desse boneco. Minha mãe me obrigou a assistir o filme (acho que foi o 2) e acabei ficando com febre… Fui pro médico e ele até falou pra minha mãe não fazer mais isso (acho que ela não suportava mais me ver com medo de um boneco, kkk). Depois desse dia, por incrível que pareça, perdi o medo e passei a enxergar o gênero de terror com mais clareza.

      Resposta
  • Pingback:Todas as Críticas: 668! | Boca do Inferno

  • 15/07/2013 em 22:20
    Permalink

    Tbm gosto bastante da parte 3, a noiva de chucky não é muito bom mas o filho é horrível.

    Resposta
  • 14/07/2013 em 22:43
    Permalink

    por a perte 3 tambem e boa na epoca me deu muito. por mas falar que a noiva do chucky eo filho do chucky sao melhores que a paret 3 ta de brincadeira. a noiva do chucky eo filho do chucky pra min sao lixo.

    Resposta
  • 14/07/2013 em 02:58
    Permalink

    Para mim Brinquedo Assassino é uma trilogia. A Noiva de Chucky e O Filho de Chucky para mim são dois lixos que não merecem serem associados com os três primeiros.

    Resposta
  • 13/07/2013 em 19:48
    Permalink

    realmente esse também é legal, pela a ação e tons mais sácastico, do Chuck , por mais que muitos não gostem ,esse consegue dar show no noiva e filho de Chuck…

    Resposta
  • 13/07/2013 em 18:39
    Permalink

    pior que o filho do chucky ? NÃO MESMO……..

    Resposta
    • 14/07/2013 em 03:00
      Permalink

      Quem disse isso com certeza sofre de retardo mental meu caro, porque O Filho de Chucky é um lixo!

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien