Fenômenos Paranormais (2011)

Fenômenos Paranormais (2011)
Luz, câmera, repetição!!
Fenômenos Paranormais
Original:Grave Encounters
Ano:2011•País:Canadá
Direção:The Vicious Brothers
Roteiro:The Vicious Brothers
Produção:Shawn Angelski
Elenco:Ben Wilkinson, Sean Rogerson, Ashleigh Gryzko, Merwin Mondesir, Juan Riedinger, Shawn Macdonald, Bob Rathie, Fred Keating, Luis Javier, Mackenzie Gray, Michele Cummins

O estilo found footage já não surpreende mais. Encontrar fitas com material de gravação das últimas horas de vida de algum grupo é tão comum quanto a fórmula utilizada. Sabe aquelas filmagens de festas antigas que alguma tia resolve resgatar do velho baú para exibir com orgulho durante um evento em família? Tem a criança que faz careta, a avó que não sai do sofá para ver novela, aquele que dança engraçado, os cabelos esquisitos, as roupas fora de moda…É sempre a mesma coisa com os falsos-documentários, se você já viu um, parece ter visto todos: a ausência de música para estabelecer um clima de realismo, a falta de edição anunciada, as câmeras tremidas que insistem em ficar ligadas mesmo em situação de morte (Temos que mostrar para as pessoas o que acontece aqui.), entre outras tendências. Assim como são idênticos os textos que analisam produções desse subgênero, contando a origem do estilo e citando produções como Cannibal Holocaust (o precursor), A Bruxa de Blair (o popular) e Rec e Atividade Paranormal (os responsáveis pelo início da febre do estilo). Por esse motivo, vamos direto ao tema da análise: Fenômenos Paranormais, considerado o melhor exemplar da fórmula desde Atividade Paranormal.

É um exagero, claro. A boa avaliação nos sites de cinema e as críticas positivas são um convite a uma conferida, mas o longa está distante de ser um Shutter do gênero. Se sustos fossem exemplos de qualidade, não ficaríamos irritados com aquele grito do irmão ou quando uma bexiga estoura numa festa; com o frear de um automóvel numa avenida ou com a voz de alguém exclamando Bingo!. Fenômenos Paranormais possui tantos clichês, tantas repetições da fórmula e lugares-comuns que a impressão transmitida é a de estar vendo um filme pela segunda ou terceira vez. Você sabe o que irá acontecer e até se diverte um pouco, mas fica com a sensação de perda de tempo. De repente, poderia estar fazendo algo melhor como observar o vizinho suspeito pela janela e imaginar formas para assassinar o diretor do colégio.

Fenômenos Paranormais (2011) (2)

A trama de Fenômenos Paranormais é bem trivial: os realizadores de um reality show que investiga lugares assombrados inicia a produção do sexto episódio, cujo tema é passar a noite num hospital psiquiátrico abandonado, onde falsas testemunhas dizem ter visto coisas macabras. O gigantesco local era popular na década de 30, quando um médico louco realizava testes bizarros, lobotomia e diversas formas de tortura nos pacientes. Um tratamento de choque se você nunca ouviu falar de A Casa da Colina (1999), baseado no clássico A Casa dos Maus Espíritos (1959), de William Castle, com Vincent Price! Obviamente, a noite será mais longa do que eles imaginam, havendo manifestações sinistras, desaparecimentos e corpos arremessados, com a sanidade dos envolvidos sendo colocada à prova.

O reality show Grave Encounters ainda não havia se tornado famoso até a época da realização do famigerado sexto episódio. Os cinco responsáveis pelo programa – Lance Preston (Sean Rogerson), Matt White (Juan Riedinger), Sasha Parker (Ashleigh Gryzko), T.C. Gibson (Merwin Mondesir) e Houston (Merwin Mondesir) – não acreditam naquilo que apresentam, forjando situações estranhas e um falso médium para atrair a audiência. Enquanto se divertem criando fenômenos artificiais, eles exploram cada ambiente a procura de algum entretenimento para o público. O apresentador Lance Preston nos explica que existem manifestações inteligentes, quando a entidade realiza atos para afastar as pessoas, e aquelas que se repetem, num reflexo condicionado geralmente à morte súbita. Ele mostra os aparelhos sofisticados que possui, entre câmeras potentes, gravador de áudio e leitores de sinais e temperaturas, e realiza invocações repletas de canastrices em ambientes considerados assustadores.

Fenômenos Paranormais (2011) (3)

Tudo caminha para mais uma noite de trabalho comum. Eles só precisam resistir até às 6 da manhã, quando o caseiro irá buscá-los para encerrar a visita. No entanto, uma cadeira de rodas se move, uma porta se fecha de modo agressivo e o responsável pelo equipamento técnico desaparece. É só o início de uma jornada sem fim, entre corredores vivos, um empurrão na escada, algo que sai do banheira e arrasta alguém e algumas aparições sinistras: a mais assustadora é aquela que surge no teto, sem língua, com a boca ensanguentada, urrando de ódio.

Fenômenos Paranormais é o primeiro trabalho na direção da dupla The Vicious Brothers, composta por Colin Minihan e Stuart Ortiz. Não há nada especial nas câmeras agitadas ou afixadas estrategicamente, no roteiro óbvio e até mesmo nos efeitos comuns, facilmente realizados com alguns programas de computador. Talvez o destaque fique por conta do elenco, principalmente no talento de Sean Rogerson, com aparição em diversas séries de TV. Nada digno de Oscar, mas é visível a sua degradação no decorrer do filme, numa boa evolução na continuação, lançada em 2012. Ashleigh Gryzko esteve em Messages Deleted, de 2009, e outros nove títulos; Juan Riedinger atuou em Garota Infernal e O Dia em que a Terra Parou; e o médium do grupo, Merwin Mondesir, pode ser visto em O Mundo Imaginário do Doutor Parnassus e Atirador. Sim, desculpe decepcioná-los, mas eles estão vivos, o filme não é baseado em fatos reais.

Fenômenos Paranormais (2011) (4)

Outro destaque positivo do longa está no ambiente. Com as câmeras de visão noturna, o local é realmente capaz de criar arrepios, principalmente o túnel. Se o espaço é adequado para uma história de horror, o enredo poderia ter sido mais bem desenvolvido, sem basear sua trama em A Bruxa de Blair e outras produções do gênero. Além disso, poderia haver um ritmo mais bem estruturado entre as cenas sonolentas (uma cadeira que se mexe, uma janela que se abre, a queda de um acessório) e as aparições exageradas (os fantasmas que gritam e correm atrás das pessoas).

Com um orçamento estimado em um milhão de dólares, Fenômenos Paranormais até consegue assustar em alguns momentos, mas, assim que o coração volta ao ritmo normal, você logo percebe que tudo não passou de uma bobagem. Pode divertir na mesma proporção que se confunde com outras produções similares.

Fenômenos Paranormais (2011) (5)

(Visited 523 times, 1 visits today)
Marcelo Milici

Marcelo Milici

Fundou o Boca do Inferno em 2001. Formado em Letras, fez sua monografia sobre o Horror Gótico na Literatura. É autor do livro "Medo de Palhaço", além de ter participado de várias antologias de horror!

9 comentários em “Fenômenos Paranormais (2011)

  • 26/04/2014 em 08:10
    Permalink

    Acabei de assistir e olha… um dos piores filmes que assisti nos últimos tempos!
    Assisti de olho no relógio pra ver quanto tempo ainda tinha daquela choradeira da Sasha e do mala do TC que não cala a boca um instante.
    Terrível, terrível..

    Resposta
  • 21/04/2014 em 11:37
    Permalink

    Apesar de conter seus glichês, eu achei o filme muito bom. Diferente de algumas obras que vemos hoje em dia, que são aclamadas no cinema. Não digo que o filme é clássico, mais ele assusta. O elenco é bom, o ambiente é assustador. Um filme cult, assim como “Cabana Do Inferno” de Eli Roth.

    Resposta
  • 29/09/2013 em 00:15
    Permalink

    acabei de ver… é tipo, assistível, nada mais… diria até que me arrependi de ver, tava esperando mais… diria que é um sólido 4/10.

    Resposta
  • 04/09/2013 em 00:12
    Permalink

    Achei melhor que Atividade Paranormal.

    Resposta
  • 02/09/2013 em 01:46
    Permalink

    A melhor coisa é o local mesmo,e as cenas de terror poderiam ter sido mais distribuídas ao decorrer do filme ,porque tudo acontece praticamente no final do filme,mas é uma boa opção pra uma diversão rápida.

    Resposta
  • 01/09/2013 em 16:46
    Permalink

    Filmes assim o melhor que tem é Cloverfield

    Resposta
  • 29/08/2013 em 13:58
    Permalink

    e legalzinho,mas só isso.

    Resposta
  • 28/08/2013 em 23:22
    Permalink

    O filme é muito bom. Se não é inovador, está acima da média das outras produções do gênero “found footage”.

    Resposta
  • 27/08/2013 em 19:14
    Permalink

    Muito boa a crítica Marcelo. O filme é legalzinho, dá para passar o tempo com os seus sustinhos bobos. O melhor fica no local, aterrador, diga-se de passagem… Esse hospício é o mesmo do filme Sessão 9? Acredito q seja, pelas semelhanças do local.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien