Registros Secretos de Serra Madrugada (2013)

Registros Secretos de Serra Madrugada (2013)

Registros Secretos de Serra Madrugada
Original:Registros Secretos de Serra Madrugada
Ano:2013•País:Brasil
Direção:Homero Meyer
Roteiro:Homero Meyer
Produção:Chernobyl Milk Co.
Elenco:Mariana Ayres, Gabriel Soto Bello, Homero Meyer, Tessália Serighelli, Paulo Zanon, Matheus Zimmer

por Tiago Toy

Até o presente momento não posso afirmar qual a verdadeira origem da lenda de Slender Man. A mais forte delas justifica o surgimento da criatura em 2009, no site Something Awful, pelo usuário Victor Surge (o nome real é Eric Knudsen), como fruto de um concurso com roupagem de trote viral. A proposta: manipular fotos normais inserindo algo assustador e espalhar por fóruns virtuais na tentativa de fazer os desavisados acreditarem ser algo real – ou ao menos iniciar discussões sobre. Basta plantar a semente da dúvida, e o resto estará feito.

De acordo com a “criação de Victor”, a primeira aparição de Slender teria ocorrido em 1986, quando misteriosos desaparecimentos foram vinculados à sua imagem. As fotos em preto e branco foram parar no site 4chan, com um farto acervo de imagens, e foi onde a coisa toda ganhou força. Relatos de pessoas que já haviam tido experiências envolvendo a sinistra figura brotaram de todos os cantos. Não desacredito de nada. A mente nos dá poder para criar o que quisermos. Se dizem que o viram, que assim seja.

Outra fonte conta a origem de Slender com mais seriedade. Antes mesmo do concurso, criaturas parecidas eram citadas, especialmente em um caso ocorrido no Cane Hill Hospital, um asilo psiquiátrico no sul de Londres. Nos anos 1980, a instituição iniciou sua decadência, até fechar as portas em 1991. Agora, me acompanhem: asilo antigo é fechado e abandonado. O que sai daí? Dez pontos para quem disse “fonte de histórias sobre assombrações”. Não demorou para o local atrair visitantes em busca de aventuras sobrenaturais. Em 2012, algo no mínimo curioso chamou atenção: durante uma visita, uma imagem surgiu na parede de um dos quartos; uma criatura bastante semelhante ao Slender Man. Deduziu-se que o desenho foi feito por um dos pacientes, transmitindo através dos traços uma figura que povoava seus pesadelos. Ninguém soube dizer se a imagem foi feita mesmo em um passado longínquo ou recentemente.

Desenho encontrado em uma parede do Cane Hill Hospital
Desenho encontrado em uma parede do Cane Hill Hospital

Mito ou não, hoje Slender é uma das lendas sobrenaturais mais influentes no mundo.

Como não poderia deixar de ser, ideias nasceram de mentes criativas e a história foi aproveitada em mídias populares, a mais bem sucedida delas sendo o jogo independente Slender: The Eight Pages, desenvolvido pela Parsec Productions. O sucesso foi tão grande que os direitos foram comprados pela Blue Isle Studios e, em parceria com a produtora original, nasceu a sequência, Slender: The Arrival, com gráficos de longe melhores, mas inferior ao primeiro em questão de amedrontar o jogador. Isso é o que li, então não acredite em mim e vá tirar sua própria conclusão. Uma confissão: tenho Slender (The Eight Pages) instalado no notebook e tentei jogá-lo uma vez, para nunca mais. É simples, tem gráficos humildes e ausência total de trilha sonora (exceto por sons naturais), mas consegue expulsar a merda de dentro de você (adoro essas expressões norte-americanas traduzidas).

Que haveria um filme pegando carona na história ninguém duvidava. O que ninguém sabia é que os responsáveis pelo feito seriam brazucas, gente como a gente. O nome do projeto é Registros Secretos de Serra Madrugada, e vale – como vale – a conferida.

Registros Secretos (2013) (2)

Criado pela curitibana Chernobyl Milk Company com apoio da Livraria Cultura e do site Baixaki, o mockumentary investigativo brasileiro conta a história de um grupo de jovens (Mariana Ayres, Gabriel Soto Bello, Homero Meyer, Tessália Serighelli, Paulo Zanon e Matheus Zimmer) que resolvem investigar uma série de estranhos desaparecimentos na região de Curitiba, e claro, por que não?, poderiam estar relacionados ao “Homem Esguio” (tradução para Slender Man). A viagem se torna um erro quando, ao se afastar da cidade, eles acabam perdidos em uma região chamada Serra Madrugada. Intrigas, acusações e brigas são apenas os primeiros obstáculos enfrentados pelo grupo na noite derradeira. Resultado do estresse ou influência de algo, ou alguém, oculto?

Tento não ser assim, mas não consigo evitar. Antes de ver o filme, já esperava por porcaria. Talvez pelo fato de tantas decepções recentes no gênero terror, não esperei nada do trabalho independente além de passar o tempo. Pouco mais de quarenta minutos de duração não seria uma tortura. O pior que poderia acontecer era cansar e fechar a janela do Youtube – sim, o filme está disponível “de grátis” para quem quiser ver.

Há mais acertos do que erros.

Registros Secretos (2013) (5)

Como todo mockumentary que se preze, este começa com a mensagem: “As imagens a seguir foram cedidas por uma fonte que não quis ser identificada. Segundo as autoridades, a região denominada “Serra Madrugada” não existe”. Em seguida, passa para a gravação distorcida de alguém correndo na escuridão, com lampejos e respiração ofegante, e então corta para uma conversa dentro do carro entre os personagens, se preparando para a viagem.

A atuação foi bem criticada, e não entendi o motivo. Não temos nenhum Tom Hanks ou Natalie Portman aqui, mas nenhum dos atores compromete o todo. Talvez em momentos de tensão fosse requerido um maior empenho de alguns, mas considerei os atores bem naturais. As falas são dinâmicas, sem aquele tom de “Olá. Como vai, Fulano? Vamos então para a nossa viagem? Oh, que excitante”, se me entendem. A linguagem é jovem e casa bem com a turma que nos é apresentada. Desconfio que o roteiro não tenha sido seguido à risca, e houve improvisação nas conversas em diversas partes, o que ajudou na concepção mais realista.

Por falar em roteiro, este é simples e direto. Não se perde em explicações e situações para encher rolo e vai certeiro ao ponto; claro que depois de trabalhar o suspense de forma (exagero meu?) profissional. Os personagens são distintos e suas personalidades fogem dos típicos “loira burra”, “mocinha virgem”, “valentão”, “nerd”, e por aí a lista segue. Como eu disse, são gente como a gente. Nada forçado, nem ensaiado demais. On point.

A direção está na mão de Homero Meyer, também responsável pelo roteiro, e o que se traduz do resultado final é um trabalho de equipe. É difícil imaginar um projeto desses sob a direção de apenas uma pessoa. Posso apostar que todos os envolvidos não são apenas profissionais trabalhando, mas amigos se divertindo; nada mais natural do que uma troca de opiniões visando a melhor forma de chegar a uma conclusão satisfatória. O entrosamento que vemos em tela sugere que exista também atrás dela.

Infelizmente, o ponto negativo vem de algo que é o mais aguardado: o Slender em si. Fiquei mais tenso na construção do suspense do que no clímax de fato, na aparição borrada da criatura. Um exemplo de como menos é mais vem daquele-que-não-deve-deixar-de-ser-citado em textos sobre mockumentaries, o amado e odiado A Bruxa de Blair (The Blair Witch Project, 1999). O suspense cresce gradativamente e imaginamos como será a bruxa e se ela aparecerá em algum momento. O que vemos é nada. Absolutamente nada. E aí está o acerto. Mais uma vez, nossa imaginação pode criar as coisas mais inimaginavelmente assustadoras.

O Slender aparece envolto nas sombras, com a imagem da câmera trêmula, mas é possível vê-lo, e é quando algo cai. Não sei precisar o que, se a tensão ou algo mais, mas cai. Não acaba o interesse, pelo menos, mas a sensação que tomava conta do peito até momentos antes dele surgir não volta mais. Resumindo: é um cara com uma meia na cabeça.

O sangue foi outra decepção: por sua aparência e por ter aparecido. Primeiro, não lembrava nada em sangue além da cor (e nem esta se assemelhava muito de tão aguada). Segundo, porque o balde de “sangue” (aquele jato não pode ter vindo de outra coisa senão um balde) pareceu apelação para criar algo que já havia sido conquistado apenas com uma ótima edição, a fotografia certa e o suspense exato. Litros de sangue são menos eficientes do que um sapato deixado para trás. Ponto negativo.

Registros Secretos (2013) (3)

Poderia dizer que a duração é um pecado, mas senti que a história foi bem contada, e pronto. Adoro filmes longos, cheios de situações e reviravoltas, mas também gosto dos que me permitem relaxar por um tempo reduzido, uma experiência despretensiosa. Para mostrar a que veio e se fazer conhecido, o filme é um bom começo. Estou definitivamente curioso para conhecer os futuros projetos de Homero.

Vale um parágrafo para aplaudir a equipe do site Baixaki e da Livraria Cultura pelo apoio ao projeto. Conforme li em algum lugar, “o sucesso vem de onde há mais risco”. Acredito que os responsáveis por liberar as verdinhas tenham sentido receio, mas o sentimento não foi mais forte do que a crença no talento de Homero e, claro, dos atores e toda a equipe, e o ato já é por si só digno de parabéns. O mercado independente tem grandes talentos escondidos esperando para ascender. Acredito que quem quer faz acontecer, não fica esperando, mas uma ajudinha financeira é sempre importante e bem vinda.

Registros Secretos (2013) (1)

Você pode assistir Registros Secretos de Serra Madrugada abaixo. Dicas: apague a luz, use fones, e assista na qualidade máxima. Não vai mudar sua vida, não vai te deixar com medo antes de dormir (ou talvez vá), mas serão 42 minutos bem aproveitados. Depois vai de você acreditar se a história por trás da lenda é mito ou realidade.

Quem pode garantir com certeza?

(Visited 25 times, 1 visits today)
Autor Convidado

Autor Convidado

Um infernauta com talentos sobrenaturais convidado a ter seu texto publicado no Boca do Inferno!

12 comentários em “Registros Secretos de Serra Madrugada (2013)

  • 07/10/2016 em 01:54
    Permalink

    aeeeeeeoooooo saudade gameplays baikaxi HAHAHAHAH
    morreria sem saber que a mari e o soto bello deram uma de atores KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK que bizarro

    Resposta
  • 21/03/2014 em 11:25
    Permalink

    Tirando o sangue aguado e os furos – rombos enormes – no roteiro, além da “imprudência” e “falta de discernimento” – rs – da maioria dos personagens, é um filme assistível e a duração foi perfeita. Não irrita, vai logo ao ponto e cumpre o papel dignamente. Lembra muito um esboço. Um bom esboço. Espero que venham outros mais amadurecidos e elaborados.

    Resposta
  • 16/12/2013 em 20:03
    Permalink

    Não consegui assistir até o fim. Depois de ouvir 5 carros passando na estrada abandonada/ de ver o cachorro dentro da usina, também abandonada; e depois de ver um cara dizendo palavrões e golpeando o telefone alheio… não deu pra suportar. O filme é legal, as minas são gostosas… mas é só isso… nem vale a pena ver até o fim.

    Resposta
  • 06/09/2013 em 01:02
    Permalink

    Ja tinha assistido ao filme antes de ler a critica. O filme e simples, mostra a que veio com competencia, e bem feito por ser independente! Gostei! A critica tb esta otima!

    Resposta
  • Pingback:Todas as Críticas: 668! | Boca do Inferno

  • 15/08/2013 em 17:46
    Permalink

    Um furo enorme é que o tempo todo o motivo de eles estarem presos..é pq não acham a chave do carro..e depois do ”banho de sangue” simplesmente um dos personagens diz q para sair precisam da chave do carro que está com fulano q foi morto…tipo..como assim????

    Resposta
    • 16/08/2013 em 03:13
      Permalink

      Eu tinha visto isso, nem comentei por ser um spoiler. O filme inteiro tem rombos no roteiro, parece até que foi escrito nas coxas.

      Resposta
  • 12/08/2013 em 23:14
    Permalink

    Marble Hornets é uma netnovela aterradora sobre o assunto do Slender, mas vou conferir esse aí só por ser brazuca. 🙂

    Resposta
  • 08/08/2013 em 12:28
    Permalink

    mais uma vez eu repito: se o Brasil realmente investisse em filmes de terror eles seriam beeeeeeeem melhores,se bem que esse curta aí foi até legalzinho,mas a maioria dos brasileiros são preconceituosos com o cinema do horror ,por isso a maioria dos filmes são sobre favelas e comédias românticas chatas pra kralho,enfim,uma realidade que nunca vai mudar,infelizmente 🙁

    Resposta
  • 06/08/2013 em 04:15
    Permalink

    Tiago Toy, você realmente não conhece Marble Hornets?

    Resposta
  • 06/08/2013 em 04:12
    Permalink

    O diretor até que tem algum talento, mas o roteiro é muito ruim e os atores idem. Fora que todos os personagens são estupidamente burros (eles voltam numa usina ABANDONADA pra ver se tem algum telefone???)…

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien