Lake Mungo (2008)

Lake Mungo (2008)
Convincente até demais!
Lake Mungo
Original:Lake Mungo
Ano:2008•País:Austrália
Direção:Joel Anderson
Roteiro:Joel Anderson
Produção:Georgie Nevile, David Rapsey
Elenco:Rosie Traynor, David Pledger, Martin Sharpe, Talia Zucker, Tania Lentini, Cameron Strachan. Judith Roberts, Robin Cuming, Marcus Costello, Chloe Armstrong, Carole Patullo

por Camila Jardim

“Se você nunca viu um fantasma…Olhe mais perto”

Com essa febre de filmes sobre falsos documentários, Lake Mungo poderia facilmente ser apenas mais um nesse mar de câmeras amadoras, mas felizmente, não é bem assim. O formato de Mockumentário está desgastado, mas este filme em particular consegue um grande feito que é o de convencer praticamente até o último minuto que tudo aquilo realmente é de verdade.

Estreando em 2008 junto a outros 7 filmes no festival HorrorFest 10: 8 Films To Die For, Lake Mungo foi filmado na Austrália com um orçamento de mais ou menos um milhão e meio de dólares australianos. O estreante diretor Joel Anderson, que também escreveu o roteiro, se entrega e diz a que veio com este thriller perturbador. Não que seja um filme de terror loucamente assustador, mas definitivamente consegue cumprir o que propõe proporcionando uma experiência intrigante e satisfatória.

Lake Mungo (2008) (4)

Lake Mungo conta a história da família Palmer, que perdeu a filha Alice (Talia Zucker) em um acidente no lago, quando a garota de 16 anos morreu afogada. Ninguém entende muito bem o que aconteceu na verdade, mas reconhecem o corpo e Alice é enterrada.

O problema na verdade é que tempos depois do enterro estranhas manifestações sobrenaturais começam a acontecer. A família passa a ver Alice em fotos e vídeos, assim como a cidade insiste em dizer que já viu o espírito da menina vagar pelas redondezas do lago. Jane (Rosie Traynor) e Russel Palmer (David Pledger) logo procuram a ajuda de um Paranormal para ajudar a entender o que está acontecendo.

Se eu me empolguei com REC e seu realismo mesmo tendo zumbis como vilões, me decepcionei muito com Atividade Paranormal e O Último Exorcismo com seus vilões invisíveis. Até entendo quem gostou destes, mas pra mim esses falsos documentários não funcionaram nem por um segundo. Já em Lake Mungo o negócio foi diferente.

Lake Mungo (2008) (1)

Como eu dificilmente leio qualquer coisa antes de ver um filme, tive uma grande surpresa quando assisti Lake Mungo. A experiência poderia ter sido menos constrangedora, se eu pelo menos tivesse lido a sinopse. Em um primeiro momento fiquei chocada ao achar que era tudo verdade. É caro leitor, fui pega na mentira. Sim, fui estúpida. Depois de alguns minutos de filme, finalmente me toquei que era um falso documentário, mas fiquei impressionada com a capacidade dos realizadores de me convencer que aquilo era real, e olha que a tarefa é difícil.

A família, os amigos e conhecidos de Alice estão participando de um documentário de verdade sobre os acontecimentos sobrenaturais, ou seja, as câmeras eram sempre justificadas e as entrevistas tinham legendas e tom sério. Os personagens são interpretados por completos desconhecidos da mídia, o que torna tudo mais plausível e convincente.

Além das câmeras dos responsáveis pelo documentário, vídeos caseiros do irmão de Alice, amigos e conhecidos da cidade, parecem ser incrivelmente reais. Muitos vídeos mostram Alice ainda viva, infinitas imagens que passam toda a vida da garota como se fosse de uma câmera comum. Além de várias cenas adicionais de um celular.

Lake Mungo (2008) (2)

Ao contar histórias sobre Alice e sua vida, a família suspeita em um primeiro momento que a menina ainda está viva, logo esta teoria é jogada fora com a exumação do corpo. Seguimos todo o drama da família e dos amigos e acompanhamos a evolução da investigação que toma um rumo inesperado, surgindo diversos fatos bizarros sobre a vida da garota morta.

[SPOILER bem pequeno, pois é revelado antes da metade do filme] Confesso que na primeira aparição do espírito me deu um calafrio e achei que este seria o dia que eu não ia conseguir dormir pela primeira vez (tirando filmes de ETs e palhaços), mas o tempo vai passando e antes do meio do filme a revelação de que tudo era armação do irmão da garota, Mathew (Martin Sharpe), acaba com toda a atmosfera que estava sendo criada até então, até dei umas risadas, do quanto fui otária, mas acontece. Como eu digo: não saber nada intensifica a experiência. [fim do SPOILER]

Depois que você acha que o filme se perdeu e não tem mais o que mostrar, Lake Mungo dá uma guinada espetacular e se transforma em um suspense recheado de reviravoltas com uma trama complexa que te segura até o último minuto. Último mesmo!

Lake Mungo (2008) (5)

Talvez eu tenha gostado mais pelo fato de não saber muito bem o que esperar e ser pega desprevenida, mas em O Último Exorcismo aconteceu exatamente a mesma coisa, mas ao contrário.

Não espere sustos, música alta e sinistra, cenas na escuridão e fantasmas assustadores. Lake Mungo é extremamente sutil, sugerindo em vez de mostrar tudo mastigado.

Ao deixar de ser somente um documentário sobre a manifestação sobrenatural de um fantasma, Lake Mungo abre um leque de possibilidades e se aprofunda em diversos temas. Isso pode não agradar algumas pessoas, já que a trama muda de rumo a cada 10 minutos.

Eu gostei, acrescentou muito ao modo como a trama é contada e em vez de simplesmente se acomodar como mais um filme sobre assombração, Lake Mungo convence como um suspense muito bem trabalhado, mas que provavelmente não vai ganhar muitos fãs e estará perdido nesse mundo vasto de Mocumentários.

Extremamente bem feito, mas sem o apelo de Atividade Paranormal, Bruxa de Blair e REC, Lake Mungo convence, mas seu ritmo diferente prejudica o resultado final. Com certeza é um bom filme, mas não é espetacular a ponto de revolucionar o tema. Vale a pena alugar o DVD e assistir sozinho de madrugada, mas assistam antes do remake americano que os rumores dizem que ainda vai sair.

(Visited 1.191 times, 8 visits today)
Autor Convidado

Autor Convidado

Um infernauta com talentos sobrenaturais convidado a ter seu texto publicado no Boca do Inferno!

8 comentários em “Lake Mungo (2008)

  • 16/03/2018 em 00:03
    Permalink

    Nossa, adorei. Dá uma tensão show. E que reviravoltas.

    No meio do filme eu já tava morto de entediado. Começaram as apariçõezinhas atividade paranormal, eu achei bem ridiculo kkk mas ainda bem que não parei de assistir. Fazia tempo que não me arrepiava de verdade com algum terror (a cena do celular foi incrível, vou demorar pra esquecer). Recomendo demais. Obrigado por terem recomendado esse filme.

    Resposta
  • 17/10/2016 em 13:41
    Permalink

    Demorei pra dormir depois desse filme, o filme tenso kkkk nossa.
    Talvez eu tenha um ponto fraco com essas aparições de fantasmas em fotos e gravações, mas me pegou de jeito.

    Resposta
  • Pingback:10 Underrated Horror Films That Are Actually Great | Goliath

  • Pingback:db.movies » Lake Mungo – 2008

  • 11/03/2014 em 12:44
    Permalink

    Um filme bem interessante; as reviravoltas são muito boas e possui um clima de veracidade invejável à outros founds footage. Às vezes o q se torna cansativo é a maneira como a história é contada (documentários são meio chatinhos), mas é essa forma q o faz parecer tão real, então não posso reclamar muito. O final ficou excelente. Realmente é um filme bem simples, mas capaz de dar um frio na espinha e deixar a dúvida: será q fantasmas realmente existem?

    Resposta
  • 04/09/2013 em 17:43
    Permalink

    Também gostei, não foi aquela parada mega forçada como também mega mal feita

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien