Pesadelos Diabólicos (1983)

Pesadelos Diabólicos (1983)

Pesadelos Diabólicos
Original:Nightmares
Ano:1983•País:EUA
Direção:Joseph Sargent
Roteiro:Jeffrey Bloom, Christopher Crowe
Produção:Christopher Crowe
Elenco:Cristina Raines, Joe Lambie, Anthony James, Clare Nono, Raleigh Bond, Robert Phelps, Dixie Lynn Royce, Lee Ving, Emilio Estevez, Mariclare Costello, Moon Unit Zappa, Billy Jayne, Lance Henriksen, Veronica Cartwright, Richard Masur

Dentre os diversos filmes de antologias, ou seja, aqueles que apresentam vários episódios narrados de forma independente ou interligados entre si, um que se destaca no cinema fantástico é um típico exemplo da produção dos saudosos anos 1980. Pesadelos Diabólicos (Nightmares, 1983), com direção de Joseph Sargent, reúne quatro contos curtos de horror, com roteiros independentes, mostrando um psicopata assassino, um videogame com vida própria, um carro possuído pelo demônio, e uma ratazana gigante, num exercício de puro entretenimento.

O primeiro episódio é Terror em Topanga (Terror in Topanga), onde uma notícia de rádio informa que um maníaco assassino está foragido de um hospital psiquiátrico e foi visto na região de Topanga Canyon, em Los Angeles, atacando violentamente um guarda rodoviário. Ignorando o perigo, uma mulher, Lisa (Cristina Raines), desobedece a orientação do marido, Phil (Joe Lambie), para não sair à noite sozinha, e decide ir de carro até um mercado para comprar cigarros, pois não consegue controlar seu vício. Na volta, ao ser obrigada a parar num posto de gasolina para abastecer o carro com combustível, ela enfrenta um dos piores pesadelos de toda sua vida.

Pesadelos Diabólicos (1983) (6)

Uma história simples, sem grandes novidades, sendo a mais fraca do filme, apresentando mais um psicopata assassino à solta nas ruas. Porém, com um desfecho surpresa razoável, e pelo fato de ser bem curto, o episódio até agrada. Como curiosidade, numa cena o filho do casal está assistindo na televisão Frankenstein (1931), de James Whale e com Boris Karloff, numa acertada homenagem a esse grande clássico do cinema de horror.

Pesadelos Diabólicos (1983) (1)

A seguir vem o conto O Bispo da Batalha (The Bishop of Battle), uma interessante história de horror com elementos de ficção científica, trazendo o jovem J. J. Cooney (Emilio Estevez) como um fanático jogador de fliperama que está obcecado em derrotar um videogame que se auto intitula como o Senhor de Todos os Desafios e que possui 13 níveis com dificuldades progressivas. Com um fone de ouvido reproduzindo a agressividade de um rock pesado servindo de estímulo e motivação, o jovem jogador tenta de todas as formas vencer o jogo e sua obsessão é tão grande que ele invade a loja de um shopping center à noite, arrombando a porta para poder jogar no misterioso fliperama. Porém, ao conseguir atingir o maléfico nível 13, ele descobre que sua curiosidade foi longe demais e é obrigado a enfrentar uma entidade sobrenatural.

Pesadelos Diabólicos (1983) (4)

Apesar dos efeitos especiais nitidamente datados, que chegam a ser inexpressivos quando comparados com a tecnologia dos filmes atuais, esse episódio é ótimo e denuncia como um vício obsessivo pode se tornar literalmente mortal.

Pesadelos Diabólicos (1983) (5)

A terceira história é A Benção (The Benediction), trazendo um padre, MacLeod (Lance Henriksen), numa grave crise pessoal de fé devido ao assassinato de uma criança inocente num assalto. Ele decide abandonar a igreja, apesar dos conselhos do amigo Padre Luis Del Amo (Tony Plana) para ficar e insistir na crença em Deus, e viaja sem destino com seu carro pelas estradas do deserto. Lá, ele é surpreendido pela presença misteriosa de uma pick-up preta que passa a persegui-lo e tenta matá-lo. Uma vez lutando por sua vida, o ex-padre enfrenta a fúria de um carro possuído pelo mal e é obrigado a testar definitivamente sua fé.

Pesadelos Diabólicos (1983) (7)

Apesar de apresentar um elemento já bastante explorado, o carro possuído, o episódio é igualmente ótimo destacando-se a presença marcante de Lance Henriksen como o padre atormentado e autor de um discurso polêmico de desabafo para um bispo superior:

Eu só vejo a anarquia. Somente a inexplicável descrença da anarquia. E vejo pessoas serem soterradas pela máquina dessa anarquia. Gente angustiada. O meu… O meu maior medo é que isso não seja obra do Diabo, porque se não existe Deus, também não existe Diabo. E se houvesse um Deus, ele não permitiria tanto sofrimento. Eu cheguei à conclusão de que nós vivemos num grande vazio. Iminência, eu perdi a minha fé.

Outro momento de destaque é quando o carro satânico surge repentinamente debaixo da terra, numa cena muito bem produzida e de grande impacto.

Pesadelos Diabólicos (1983) (3)

Para finalizar com chave de ouro, o último episódio é o melhor do filme e se chama A Noite do Rato (Night of the Rat), mostrando uma família tradicional que é formada por um casal em crise de relacionamento, Steven Houston (Richard Masur), e sua esposa, Claire (Veronica Cartwright), além da filha pequena, Brooke (Bridgette Andersen), e que é atormentada pela presença de uma enorme ratazana sobrenatural, um demônio roedor descrito numa antiga lenda alemã. A criatura caminha pesadamente pelo sótão e porão destruindo progressivamente a fiação elétrica e o interior das paredes, e após seu filhote ser morto numa ratoeira, o monstro maligno parte para um confronto final com os moradores da casa.

Animais gigantes sempre povoaram o cinema fantástico numa infinidade de filmes super divertidos, e a presença de um rato com tamanho descomunal inevitavelmente causa um sentimento desconfortável de repulsa e medo, principalmente quando ele emite seus horríveis gritos agudos de raiva, os quais agridem violentamente os tímpanos da audição humana. Um destaque é quando o enorme rato estraçalha literalmente uma gata de estimação da família, contrariando a ideia de que os gatos é que perseguem os ratos. De negativo nesse episódio, fica o desfecho insatisfatório numa tentativa equivocada de final feliz.

O diretor americano Joseph Sargent nasceu em 1925 em New Jersey, e possui em seu currículo uma vasta filmografia com mais de 70 trabalhos. Ele é mais conhecido por suas atuações para a televisão, dirigindo episódios para inúmeras séries do passado como Gunsmoke (1955/75), Bonanza (1959/73), O Fugitivo (1963/67), O Agente da U.N.C.L.E. (1964/68), Os Invasores (1967/68), Jornada nas Estrelas (1966/69) e Os Guerrilheiros (1967/68), além de muitos filmes produzidos especialmente para a telinha, como a ficção científica Colossus: The Forbin Project (1970) e dezenas de outros trabalhos feitos principalmente a partir de meados da década de 1980.

Jeffrey Bloom e Christopher Crowe, que escreveram as interessantes histórias de Pesadelos Diabólicos, fizeram também parte da equipe de roteiristas da série de TV Quarto Escuro (1981/82), onde o veterano ator James Coburn apresentava histórias de horror e suspense no mesmo estilo de Além da Imaginação e Galeria do Terror, criadas por Rod Serling.

O elenco está repleto de desconhecidos, com exceção de um ainda jovem Emilio Estevez, que faria sucesso posteriormente, de Lance Henriksen, um eterno coadjuvante largamente visto numa infinidade de filmes seguintes, e da atriz inglesa Veronica Cartwright, que apareceu em filmes importantes de horror e ficção científica como Os Pássaros (1963), Invasores de Corpos (1978) e o clássico moderno Alien, o Oitavo Passageiro (1979).

Emilio Estevez nasceu em 1962 em New York e participou de vários filmes de prestígio como o western Jovens Demais Para Morrer (1988), onde interpretou o lendário pistoleiro Billy the Kid, ao lado do veterano Jack Palance e de outros jovens com carreiras igualmente promissoras como Kiefer Sutherland e Charlie Sheen, além da ficção científica Freejack (1992), junto com o músico Mick Jagger e do experiente Anthony Hopkins. Ele participou também da bomba dirigida por Stephen King Comboio do Terror, em 1986.

Lance Henriksen nasceu em 1940 também em New York e é bem conhecido por sua participação fixa no elenco da série de mistérios Millennium (1996/99), criada por Chris Carter. Sua carreira é extensa, com quase noventa filmes, muitos deles sendo interessantes produções de baixo orçamento de horror como Quando Chega a Escuridão (1987) e Pumpkinhead – A Vingança do Diabo (1988). Fazem parte também de sua filmografia atuações em O Exterminador do Futuro (1984) e nas duas primeiras sequências da franquia Alien, filmadas em 1986 e 1992.

Como na maioria das vezes, os responsáveis pela definição dos títulos nacionais dos filmes que chegam ao Brasil, novamente procuraram complicar uma tarefa fácil, e incluíram desnecessariamente um adjetivo em vez de simplesmente traduzirem de forma literal o nome original do filme Nightmares para Pesadelos, preferindo nomear como Pesadelos Diabólicos. Pelo menos, eles acertaram com os nomes dos quatro episódios, traduzindo literalmente dos originais.

Enfim, Pesadelos Diabólicos é um interessante filme dividido em quatro episódios de horror no melhor estilo de Além da Imaginação, com histórias explorando conflitos cotidianos e temáticas sobrenaturais, narradas de forma simples e despretensiosa, e que mesmo apresentando clichês e situações comuns, resultou num agradável momento de diversão e um destaque da filmografia desse estilo de filme na produtiva década de 1980.

(Visited 119 times, 1 visits today)
Juvenatrix

Juvenatrix

Uma criatura da noite tão antiga quanto seu próprio poder sombrio. As palavras são suas servas e sua paixão pelo Horror é a sua motivação nesse Inferno Digital.

5 comentários em “Pesadelos Diabólicos (1983)

  • 18/05/2018 em 23:29
    Permalink

    “Para finalizar com chave de ouro, o último episódio é o melhor do filme”. Tinha quase certeza que ia ler o contrário dessa afirmação. Esse é o pior conto do filme! Teria fica muito melhor sem ele!

    Resposta
  • 25/03/2015 em 11:02
    Permalink

    já assisti a pouco tempo esse filme no Intercine da Globo! vi até a parte que aparece o Emilio estevez.gostei do filme.

    Resposta
  • 23/09/2013 em 23:08
    Permalink

    Isso me lembrou Clube do Terror, deveriam voltar a passar.

    Resposta
  • 16/09/2013 em 00:25
    Permalink

    Parece que todas as estórias do filme são centradas nas consequências dos vícios.

    Resposta
  • 15/09/2013 em 09:34
    Permalink

    bem legal,gosto de filmes assim.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien