Críticas

O Anjo Malvado (1993)

O grande diferencial desta produção e grande trunfo de divulgação na época foi o fato de trazer o astro mirim Macaulay Culkin como vilão!

O Anjo Malvado (1993)

O Anjo Malvado
Original:The Good Son
Ano:1993•País:EUA
Direção:Joseph Ruben
Roteiro:Ian McEwan
Produção:Mary Ann Page, Joseph Ruben
Elenco:Macaulay Culkin, Elijah Wood, Wendy Crewson, David Morse, Daniel Hugh Kelly, Jacqueline Brookes, Quinn Culkin, Ashley Crow, Guy Strauss, Keith Brava

Pensar no filme O Anjo Malvado (The Good Son) hoje é ter a certeza de que o mundo pode dar muitas voltas. O filme de 1993 trazia a já velha e conhecidíssima história de uma criança maligna que usa o rosto bonito e sorriso para esconder seu lado maléfico. E claro, apesar das pistas serem claras, ninguém acredita na única pessoa que conhece o lado perverso do garoto. O grande diferencial desta produção e grande trunfo de divulgação na época foi o fato de trazer o então astro mirim Macaulay Culkin no papel do vilão.

No final dos anos 80, Culkin, que nasceu em 1980, já havia participado como coadjuvante de alguns filmes de sucesso mediano. Mas foi em 1990 com Esqueceram de Mim que o jovem deixou de ser apenas mais um conhecido para assumir o posto de astro de Hollywood em questão de segundos. Como resultado, o jovem passou a ser disputado nas grandes produções dos anos seguintes, que incluíram a inevitável sequencia Esqueceram de Mim 2, além de Meu Primeiro Amor e Riquinho. Até no vídeo clipe Black or White, de Michael Jackson, Culkin teve papel de destaque. Foi justamente neste período que O Anjo Malvado surgiu.

O Anjo Malvado (1993) (3)

A trama, dirigida por Joseph Ruben, que dois anos antes foi responsável por Dormindo com o Inimigo, acompanha o drama de Mark Evans, interpretado pelo então quase desconhecido Elijah Wood, que, após a morte da mãe, vai morar com os tios e primos. Culkin interpreta o primo sádico e perverso de Mark, Henry. Com o passar do tempo, Mark não apenas desconfia da maldade de Henry como ele próprio torna-se vítima e testemunha do primo. A trama segue então sem oferecer grandes surpresas até o já previsível final.

O curioso em observar O Anjo Malvado 20 anos depois é poder perceber o que aconteceu com os seus protagonistas. Aliás, com o grande astro Macaulin Culkin e com o desconhecido coadjuvante Elijah Wood. Alguém se lembra do cartaz de divulgação da época trazer o nome ou imagem dos dois atores? No material de divulgação original, apenas o astro de Esqueceram de Mim tem destaque. Na capa do DVD do filme, que foi lançado anos depois, a história é diferente. Além do nome, Elijah também empresta a sua imagem ao cartaz. A mudança não aconteceu por acaso.

O Anjo Malvado (1993) (2)

Elijah, que nasceu em 1981, tinha feito apenas algumas pontas em filmes antes de 1993. Para quem não se lembra, ele aparece por menos de um minuto em De Volta para o Futuro 2. Antes de O Anjo Malvado, o seu destaque foi no filme Eternamente Jovem, de 1992, ao lado de Mel Gibson e Jamie Lee Curtis. Em O Anjo Malvado, Elijah, então aos 12 anos, já esbanjava profissionalismo dando ao seu personagem Mark um ar de tristeza e medo natural de um garoto que além de ter perdido a mãe, estava vivendo um inferno ao lado do primo.

Aliás, inferno talvez possa ser a palavra para resumir o clima nas filmagens por culpa principalmente da família Culkin. Como o guri era o astro da vez, o pai de Macaulin achou que poderia encher a produção de exigências, que iam desde a inclusão de outros membros da família no filme até a troca do diretor Michael Lehmann. Além disso, a imprensa da época já tratava as constantes brigas dos pais de Macaulin não apenas pelo controle da carreira do filho, mas pelo direito de gerir o dinheiro do guri.

O Anjo Malvado não foi o sucesso esperado na bilheteria, mas não manchou o nome de Macaulin. Tanto que no ano seguinte, ele estrelou Riquinho e recebeu o pagamento de oito milhões de dólares. Mas no período em questão, as brigas de família já eram capas dos jornais de celebridades e no meio do fogo cruzado, Macaulin começou a ser esquecido e os convites tornaram-se cada vez mais escassos. O que também passou a ficar claro, e O Anjo Malvado teve grande colaboração neste processo, foi o fato de Culkin ter se mostrado um ator cada vez mais limitado ao personagem do garoto treloso visto em Esqueceram de Mim. Com exceção do drama Meu Primeiro Amor, que lhe rendeu boas críticas, qualquer outro projeto que exigisse um pouco mais de atuação de Culkin fazia o ator parecer deslocado e forçado.

O Anjo Malvado (1993) (1)

Foi justamente esta versatilidade que faltava em Culkin que sobrava em Elijah. Logo depois de O Anjo Malvado, o ator se esforçou para incluir o máximo de projetos variados no currículo. De produções juvenis como O Anjo da Guarda ou A Árvore dos Sonhos, passando pelo drama em A Tempestade de Gelo, até blockbusters como Impacto Profundo, Elijah foi ganhando cada vez mais destaque sem necessariamente ser protagonista. A resposta do público e da crítica foi sempre positiva. Como resultado, ele ganhou o disputado papel de Frodo na trilogia O Senhor dos Anéis. Enquanto isso, o único papel de representação de Macaulin desde 1994 foi no drama Monster Party, de 2003.

Mas como a industria do cinema é bastante cíclica, seria interessante continuar acompanhando os dois atores pelos próximos anos. Depois da trilogia O Senhor dos Anéis, Elijah fez algumas participações em projetos sem muito destaque e começou a flertar com produções de terror e suspense. Três dos seus novos filmes – Open Windows, Maniac e Cooties – são do gênero. Já Macaulin fez pequenas participações em algumas séries de TV, mas sem nenhum impacto que representasse uma retomada da sucesso que tinha quando criança. Quem sabe nos próximos 20 anos?

Leia também:

12 Comentários

  1. Segundo

    Devo discordar, Macaulay não se mostrou em ator limitado, ele mostra que é um excelente ator em O Anjo Malvado. Sua carreira declinou devido sua própria decisão de sair de cena, devido a briga judicial com os pais pelo dinheiro dele. Ele continuou recebendo convites para novos projetos SIM, porém ficava rejeitando tudo. Devido a essas brigas e outros problemas acabou entrando no mundo das drogas. Uma pena.

  2. Ana Mendez

    Discordo! Acho Macaulay um puta ator! Se não está mais na mídia os problemas são outros! Ele tem algo que não se pode adquirir tão fácil: presença e carisma! Gosto muito do Elijah! O cara é gente fina, mas MC tem o carisma infinito! Se derem oportunidade é claro, se ele realmente quiser ninguém o segura! Simples assim!

  3. Ricardo Sousa

    Um bom filme!

  4. vanessa vasconcelos

    adorei esse filme,muito bom mesmo.

  5. Saulo

    Acho o filme bom no que se propõe, mas podia ter dado mais detalhes do que aconteceu aos personagens após o climax. Vale criticar o péssimo título nacional escolhido pela distribuidora. “Malvado” é um termo muito bobo, antiquado e infantil. Muitos pais desavisados devem ter alugado o filme para os filhos pensando se tratar de um filme para crianças.

  6. Ótima crítica.

  7. Álvaro Leite

    É um ótimo filme, o Elijah atuou bem melhor mesmo.

    • Ana Mendez

      Os dois países estavam ótimos!

  8. Guilherme

    Na minha infância o final desse filme me deixava perturbado.

  9. Gilson Bloch

    assistir há muitos anos atrás , lembro pouca coisa , mas gostava muito de vê esse filme…

  10. Thiago

    Macaulay Culkin foi um inimigo muito mais poderoso do que Sauron, Frodo viu bosta kkkkkkkkkkkkkk

  11. Bruno .

    O nome do drama do Culkin de 2003 é Party Monster e não Monster Party como está no texto. Aliás, é um filme muito divertido sobre a cena clubber de NY. (O filme também conta com o Marilyn Manson no papel de um travesti)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *