A Hora do Espanto (1985)

A Hora do Espanto 2 (1988)

A Hora do Espanto
Original:Fright Night
Ano:1985•País:EUA
Direção:Tom Holland
Roteiro:Tom Holland
Produção:Herb Jaffe
Elenco:Chris Sarandon, William Ragsdale, Amanda Bearse, Roddy McDowall, Stephen Geoffreys, Jonathan Stark, Art Evans, Bob Corff

A Hora do Espanto é um daqueles filmes que quanto mais eu vejo mais divertido fica. E olha que demorei para conseguir assisti-lo, vi sua continuação antes da primeira parte que só consegui ver anos depois num canal local que hoje anda meio morto-vivo, a CNT. O DVD do filme (sem extra algum, só o trailer) foi lançado pela Columbia e tive que comprar pois apesar de tudo trazia a saudosa dublagem em mono.

A primeira cena do filme é genial: uma imensa lua e um uivo de lobo já mostram que não vem coisa boa por aí; vemos então um típico bairro suburbano dos Estados Unidos e a câmera em um travelling muito bem executado focaliza a casa de Charley Brewster (William Ragsdale), que no momento está dando uns amassos na namoradinha Amy (Amanda Bearse) – não parece estar gostando muito já que prefere chamar a atenção do namorado sobre o programa que está passando na TV. Só que Charley mostra ser mais idiota ainda pois a moça fica semi-nua, mas ele prefere ficar investigando com binóculos os novos moradores da casa ao lado. É até compreensível (tá vai, nem tanto mas dê um desconto) já que há dois homens carregando um caixão para dentro da casa! Enquanto isso vários casos de assassinatos são anunciados na TV, e a situação se complica ainda mais quando Charley se dá conta de que uma das pessoas assassinadas estava na casa ao lado um dia antes! Seria uma simples trama de suspense se o tal assassino não fosse um vampiro!

Dando uma de James Stewart em Janela Indiscreta, Charley passa a vigiar todos os acontecimentos da casa ao lado e de seu dono Jerry Dandrige (Chris Sarandon), que acabara de se mudar juntamente com seu amigo Billy Cole (Jonathan Stark). Em uma noite, percebe que Dandrige tem presas e que está prestes a morder uma moça. Charley fica aterrorizado ainda mais quando se dá conta de que Dandrige o viu! A luta de Charley agora é a de provar que seu vizinho é um vampiro, o que obviamente ninguém acredita! Sua mãe, sua namorada e até seu melhor amigo Ed Thompson, ou Evil Ed (Maldoso na dublagem e Diabo nas legendas das fitas VHS).

Pior ainda ocorre quando Dandrige é convidado à casa do garoto e aproveita a oportunidade para tentar matá-lo, mas Charley consegue se livrar dele espetando um lápis em sua mão. Em um efeito de maquiagem bem realizado, Dandrige arranca o lápis da mão e a movimenta, tudo isso sem cortes o que me faz quebrar a cabeça até hoje para descobrir como realizaram o efeito. Após a tentativa frustrada, o vampiro promete matar Charley na noite seguinte. Sem ninguém a quem recorrer e despertando a ira de Dandrige e Billy Cole, Charley apela para a ajuda de Peter Vincent.

A Hora do Espanto (1985) (2)

Vincent é um ex-ator inglês de filmes de terror que esquecido, sobrevive de bicos como apresentar o programa A Hora do Espanto que sempre transmite filmes de qualidade duvidosa (alguma semelhança com nosso querido Zé-do-Caixão é mera coincidência). O engraçado é que Vincent se gaba por ser o grande matador de vampiros ao passo que seu programa exibe trechos de grandes produções suas do passado, sequências muito bem sacadas e filmadas para parecer os antigos filmes da Hammer. Aliás seu nome é em homenagem a dois astros do horror, Peter Cushing e Vincent Price. Claro que ao ser abordado pelo jovem, Vincent não dá a mínima e assim como os outros não acredita no pobre Charley.

Tudo muda quando os amigos de Charley querem impedir que o amigo faça alguma loucura e para isso pagam Vincent e combinam com Dandrige para fazerem um pequeno teatro para mostrar que o vizinho não é um vampiro. O problema é que nessa brincadeira Vincent descobre que Dandrige é mesmo um vampiro, o que faz com que os problemas comecem.

Segundo o diretor estreante Tom Holland, o desejo era fazer The Boy Who Cried Wolf atualizado para os anos 80. E como ainda gostava de histórias de vampiros resolveu misturar tudo num grande roteiro. Só que nos anos 80, os filmes de vampiros não estavam muito em alta. Em uma cena engraçada, porém trágica, Peter Vincent ao ser despedido do comando do programa de TV, desabafa com Charley: Sabe porque fui despedido? Por que os jovens de hoje não acreditam mais em vampiros. Só querem saber de assassinos com máscaras de hóckey perseguindo meninas inocentes. A razão disso tudo, Tom Holland explica: uma das razões que fez o gênero declinar foi que foram feitos vários filmes de vampiros nos anos 50, mas ninguém conseguiu modernizá-los. Eu estava determinado a respeitar todas as convenções de uma tradicional história de vampiros – caixões, sem reflexos no espelho e todo resto – mas sempre colocá-los num contexto contemporâneo.

A Hora do Espanto (1985) (3)

E foi respeitando todas as convenções vampíricas que Holland fez um dos filmes mais legais dos anos 80, que ensinou pra toda uma nova geração as regras de como identificar e matar um vampiro. O filme ainda conta com ótimos efeitos especiais e de maquiagem tudo a cargo da Richard Edlund´s Film Corporation a mesma de Caça-Fantasmas. A produtora criou extensões para os dedos de Dandrige além de máscaras que deixavam os atores simplesmente assustadores. Uma das melhores sequências é quando Evil Ed volta a sua forma humana logo após ter se transformado em um lobo e ser derrotado por um Peter Vincent muito sortudo. Isso tudo sem nenhum CGI, somente efeitos de maquiagem intercalados com cortes de câmera. Sobre os efeitos novamente com a palavra o diretor Holland:

Há momentos no filme onde eu quis deliberadamente sugerir mais do que mostrar alguns poderes sobrenaturais dos vampiros. Algumas sequências de voos foram feitas com efeitos óticos, mas outras foram criadas para mostrar o ponto de vista do vampiro sobrevoando locais (…). Uma coisa que eu queria evitar a todo custo era ter os efeitos especiais sobrepondo a atuação.

É, parece que precisamos de mais Tom Hollands. Vendo A Hora do Espanto hoje em dia, percebe-se que quase o filme não envelheceu. Tirando a moda horrível dos anos 80 e uma sequência que se passa em uma discoteca onde uma divertida (porém datada) música do Devo é ouvida – fazendo questão de mostrar toda a potência dos sintetizadores da época- quase nada envelheceu. Os efeitos continuam muito bons e por incrível que pareça melhores que muitos filmes atuais. As atuações também são memoráveis, Roddy McDowall está perfeito como um aparentemente arrogante e covarde ex-astro que ao ver que vampiros existem mesmo se acovarda sem contar que sempre faz questão de reviver as glórias do passado comentando os filmes nos quais participou. E não desmerecendo é claro, o trabalho de McDowall, seria até mais interessante se estivessem escolhido mesmo um ator veterano de terror para interpretar si próprio. Já pensaram como seria interessante ter um Peter Cushing no elenco? Na outra ponta temos Chris Sarandon brilhando como o sedutor vampiro Jerry Dandrige, que em alguns momentos chega a ter os trejeitos dos atores da Hammer fazendo assim uma homenagem deliciosa.

Na época o filme custou a bagatela de 9,5 milhões de dólares e rendeu merecidos 25 milhões. Ainda teve o mérito de dar gás aos filmes de vampiros nos anos 80 que teve posteriormente Quando Chega a Escuridão , Os Garotos Perdidos dentre outros filmes legais. No Brasil recebeu o título A Hora do Espanto e não Noite do Espanto (sua tradução mais correta) devido à moda de filmes com nome A Hora… surgida com A Hora do Pesadelo. A partir daí quando dava pé qualquer filme era distribuído por aqui com o nome A Hora…. Algo bem parecido com a moda de nos anos 90 colocar Kickboxer em qualquer filme de luta e ainda hoje em dia em colocar Pânico em tudo que é título de terror. Depois do sucesso do filme, uma nova parte foi dirigida pelo especialista em continuações Tommy Lee Wallace (de Halloween III e Vampiros: Os Mortos) mostrando ser uma sequência que não supera, mas não faz feio ao filme original.

A Hora do Espanto (1985) (4)

A mesma versão em DVD lançada aqui foi a lançada nos EUA e em diversos países. Além de nenhum extra, o DVD tem dupla face permitindo assisti-lo em Fullscreen ou Widescreen. E assistindo-o em widescreen pude notar cenas que nunca tinha visto devido à exibição em Fullscreen nas emissoras de Tv e fitas VHS. É impressionante como uma cena é destruída totalmente quando vista em Fullscreen, a de Dandridge atravessando o quarto da mãe de Charley e seu reflexo não sendo mostrado no grande espelho fica completamente sem sentido vendo-a em fullscreen. Quanto ao material especial, é claro que os fãs clamam por uma edição especial com todos os extras possíveis. Por enquanto só mesmo o trailer e a dublagem nacional nos fazem esboçar um pequeno sorriso, mas quem sabe no futuro. Afinal, parafraseando o Evil Ed: Você é tão legal, Brewster!

Por onde andam?

A Hora do Espanto (1985) (8)

AMANDA BEARSE – Após o sucesso de A Hora do Espanto, a namoradinha casta de Charley Brewster resolveu soltar a franga e assumiu sua homossexualidade. Hoje em dia vive com sua parceira em Los Angeles onde atua como diretora de séries de TV. Chegou a dirigir e escrever episódios de Married With Children (Um Amor de Família) e fazer pontas nos mesmos, além de séries cômicas como MAD TV, Dharma & Greg, Nikki, dentre outras.

A Hora do Espanto (1985) (7)

CHRIS SARANDON – O vampirão Jerry Dandrige tinha sido indicado ao Oscar por ator coadjuvante em Um Dia de Cão como o amante de Al Pacino. Depois no gênero terror trabalhou em A Sentinela dos Malditos. Em 1983 trabalhou no último filme da carreira do mestre Sam Peckinpah, O Casal Osterman, após o sucesso de Hora do Espanto voltou a trabalhar com Tom Holland interpretando um policial atormentado pelo boneco Chucky em Brinquedo Assassino de 1988. Ele até já emprestou a voz para Jack Esqueleto na versão original de O Estranho Mundo de Jack. De lá pra cá nunca parou de trabalhar seja em TV, Cinema e até videogames. Teve mais dois encontros com vampiros: no divertido Bordel de Sangue como um reverendo e no remake de A Hora do Espanto como um motorista azarado.

A Hora do Espanto (1985) (6)

WILLIAM RAGSDALE – Esse foi um que sumiu bastante, pelo menos para nós brasileiros. Após A Hora do Espanto, atuou na continuação e depois fez um filme de amor/fantasia/meloso chamado Manequim – A Magia do Amor, onde um colar transformava as pessoas em manequins. Esse último sempre reprisa na Sessão da Tarde vez ou outra assim como a comédia Nosso Amigo Frankenstein onde Ragsdale interpreta um dos jovens que consegue trazer o clássico monstro de volta à vida. Depois só trabalhou em séries como Justified e filmes de TV…até voltar ao Cinema em Vovó… Zona 2, Fora de Controle, Linhas de Ação e Deixados para Trás, com estreia em 2014.

A Hora do Espanto (1985) (9)

RODDY McDOWALL – O veterano de mais de 200 produções trabalhava desde 1938 na área e já atuou em diversos filmes, até em um da Lássie! E já foi até vilão no antigo seriado do Batman! Talvez um de seus papéis mais famosos seja o de Cornelius em O Planeta dos Macacos e suas sequências. Já atuou também no clássico do Cine Trash Shakma – Fúria Assassina. Ele faleceu em 1998 devido a um câncer de pulmão.

A Hora do Espanto (1985) (5)

STEPHEN GEOFFREYS – O Evil Ed deu uma virada (sem duplo sentido) totalmente na carreira. Após A Hora do Espanto, participou de vários episódios de séries de TV como Além da Imaginação. Chegou até a atuar no debut de Robert Englund na direção em Força Demoníaca (976-EVIL). No começo dos anos noventa assumiu o pseudônimo Sam Ritter e começou a atuar em pornôs gay. Seu último filme no estilo foi lançado em 2002.Voltou a trabalhar no gênero terror com Sick Girl, de 2007, Mr. Hush, de 2011, Do Not DIsturb, de 2013. Em 2014, está cotado para o horror Lazarus e sua continuação, e foi anunciado para o futurista Todd Tarantula.

(Visited 617 times, 2 visits today)
Bruno C. Martino

Bruno C. Martino

É escritor e ator. E tem uma predileção por filmes de vampiros saltitantes chineses.

14 comentários em “A Hora do Espanto (1985)

  • 11/10/2017 em 18:46
    Permalink

    otimo filme, não se fazem filmes de vampiros assim nos dias de hoje o remake ficou uma verdaderia merda

    Resposta
  • 15/05/2016 em 14:19
    Permalink

    Este filme assisti no cinema. Adorei, melhor filme de vampiro de todos os tempos!!

    Resposta
    • 15/05/2016 em 14:21
      Permalink

      Tentaram fazer tristemente o remake, que coisa horríve. Não perdi nem o meu tempo.

      Resposta
  • 14/02/2015 em 17:20
    Permalink

    Olha a maquiagem desse filme, isso sim me assustava quando era moleque, bons tempos que não voltam mais, não é como os filmes feitos 100% em CGI de hoje.

    Resposta
    • 22/10/2015 em 10:24
      Permalink

      Concordo com você cara. Antes, como não tinha CGI, os produtores se esforçavam em fazer um filme assustador abusando da boa e velha maquiagem. Com o advento da tecnologia, filmes de terror tem se tornado cada vez menos assustadores ao utilizarem a computação gráfica. Parece até que é preguiça de se fazer algo bem feito.

      Resposta
  • 16/04/2014 em 12:20
    Permalink

    O primeiro filme que aluguei em uma locadora, lá nos saudosos anos 80. Assisti junto com uma galera e foi inesquecível. Divertido e assustador na medida certa. É muito difícil encontrar o equilíbrio nessa equação e este aqui conseguiu com louvor. Um dos novos clássicos, sem dúvida.

    Resposta
  • 14/12/2013 em 21:10
    Permalink

    classico abisoluto assistir pela primeira vez no yotube. a dublagem brasileira e otima e uma pena que a tv abeterta nao passa mas esse tipo de filme. e cena que eu nao esqueço e aquela que o vampiro invante o quarto do garoto essa parte em deu muito medo. classico. e uma pema que nao ser fazem mas filmes assim.

    Resposta
  • 12/12/2013 em 19:28
    Permalink

    Um dos meus favoritos de todos os tempos!

    Resposta
  • 12/12/2013 em 17:43
    Permalink

    Já tinha lido este artigo anos atrás. Ele me fez assistir esse baita filme maneiro. Que bom que atualizaram o texto! Parabéns!

    Resposta
  • 12/12/2013 em 04:03
    Permalink

    Tive a sorte de ver esse filmaço no velho cinema Marabá fui na estréia e estava lotado e a reação das pessoas nas cenas era muito legal e a que marcou foi da transformação do Evil Ed de lobo para ser humano simplesmente sensacional e como você escreveu tudo isso sem CGI. Já o remake sem cometários.

    Resposta
  • 12/12/2013 em 00:01
    Permalink

    clássico da minha infância.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien