Críticas

Os Suspeitos (2013)

O marketing exagerado da distribuidora pode ter um efeito negativo, gerando uma expectativa muito alta que não será totalmente satisfeita!

Hugh Jackman protagoniza o longa.

Hugh Jackman protagoniza o longa.

Os Suspeitos
Original:Prisoners
Ano:2013•País:EUA
Direção:Denis Villeneuve
Roteiro:Aaron Guzikowski
Produção:Kira Davis, Broderick Johnson, Adam Kolbrenner, Andrew A. Kosove
Elenco:Hugh Jackman, Jake Gyllenhaal, Viola Davis, Maria Bello, Terrence Howard, Melissa Leo, Paul Dano, Dylan Minnette, Zoe Borde, Erin Gerasimovich, Kyla Drew Simmons, Wayne Duvall

A propaganda é uma arma que pode ser prejudicial ao próprio produto. Prova disso é o caso de Os Suspeitos: o marketing exagerado da distribuidora, que vendeu nos cinemas tupiniquins (e continuará vendendo em vídeo) o longa como “…o melhor suspense desde Seven” ou “…o melhor filme do ano” pode ter para alguns um efeito negativo, gerando uma expectativa muito alta que não será totalmente satisfeita. Não que o filme seja ruim. Longe disso.

O roteiro escrito pelo quase-estreante Aaron Guzikowski (Contrabando, 2012) constrói de maneira muito eficiente e honesta – pequenas pistas que levam ao desfecho são distribuídas desde os primeiros minutos de exibição – uma trama onde duas famílias de classe média são envolvidas em um pesadelo, quando suas filhas pequenas desaparecem. Num ato de desespero, Keller Dover (o pai de uma das garotinhas) sequestra um jovem suspeito e inicia uma impensável sessão de torturas para que ele confesse a localização das crianças. Há um mérito evidente no roteiro que é, além de amarrar muito bem todas as situações, a concepção dos personagens; seja o suposto sequestrador com algum problema mental ou a vítima que se torna tão cruel quanto o próprio algoz.

Os Suspeitos (2013) (2)

Infelizmente, o ponto instável de Os Suspeitos é também o próprio roteiro, que na busca desesperada em surpreender a todo o momento e trazer algum tipo de reviravolta para o espectador, termina por não desenvolver melhor algumas questões instigantes, como os limites entre o aceitável e a perversidade do personagem interpretado por Hugh Jackman ou a religiosidade que permeia o comportamento um tanto questionável da maioria dos personagens (já no prólogo, o pai encoraja o filho adolescente a matar seu primeiro animal com uma espingarda, após rezar um “Pai Nosso” que parece validar o comportamento absurdo).

Mas do mérito da caracterização dos personagens vem a mais grata surpresa desta produção: o desempenho do elenco muito acima da média, em especial a surpreendente interpretação do australiano Hugh “Wolverine” Jackman, como o dedicado pai de família que não pensa muito em escaldar o suposto sequestrador de sua filha – certamente um dos melhores trabalhos do ator até o momento. Jake Gyllenhaal (de Donnie Darko, 2001), como sempre, sai-se muito bem vivendo o atormentado e obcecado detetive Loki (detalhe para o irritante tique do piscar dos olhos). Completa o elenco figurinhas conhecidas como o excelente Paul Dano (Roubando Vidas, 2004) interpretando o perturbado Alex Jones, Terrence Howard (Crash – No Limite, 2004) e Maria Bello (Janela Secreta, 2004), entre outros.

Os Suspeitos marca o debut hollywoodiano do canadense Denis Villeneuve, do ótimo Incêndios (indicado ao Oscar de filme estrangeiro de 2011). A direção do canadense é fria e impessoal, mas as críticas positivas e o bom desempenho do longa nas bilheterias ao redor do mundo, que girou em torno de US$ 120 milhões (o filme custou US$ 46 mi), confirmam o seu nome como uma das novas apostas da indústria cinematográfica americana (seu próximo trabalho, já finalizado, é uma adaptação de uma obra do português José Saramago, Enemy, também estrelada por Jake Gyllenhall).

Os Suspeitos (2013) (1)

A bela fotografia em tons claros e acinzentados confere ao filme um efeito depressivo condizente com o enredo, assim como a trilha sonora, composta por instrumentos pouco conhecidos causam certo estranhamento. Infelizmente estes dois efeitos interessantes opõem-se ao timming do roteiro, cujo excesso de descobertas e reviravoltas impede uma experiência mais imersiva e complexa, deixando Os Suspeitos, digamos, excessivamente hollywoodiano.

Desnecessário, mas impossível ignorar a preguiça das distribuidoras brasileiras ao escolher o título genérico Os Suspeitos, tentando de alguma maneira associar a produção ao sucesso do ótimo thriller homônimo dirigido por Bryan Singer em 1995.

Enfim, o título mais adequado seria algo próximo à tradução literal, afinal todos os personagens são de alguma maneira prisioneiros, seja do passado, de suas obsessões ou de seus temores. O perigo “real e imediato”, do qual é válido de alguma maneira alertar novamente o espectador é a armadilha da expectativa excessiva, que inevitavelmente acaba terminando em decepção. Não me entendam mal, é um bom filme, mas nada além disso. E depois de 150 minutos de perfeição técnica e boas atuações, o que resta é apenas um vazio, uma carência de ousadia e novidade; afinal o desenrolar da trama e o desenlace mostram-se previsíveis para os que trazem uma bagagem um pouco mais expressiva de produções do gênero.

Leia também:

4 Comentários

  1. Davi Mercatelli

    Ótimo filme.

    No meio de tantos filmes clichês com histórias felizes e emotivas, Os Suspeitos é um filme tenso e muito bem trabalhado.

    O elenco foi bem escolhido e as atuações são muito boas. A fotografia do filme, com dias chuvosos e noites frias e escuras, cria uma atmosfera tensa.

    O roteiro é bem trabalhado. Tem-se uma investigação policial por procura de pistas e o sequestro e a tortura que o personagem de Hugh Jackman faz com o suspeito do sequestro de sua filha.

    É um ótimo filme e merece ser visto!!!

  2. Paulo

    Não sei como criticam um filme desses
    De longe é o melhor do gênero dos últimos tempos, se não for me digam então qual é
    achei que o “truque”” de ir largando pistas aos poucos foi sensacional, nos faz pensar um pouco, e talvez olhar novamente pra sacar toda a história.
    Quanto a expectativa eu concordo que quanto menor mais gostamos do filme, mas dai afirmar que é apenas um bom filme, eu não concordo , mas respeito.

  3. vanessa vasconcelos

    concordo totalmente com a sua crítica, é um bom filme,mas é bem mediano mesmo.eu esperava bem mais dele.

  4. Marcus Vinicius

    [SPOILERS]
    Achei o filme bem legal! Pra mim ele se entregou no final ao “forçar” uma punição para Hugh Jackman, mas como assim forçar? Ficou muito vago o fato da policia escavar o terreno atrás de outros corpos e não investigar o interior da casa, o que faria com que encontrassem os pertences e a caminhonete(gigante como não viram?) do personagem. Encontrando essas evidências ficaria claro que o sequestrador lhe fez algum mal, e não pensariam que ele fugiu para tentar escapar da punição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *