Críticas

Água Negra (2005)

É mais um filme que explora o tema de fantasmas perturbados de crianças, algo que já não desperta mais tanto interesse!

Água Negra (2005)

Água Negra
Original:Dark Water
Ano:2005•País:EUA
Direção:Walter Salles
Roteiro:Kôji Suzuki, Rafael Yglesias
Produção:Doug Davison, Roy Lee, Bill Mechanic
Elenco:Jennifer Connelly, Ariel Gade, John C. Reilly, Tim Roth, Dougray Scott, Pete Postlethwaite, Camryn Manheim, Perla Haney-Jardine, Debra Monk, Linda Emond, Bill Buell, Warren Belle

O cineasta carioca Walter Salles teve como seu primeiro filme em língua inglesa a produção Água Negra (Dark Water, 2005), que estreou nos cinemas brasileiros em 12/08/05. O filme segue a tendência desse início do século XXI do mercado americano investir em refilmagens de filmes de horror japoneses. Nesse caso trata-se de mais um thriller psicológico com elementos sobrenaturais que não conseguiu conquistar a atenção do público, e que foi inspirado numa produção japonesa de 2002.

A história apresenta o drama enfrentado por uma jovem mãe, Dhalia (Jennifer Connelly), recentemente divorciada, em tentar seguir sua vida com a pequena filha Cecilia (Ariel Gade), evitando o máximo possível que as consequências da separação prejudique as relações com a garota. Ela se muda para um apartamento em condições precárias num bairro pobre de New York, e o maior desafio de adaptação em sua nova moradia é enfrentar uma misteriosa e indesejada infiltração de água negra acumulando-se no teto do quarto, vinda do andar de cima, supostamente vazio, e que era habitado por uma família onde o pai e a mãe abandonaram a filha pequena.

Água Negra (2005) (2)

Água Negra é um suspense psicológico com uma narrativa bastante lenta e que provavelmente não irá agradar aqueles que estão esperando ação, sangue e sustos. A história é apenas convencional servindo mais como um drama familiar que esbarra no sobrenatural, tendo alguma movimentação somente próximo de seu final, mas nada que mereça grandes destaques. Pelo contrário, é mais um filme que explora o tema de fantasmas perturbados de crianças, algo que já se transformou num clichê que não desperta mais tanto interesse. Mas ainda assim, é uma diversão rápida e sutil para os fãs de horror psicológico.

Leia também:

3 Comentários

  1. Luisa de CRUZ ALTA/ RS

    Eu assisti os dois filmes, o americano Dark Water primeiro, e o japones. O Americano é mais emocional, e o japones é mais assustador, mais longe de ser um filme de terror. Acho que o unico momento em que dá um medo na versão japonesa, é qdo a mãe da menina Ykuko sobe nas escadas do tanque de agua mas não chega a abrir e ver o que tem lá dentro, pq o tanque fica deformado como se alguém pisasse por dentro, e qdo a menina morta aparece no elevador totalmente decomposta e agarra a mãe de Ykuko, chamando ela de “mommy” e quase estrangulando no pescoço… Ela não teve outra solução a não ser deixar o elevador fechar e ela ficar com a menina morta agarrada nela… Horrível!!!!!!

  2. Vinnícius

    Gostei demais da atuação de Jennifer Connelly; conseguiu passar extremamente bem a angústia, terror e insanidade de uma mãe q teme perder a filha para algo q não conhece. O filme é bem simples, mas eu gostei. Não há nada de novo, mas o q é apresentado foi muito bem executado.

  3. vanessa vasconcelos

    uma caveira pra esse filme tá bom,muito fraquinho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *