Críticas

O Grito 2 (2006)

Conseguiu superar o anterior envolvendo o espectador ao narrar uma história de fantasmas muito bem articulada e onde tudo pode acontecer!

O Grito 2 (2006)

O Grito 2
Original:The Grudge 2
Ano:2006•País:EUA, Japão
Direção:Takashi Shimizu
Roteiro:Stephen Susco, Takashi Shimizu
Produção:Sam Raimi, Robert G. Tapert, Takashige Ichise
Elenco:Amber Tamblyn, Edison Chen, Arielle Kebbel, Sarah Michelle Gellar, Takako Fuji, Sarah Roemer, Matthew Knight, Yuya Ozeki, Jennifer Beals, Christopher Cousins

A refilmagem norte-americana da popular série japonês Ju-On tem uma série de qualidades resultantes da direção de seu criador: Takashi Shimizu. Ao contrário de O Chamado, O Grito tem uma atmosfera muito particular de constante tensão e medo onde a onipresença dos espíritos malignos pode ser percebida em todos os momentos. Em O Grito 2, Shimizu aperfeiçoa seu discurso cinematográfico adequando-o ao publico ocidental através de uma montagem um pouco mais ágil, o que não tira as muitas qualidades do filme. Nessa sequência vemos ao menos três histórias paralelas, encenadas em épocas diferentes, mas todas diretamente conectadas com as almas vingativas de Toshio, o Menino-Gato e sua mãe Kayako.

Uma pequena sequência introduz o filme mostrando o tenso café da manhã de um casal norte-americano que termina de maneira violenta e bizarra. No papel da esposa, Trish, vemos a atriz Jennifer Beals, ícone dos anos 80 ao protagonizar o musical Flashdance.

Após os créditos iniciais vemos três garotas de uma escola internacional em Tóquio. Duas delas: uma loira e outra oriental convidam uma colega novata e que deseja se ambientar à nova escola, para entrarem em uma casa mal-assombrada, que para o azar delas é a casa de Kaiako e Toshio. A maldição se renova e vemos uma arrepiante cena dentro do armário fantasmagórico. Paralelamente vemos Aubrey, a irmã de Karen, a protagonista de O Grito, interpretada por Sarah Michelle Gellar, que após os trágicos incidentes do primeiro filme se encontra internada em uma clínica no Japão. Aubrey acaba sendo obrigada a se envolver na macabra história sobrenatural que reúne os fantasmas que enlouqueceram sua irmã e as consequências disso serão aterradoras. Uma terceira história começa a ser encenada paralelamente a essas duas primeiras. Se lembram do casal do violento café da manhã? Sim, eles já foram muito felizes e também tem uma história macabra para contar, testemunhada pelo filho mais novo do primeiro casamento do marido, que em uma noite ouve ruídos estranhos vindos do vizinho e ao observa-los descobre que eles tem um misterioso hóspede. Só que o espectador percebe a existência de um segundo hóspede, nosso garoto infernal Toshio

O Grito 2 (2006) (2)

Com essa trama tripla e paralela, encenada em tempos e lugares diferentes, o diretor cria suas sequências assustadoras, repletas de uma atmosfera muito particular. O som emitido pelo fantasma de Kayako continua assustador. Toshio emite seus miados do inferno em muitas cenas. Em uma delas ele está aos pés da garota loira em uma cabine telefônica onde os cabelos pretos de sua mãe parecem aprisionar sua vítima em um efeito de grande força visual. Essa questão do gato como simbolismo sobrenatural está presente em filmes clássicos feitos no Japão como: Kuroneko de Kaneto Shindo, 1968 e Mansion of the Ghost Cat, 1958 de Nobuo Nakagawa.

Um dos grandes momentos com certeza é o ataque fantasmagórico no Motel. Uma japinha e seu namorado entram no quarto. O garotão vai tomar uma ducha e ela se deita na cama. Um espelho no fundo e acima da cama mostra o chuveiro onde vemos o rapaz tomando banho. Num jogo de mostrar e esconder onde as coisas não são bem o que parecem acaba acontecendo o ataque. Outra aterradora aparição de Kayako acontece em um laboratório fotográfico, numa citação explícita ao recente hit tailandês Shutter aka Espíritos – A Morte está ao Seu Lado.

Nesse segundo filme temos mais informações sobre a origem da força mortal de Kayako através dos relatos de sua mãe que vive isolada e guarda muitos segredos. Com um grande numero de mortes e sustos é impressionante como Shimizu teve a liberdade de ser niilista e não poupar o espectador que espera em vão por soluções positivas e redentoras. O mal que emana de Kayako e Toshio parece ser interminável. Com ótimos efeitos-especiais o filme se encerra já pronto para sua terceira parte que deverá ser produzida ano que vem nos EUA. O Grito 2 conseguiu superar o filme anterior e envolve o espectador ao narrar uma história de fantasmas muito bem articulada e onde tudo pode acontecer. Os corredores e as luzes se apagando estão lá novamente. Os olhos na escuridão, vigilantes e vingativos também. Para os fãs do J Horror Theater e de temáticas sobrenaturais O Grito 2 é uma excelente opção.

O Grito 2 (2006) (4)

Cenas mais explícitas de horror que foram cortadas para exibição nos cinemas, sendo usadas somente na versão uncut do DVD de O Grito, aparecem em O Grito 2 recriadas de maneira bastante satisfatória.Um fantasma é um “evento” que se repete infinitamente até que a alma sofredora encontre a paz e o descanso. No caso de Kayako e Toshio, eles parecem estar com muito fôlego ainda e principalmente muito famintos…

Leia também:

3 Comentários

  1. lucas

    filme muito bom conseguiu superar o primeiro eu amo todos filme do grito 4 caveiras concerteza pra esse filme

  2. eu achei o filme muito maneiro sendo o grito 1,2,3

  3. vanessa vasconcelos

    duas caveiras tá de bom tamanho pra mim,mas respeito tua opinião:)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *