Críticas

Pânico na Floresta (2003)

Apesar do argumento básico ser muito comum, criaturas disformes e famintas por carne humana ainda despertam o interesse do espectador!

Pânico na Floresta (2003)

Pânico na Floresta
Original:Wrong Turn
Ano:2003•País:EUA, Alemanha
Direção:Rob Schmidt
Roteiro:Alan B. McElroy
Produção:Erik Feig, Robert Kulzer, Stan Winston
Elenco:Eliza Dushku, Jeremy Sisto, Emmanuelle Chriqui, Desmond Harrington, Kevin Zegers, Lindy Booth, Julian Richings, Garry Robbins, Ted Clark, Wayne Robson, David Huband

Lembrando com bastante similaridade o horror cru e brutal de filmes clássicos dos anos 1970 como principalmente O Massacre da Serra Elétrica (73), de Tobe Hooper e Quadrilha de Sádicos (77), de Wes Craven, entre outros, Pânico na Floresta (Wrong Turn), que entrou em cartaz nos cinemas brasileiros em 05/03/04, procura resgatar aquele clima perturbador característico do cinema de horror desse período, com uma história simples porém intensa de violência. Um grupo de jovens desvia o seu caminho numa estrada no meio da floresta e encontra uma cabana isolada, habitada por canibais defeituosos que uma vez famintos por suas carnes, passam a perseguí-los sem piedade.

O filme começa mostrando um jovem casal de alpinistas, Rich (David Huband) e Halley (Yvonne Gaudry), escalando uma parede de pedra na região montanhosa de West Virginia, quando são surpreendidos por algo oculto e ameaçador na floresta ao redor.

A ação volta-se então para o estudante de medicina Chris Flynn (Desmond Harrington), que está viajando de carro para uma cidade onde faria uma entrevista de emprego com hora marcada. Porém, um acidente na estrada atrapalha seus planos e ele decide ir até um obscuro posto de gasolina numa estrada secundária à procura de um telefone. Lá chegando, Chris é mal recepcionado por um homem velho e sujo (Wayne Robson) e encontra um mapa onde aparece uma rota alternativa para que ele pudesse chegar em seu destino. O jovem estudante não sabia que sua decisão o levaria na direção errada (ou Wrong Turn do original), com consequências desastrosas.

Enquanto isso, um grupo de jovens em passeio pára forçosamente o carro numa estrada remota que corta uma floresta densa, devido aos pneus furados por um arame farpado colocado misteriosamente no meio do caminho. O grupo é formado por Jessie Burlingame (Eliza Dushku) e dois casais de namorados, Evan (Kevin Zegers) e Francine (Lindy Booth), e Scott (Jeremy Sisto, de May – Obsessão Assassina) e Carly (Emmanuelle Chriqui). Ao pegar a mesma estrada de terra, Chris provoca um acidente num momento de distração e se choca na traseira do veículo dos jovens, que estava parado em local perigoso.

Pânico na Floresta (2003) (2)

Depois de acalmado um pouco o tumulto criado, o grupo decide se dividir, e enquanto o casal Evan e Francine ficam no carro, Jessie, Chris e o casal Scott e Carly, decidem caminhar pela estrada à procura de ajuda. No caminho eles encontram uma cabana misteriosa isolada no meio do mato, repleta de armas de caça e restos de carne para todos os lados, revelando-se ser na verdade a moradia de uma família de canibais deformados através de relações incestuosas, conhecidos pelos bizarros nomes de Three Finger (ou Três Dedos, interpretado por Julian Richings), Saw-Tooth (ou Dente de Serra, feito por Garry Robbins), e One-Eye (ou Um Olho, papel de Ted Clark). A partir daí, inicia uma corrida desesperada dos jovens por suas vidas, fugindo da fúria implacável das criaturas disformes que querem aumentar seu estoque de carne humana nas geladeiras.

Pânico na Floresta apresenta uma série de furos no roteiro, clichês e situações inverossímeis que inevitavelmente não puderam passar despercebidas. A maior incoerência é o fato dos canibais atuarem na região impunemente há muito tempo (percebe-se isso pelos inúmeros carros abandonados numa clareira próxima à cabana, e que pertenceram às vítimas que invadiram suas terras), e não despertarem a atenção da polícia para uma investigação mais detalhada. Não faltaram os diálogos idiotas entre os jovens namorados, numa despreocupação total do roteirista em desenvolver os personagens, condenando-lhes apenas a serem vítimas descartáveis da fúria dos canibais. Aliás, as conversas banais e óbvias sobre drogas e sexo somente nos incitam a torcer para que os autores das frases inúteis morram logo e dolorosamente. Além dos manjados sustos fáceis, em cenas exageradas que não impressionam de forma alguma o público mais experiente com filmes de horror.

Pânico na Floresta (2003) (3)

Uma sequência em especial que exemplifica bem a falta de cuidado em tornar os eventos da história mais reais, é quando um grupo de três jovens, isolados no alto de uma torre de vigia no meio da floresta à noite, são obrigados a abandonar o local às pressas por causa de um incêndio provocado pelos canibais perseguidores. Eles então se atiram em direção às copas das árvores sem se ferirem, quando normalmente o choque de seus corpos em queda livre contra galhos pontudos significaria no mínimo algumas escoriações profundas ou ossos quebrados. Os atores são bem inexpressivos, não conseguindo convencer como fugitivos perdidos no meio de uma enorme floresta, sendo caçados brutalmente por assassinos que querem rasgar seus corpos e comer suas carnes. Uma das protagonistas principais, a atriz Eliza Dushku, por exemplo, tem apenas a beleza ao seu favor, porque suas qualidades de interpretação são bem limitadas, assim como o restante do elenco.

Porém, o filme tem também os seus bons momentos, que devem ser enaltecidos por tratar-se de uma produção independente com um orçamento de apenas US$ 10 milhões, uma quantia pequena em comparação com a maioria dos outros filmes similares. Os destaques ficam por conta dos abomináveis canibais deformados, que agem com uma insanidade perturbadora e se comunicam por grunhidos guturais, sendo os responsáveis por mortes violentas com direito a machadadas, ferimentos por arremesso de flechas, e sangue para todos os lados. Além da cuidadosa fotografia de belas florestas, montanhas, cachoeiras e precipícios (em locações em parques florestais de Toronto, no Canadá), evidenciando um contraste enorme com a violência grotesca dos canibais caçando os turistas de passagem pelo local.

Apesar do argumento básico ser muito comum e já explorado diversas outras vezes, a ideia de uma cabana no meio da floresta, abrigando criaturas disformes e famintas por carne humana, perseguindo e mutilando cruelmente quem aparecesse em seus domínios, sempre despertará uma atenção e interesse especial no espectador, uma vez imaginando-se numa situação parecida, sendo vítima da violência furiosa de canibais, fugindo desesperadamente por sua vida.

Pânico na Floresta (2003) (4)

Pânico na Floresta teve também um desfecho interessante, quando apresenta primeiro um final óbvio e comum, daqueles totalmente previsíveis e esperados, seguido de alguns letreiros de créditos, para logo depois mostrar um final definitivo e bem mais trágico e violento, abrindo a possibilidade de uma sequência, e concluindo de forma mais perturbadora, numa tentativa de surpresa.

O nome nacional do filme novamente foi mal escolhido, sendo completamente diferente do original Wrong Turn, que significaria algo como Caminho Errado ou Na Direção Errada. O título original refere-se claramente ao argumento básico do filme, ou seja, um grupo de jovens que ao desviarem seu caminho pegando um atalho numa floresta, acabaram indo de encontro a uma família feroz e violenta de canibais assassinos e deformados. O nome Pânico na Floresta é banal, simples e comum demais, sendo que inclusive um outro filme francês de horror adolescente chamado Deep in the Woods (2000) foi lançado por aqui em vídeo pela Europa Filmes e teve o mesmo nome de Pânico na Floresta, contribuindo ainda mais para complicar a catalogação das produções que chegam em nosso país pelos fãs e colecionadores. A forma de nomear os filmes no Brasil deveria ser encarada com mais cuidado e profissionalismo, para evitar confusões e interpretações erradas. É incrível como a ideia de um suposto sucesso comercial de um filme de horror no Brasil tenha que passar por um nome contendo palavras relacionadas ao gênero como por exemplo maldição ou pânico. Nesse último caso, só para exemplificar, temos a trilogia Pânico (Scream, 96/98/2000), Pânico em Alto Mar (Adrift, 92), Pânico em Lovers Lane (Lovers Lane, 99), Pânico em Munique (21 Hours at Munich, 76), Pânico na Estrada (Road Rage, 99), Pânico no Lago (Lake Placid, 99), Pânico Virtual (The Mangler 2, 99), entre muitos outros.

Curiosamente, o filme Amargo Pesadelo (Deliverance, 72), de John Boorman e com Jon Voight e Burt Reynolds, é citado nominalmente numa cena por um dos jovens candidatos a virar refeição dos canibais desfigurados.

Pânico na Floresta (2003) (5)

Desmond Harrington já trabalhou em outros filmes de horror como o intrigante O Buraco (2001), Navio Fantasma (2002), Olhos da Morte (2003), Terror na Estrada (2008) e a série Dexter, e a bela atriz morena Eliza Dushku participou em muitos episódios da série de TV Buffy – A Caça Vampiros (Buffy – The Vampire Slayer, 1997/2003), do fraquíssimo thriller sobrenatural Alucinação (Soul Survivors, 2001), O Assassino do Alfabeto (2008) e A Maldição da Libélula (2009).Na equipe técnica de produção, destaca-se a presença de Stan Winston como produtor. Americano nascido em 1946 no Estado da Virginia, Winston foi condecorado quatro vezes com o cobiçado Prêmio Oscar, e já tem seu nome associado ao cinema fantástico através de seus trabalhos consagrados em filmes como O Enigma do Outro Mundo, a franquia O Exterminador do Futuro, Edward Mãos de Tesoura, Entrevista Com o Vampiro, A Ilha do Dr. Moreau (versão de 1996), A. I. – Inteligência Artificial e Constantine….Ele faleceu em 2008 aos 62 anos.

Leia também:

19 Comentários

  1. o primeiro filme é o melhor de todos, o resto é meia boca , do terceiro em diante o negocio fica cada vez mais ruim..

  2. Rebeca Brito

    O Melhor da série!

  3. Jan

    Wrong turn 1 e 2 são ótimos (principalmente o segundo que é meu favorito), a partir do 3 começa a série começa virar palhaçada, vi o trailer do 6 e mais parece um filme porno soft do que terror…
    E Three Finger nos 2 primeiros era um vilão realmente assustador e ameaçador, depois que o transformaram numa criatura imortal tipo Jason e Freddy, a série foi se tornando uma paródia de si mesma, resumida, a tripas/sangue (a maioria em CGI), peitos e bundas…

    • Vitor Marcelo

      kkk! verdade , o primeiro é ótimo , eu lembro pouco do segundo porque vi uma vez só e lembro vagamente , mas lembro que tinha muito sangue !!

  4. Kassia

    Com certeza esse é o melhor de todos. Na real só esse é bom.

  5. Esse filme aí até que foi legal. Resgatou o clima dos slashers de floresta do início dos anos 80.
    Mas as continuações dele começaram a apelar muito mais pra mostrar coisas nojentas do que coisas aterrorizantes. A meu ver, as continuações não tiveram graça por causa disso (embora elas expliquem melhor a história dos vilões).

  6. Filme legal com ótimas locações e uma atriz belíssima,Eliza Dushku .As continuações são péssimas,diga-se de passagem !

  7. Gabriel

    Deveriam ter tomado mais cuidado com as continuações, chamo destaque para Wrong Turn 3 e 5, na minha opiniao, inferiores.
    Apesar dos defeitos citados, é um ótimo filme e um dos meus favoritos.

  8. Filme péssimo. Roteiro fraco e batido, personagens idiotas e slashers mais idiotas ainda.
    Com um elenco conhecido e até acima da média para esse tipo de filme, acho que o roteiro poderia ter sido melhor aproveitado.

    Deixo aqui meu Blog para os amantes de filmes de Terror
    Você encontra esse e outros filmes pra baixar em:

    http://bautrash.blogspot.com.br/

  9. Guilherme

    Eu considero esse filme um clássico atual, há poucas coisas nele que eu mudaria, só é uma pena que as continuações foram tão ruins. Um dos maiores pontos positivos é na falta de qualquer CGI, e na Carly, nunca esqueço dela *-*

  10. bruno rodriguez

    Mesmo sendo inspirado nos classicos dos anos 70 ,esse vai ser classico tambem um dia concerteza,filme de terror muito bem feito e aterrorizante.

  11. bruno rodriguez

    Mesmo sendo inspirado nos classicos dos anos 70 ,esse vai ser classico tambem um dia concerteza,filme de terror muito bem feito e assustador.

  12. Gosto desse filme, e Eliza foi uma das minhas primeiras paixões na vida quando ela interpretava a Faith em Buffy. Mas acho o filme 2 muito melhor que este primeiro: no segundo há mais violência e mortes criativas, mais desenvolvimento de personagens, tanto dos mocinhos quanto dos deformados, principalmente em seu âmbito familiar – impressionante notar como eles possuem costumes tradicionais, como quando quando eles rezam na mesa antes de comer; tem mais dinamismo, ambientes diferentes dentro da floresta, reviravoltas boas (morre antes quem você pensa que era o protagonista!).

    Mas só pra somar aqui, achei que faltou na crítica alguma menção ao grafismo das cenas. Numa era onde todos nós fãs de terror nos incomodamos com o CGI excessivo e sangue falso ou mesmo offscreen, a série Wrong Turn é uma joia: maquiagem caprichada nos deformados, sangue jorrando em alta litragem, tudo “artesanal”, digamos assim! Ponto pra isso!

  13. Mk

    É legalzinho, mas as sequências são uma merda!

  14. Hierofante1970

    Esse ainda dá para assistir e mesmo assim com muito boa vontade já as continuações são péssimas o quinto ainda tem uma garota burra que só, ela solta o vilão que prometeu não matá-la e mesmo estando com arma praticamente na nuca do cara ainda consegue deixar o mesmo furar os olhos dela e o pior é frase que ela solta “como eu pude ser tão burra?”, sem comentários.

  15. Cristina

    Apesar dos defeitos é o unico que presta! Já as continuações são péssimas.

  16. vanessa vasconcelos

    eu gosto,mesmo sendo cópia de tantos outros.

  17. Gilson Bloch

    ótimo filme! e Desmond Harrington faz a diferença…

  18. gostei desse filme assistir um tempo atras no sbt. a isso monstra a falta de criatividade dos cineasta americano esse filme e uma copia de de viagem maldita ou quadrilha de sadicos como queira a uni ca diferença que esse filme ser passa na floresta. mas tirando isso eu gostei. uma pena que as outras continuaçoes sao uma merda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *