Robocop – O Policial do Futuro (1987)

Robocop (1987)

Robocop - O Policial do Futuro
Original:Robocop
Ano:1987•País:EUA
Direção:Paul Verhoeven
Roteiro:Edward Neumeier, Michael Miner
Produção:Arne Schmidt
Elenco:Peter Weller, Nancy Allen, Dan O'Herlihy, Ronny Cox, Kurtwood Smith, Miguel Ferrer, Robert DoQui, Ray Wise, Paul McCrane, Jesse D. Goins, Del Zamora, Lee de Broux

O cinema dos anos 1980 produziu uma grande quantidade de filmes significativos que podem ser considerados clássicos modernos uma vez já passadas aproximadamente três décadas de seus respectivos lançamentos. Alguns exemplos são filmes como Rambo: Programado Para Matar (First Blood, 1982), precursor de filmes de ação e largamente imitado, estrelado por Sylvester Stallone como um ex-combatente da Guerra do Vietnã que tenta se adaptar novamente à sociedade americana e é tratado de forma preconceituosa por um xerife de uma pequena cidade do interior. Ou The Evil Dead (1982), chamado no Brasil com o nome equivocado de A Morte do Demônio, dirigido pelo talentoso cineasta Sam Raimi, e considerado um dos mais definitivos filmes de horror de todos os tempos, igualmente imitado à exaustão e precursor de uma infinidade de filmes similares, com sua história de um grupo de jovens que se isolam numa cabana nas montanhas e entram acidentalmente em contato com ferozes demônios que tomam posse de seus corpos. Ou ainda, continuando no gênero horror, Hellraiser – Renascido do Inferno (Hellraiser, 1987), com roteiro e direção do consagrado escritor Clive Barker, primeiro filme de uma longa franquia de seis filmes, apresentando ao nosso mundo os temíveis cenobitas, criaturas infernais que cultuam a dor em seu estado absoluto, tendo como líder o cultuado Pinhead ou Cabeça de Prego.

Dentro dessa ideia, a Ficção Científica também foi muito bem representada na década de 1980, e um dos destaques desse período certamente foi Robocop – O Policial do Futuro (Robocop, 1987), dirigido pelo cineasta holandês Paul Verhoeven em sua estreia no cinema dos Estados Unidos. Ele que faria mais tarde ainda outros importantes filmes do gênero como O Vingador do Futuro (Total Recall, 1990), com Arnold Schwarzenegger e baseado em história de Philip K. Dick, Tropas Estelares (Starship Troopers, 1998), baseado em livro de Robert A. Heinlein e com a mesma equipe técnica principal de Robocop, e O Homem Sem Sombra (Hollow Man, 2000), com Kevin Bacon como um cientista que torna-se invisível e transforma-se num assassino insano.

Robocop (1987) (2)

Num futuro próximo, a violência e criminalidade na cidade de Detroit atingiram índices enormes e uma poderosa empresa de segurança controla a polícia local. A mega corporação é presidida pelo velho homem (Daniel O´Herlihy) tendo como o segundo em comando o inescrupuloso e corrupto Richard Jones (Ronnie Cox). É dele o projeto para a construção de uma nova cidade, Delta City, que estaria isenta da criminalidade e separada da chamada Velha Detroit, dominada pela violência urbana. Além disso, Jones ainda comanda uma equipe científica na criação de uma poderosa máquina robótica denominada ED-209, fortemente armada e programada para a defesa da lei através do uso de mais violência ainda, substituindo os tradicionais policiais humanos.

Após o fracasso de uma exibição de simulação das ações de um ED-209, que culminou com a morte violenta de um dos executivos da empresa, um cientista oportunista, Robert Morton (Miguel Ferrer) apresenta ao presidente seu projeto alternativo para o combate à criminalidade, constituindo-se na verdade de uma criatura mista de androide e humano chamada Robocop. Coincidentemente, uma série de tiras do Departamento de Polícia de Detroit, comandado pelo Sargento Reed (Robert DoQui), estavam sendo assassinados por uma perigosa gangue de traficantes de cocaína, fato que já estava motivando uma greve geral dos policiais. Nesse momento, surge um novo policial, Alex J. Murphy (Peter Weller, de Mistérios e Paixões), recém chegado de um distrito vizinho. Ao averiguar as ações dos traficantes, ele é emboscado juntamente com sua nova parceira, Anne Lewis (Nancy Allen, de Carrie, a Estranha), a qual é ferida mas sobrevive e acaba presenciando seu companheiro sendo mortalmente alvejado pelos criminosos liderados por Clarence Boddicker (Kurtwood Smith) e seus capangas Emil M. Antonowsky (Paul McCrane), Leon C. Nash (Ray Wise), Joe P. Cox (Jesse Goins) e Steve Minh (Calvin Jung).

Robocop (1987) (3)

Uma vez considerado oficialmente morto em ação, Murphy é ressuscitado pelo projeto Robocop e é transformado num poderoso policial androide. Colocado nas ruas, ele logo torna-se popular no eficiente combate ao crime, sempre respeitando as três diretrizes de sua programação básica: servir à comunidade, proteger os inocentes e cumprir a lei. Porém, o policial do futuro Murphy tem que lidar também com o retorno gradativo de suas lembranças e memórias de quando era um homem, descobrindo que tinha uma esposa e filho, além da parceira Lewis na polícia e os eventos trágicos envolvendo a gangue de traficantes, incitando-o a descobrir a verdade de seu passado e a planejar uma vingança contra seus assassinos e o executivo corrupto da empresa, Richard Jones.

O filme tem excelentes efeitos especiais, principalmente considerando sua época de produção, tanto que ganhou o cobiçado prêmio Oscar de melhores efeitos sonoros, e é considerado como uma das mais significativas produções de ficção científica dos anos 1980, com um roteiro interessante apresentando a visão de um futuro pessimista e obscuro, com o domínio da violência urbana e a proliferação dos interesses financeiros das grandes corporações em detrimento do bem comum.

Curiosamente, o filme intercala suas ações com a apresentação de um jornal televisivo e propagandas futuristas. Num determinado momento, o jornal transmite uma notícia sobre uma revolta militar em Acapulco, no México, onde tropas americanas se aliaram aos nacionalistas mexicanos num confronto com rebeldes, numa interessante crítica social demonstrando o constante imperialismo dos Estados Unidos sobre outras nações. Já as propagandas de televisão dão destaque para jogos de guerra nuclear e o sonho de consumo na figura de um moderno carro chamado SUX 6000.

Robocop – O Policial do Futuro tem ótimas cenas de ação e violência, mesclando elementos de ficção científica e thrillers policiais, destacando a sequência onde o Robocop invade uma fábrica de distribuição de cocaína causando uma enorme carnificina com corpos voando pelos ares e disparos de potentes armas de fogo para todos os lados; a cena onde um dos traficantes responsáveis pelo seu fuzilamento é contaminado por lixo tóxico transformando-se num monstro mutante deformado pelo ácido corrosivo; e as cenas envolvendo o robô ED-209, com sua voz gutural e sintetizada, numa máquina assassina memorável.

Robocop (1987) (4)

Anos depois surgiram mais duas sequências inferiores, sem a presença do diretor Paul Verhoeven no projeto, e que pouco acrescentaram à franquia, apesar de ambas terem roteiro escrito pelo famoso quadrinista Frank Miller: Robocop 2 (Robocop 2, 1990), dirigido por Irvin Kershner, e Robocop 3 (Robocop 3, 1993), com direção de Fred Dekker. O segundo filme ainda foi estrelado por Peter Weller, mas o terceiro teve um novo ator no papel do Robocop, Robert John Burke. Já a sua parceira na polícia Anne Lewis (interpretada pela atriz Nancy Allen), participou de ambas as sequências, porém com aparições cada vez menores. Na segunda produção com o policial do futuro, após ele ser seriamente avariado num confronto com traficantes de drogas no final do filme original, ele agora é ameaçado de substituição por um androide ainda mais avançado e agressivo. Já o terceiro filme, disparado o mais fraco da trilogia, o policial androide volta-se contra a mega corporação que o criou, pois eles queriam a construção de uma nova cidade no lugar da velha Detroit, desprezando seus habitantes e tendo apenas interesses políticos e econômicos. Ambas as continuações estão disponíveis no mercado brasileiro de vídeo VHS e DVD.

Além desses filmes, a franquia ainda gerou outros produtos em torno do tema entre 1988 e 1994 como revistas em quadrinhos e séries para a televisão, sendo uma delas desenho animado. E após os marcantes ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 aos Estados Unidos, o diretor Paul Verhoeven anunciou também sua intenção de trazer de volta às telas o famoso Robocop. Ele e o roteirista Edward Neumeier discutiram possíveis histórias para um novo filme da franquia, sendo uma das ideias a de que o policial futurista, que estava aposentado, seria retirado de um depósito e reativado para lutar contra o terrorismo. Contudo, somente em 2014, foi feita um remake do filme original, sob o comando do brasileiro José Padilha, com Joel Kinnaman no papel título.

Assim como ocorre em dezenas de outros filmes, o subtítulo nacional (O Policial do Futuro) é desnecessário, ficando bem melhor apenas a reprodução do nome original, porém os responsáveis pela distribuição de filmes no Brasil insistem na equivocada mania de aumentar os nomes originais das produções estrangeiras que chegam em nossos cinemas e locadoras de vídeo (isso quando não alteram completamente os nomes, o que é ainda bem pior). Mas, a despeito desse fato negativo, o que realmente importa é que Robocop tem grandes momentos de entretenimento sendo um precursor de diversos filmes similares com policiais cibernéticos que surgiram depois, a maioria de qualidade e ideias inferiores. O filme exerce até hoje um fascínio interessante destacando-se com grande importância na filmografia moderna de Ficção Científica aliada à temática com elementos policiais futuristas.

(Visited 199 times, 1 visits today)
Juvenatrix

Juvenatrix

Uma criatura da noite tão antiga quanto seu próprio poder sombrio. As palavras são suas servas e sua paixão pelo Horror é a sua motivação nesse Inferno Digital.

6 comentários em “Robocop – O Policial do Futuro (1987)

  • 29/08/2015 em 01:05
    Permalink

    O crítico está errado. Aumentar os títulos muitas vezes ajuda e nesse caso ajudou a chamar atenção pra uma cidade futurista

    Resposta
  • 11/07/2015 em 18:54
    Permalink

    Muito bom este filme, eu tenho ele, muito legal, é um clássico.

    Resposta
  • 21/01/2015 em 02:27
    Permalink

    Filme perfeito e as atuações estão soberbas.

    Resposta
  • 03/03/2014 em 16:44
    Permalink

    clássico absoluto , apesar de gostar mais do 2 , mas isso é coisa pessoal minha , não dos críticos que até hoje se refere como o melhor filme do policial do futuro..

    Resposta
  • 02/03/2014 em 18:43
    Permalink

    faz tanto tempo que vi esse filme que nem me lembro direito dele,queria ver novamente.vou caçar nos sites online.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien