Críticas

Pavor na Cidade dos Zumbis (1980)

Mais parece uma série de citações de clichês de filmes de horror, costurando um roteiro mediano, do que um filme propriamente dito!

Pavor na Cidade dos Zumbis (1981)

Pavor na Cidade dos Zumbis
Original:Paura nella città dei morti viventi
Ano:1980•País:Itália
Direção:Lucio Fulci
Roteiro:Lucio Fulci, H.P. Lovecraft, Dardano Sacchetti
Produção:Lucio Fulci, Giovanni Masini
Elenco:Christopher George, Katherine MacColl, Carlo De Mejo, Antonella Interlenghi, Giovanni Lombardo Radice, Daniela Doria, Fabrizio Jovine, Janet Agren, Luca Venantini, Michele Soavi, Venantino Venantini, Enzo D'Ausilio, Adelaide Aste, Luciano Rossi, Robert Sampson, Lucio Fulci

Esta cidade nunca mais foi a mesma depois que o Padre Thomas se enforcou.

Repleto do melhor e do pior do cinema italiano dos anos 80 (uma das melhores safras do gênero), Pavor na Cidade dos Zumbis, de Lucio Fulci, é o maior exemplo de como um filme pode ser valorizado pelo gore, ou seja, pela quantidade de sangue e tripas que exibe. Trocando em miúdos: o filme é nota 8 em gore e nota 2 em história, com um roteiro simplesmente sem pé nem cabeça, onde pouca coisa se justifica e nada se explica. Na média, um filme nota 5, que vale mais pelos exageros do que pelos resultados propriamente ditos.

Feito logo depois do ultraviolento Zombie Flesh Eaters (1979), sucesso que encabeça a lista dos melhores de Fulci, Paura en La Città dei Morti Viventi foi lançado em 1980 e mistura o gênero mortos-vivos com sessões espíritas, premonições, mortes violentas, fenônenos sobrenaturais e um livro demoníaco. Nos Estados Unidos, o título amalucado foi simplificado para Gates of Hell (Os Portões do Inferno), mas algumas cópias circulam com o título de City of the Living Dead (Cidade dos Mortos-vivos).

Pavor na Cidade dos Zumbis (1981) (1)

O roteiro é assinado pelo próprio diretor Fulci mais Dardano Sacchetti, que fariam salada semelhante no ano seguinte, em The Beyond. A diferença é que The Beyond funciona mesmo sem as cenas de extrema violência, enquanto em Pavor na Cidade dos Zumbis iria sobrar muito pouco se algum censor resolvesse retirar todo o gore, por exemplo. Isso porque Pavor… mais parece uma série de citações de clichês de filmes de horror, costurando um roteiro mediano, do que um filme propriamente dito.

Muito do estilo narrativo de Fulci pode ser encontrado neste que é um dos seus primeiros filmes de horror: há os tradicionais closes nos olhos das vítimas, há as mortes extremamente violentas (algumas totalmente gratuitas e sem sentido), há a música demoníaca de Fabio Frizzi, há os supercloses no rosto de pessoas com expressão de pavor e em feridas abertas ou vermes rastejando.

Pavor na Cidade dos Zumbis (1981) (4)

Pavor na Cidade dos Zumbis começa muito interessante, mostrando uma cidadezinha chamada Dunwich, onde o sinistro padre William Thomas (Fabrizio Jovine) passeia por um cemitério até resolver se suicidar no galho de uma árvore. Depois que ele comete suicídio, a câmera lentamente passeia por algumas lápides (ao som da música arrepiante de Frizzi) até parar em frente a um túmulo, onde um corpo putrefato lentamente sai debaixo da terra – uma citação direta a uma das cenas mais famosas de Zombie, mas muito mal-feita, pois o cadáver está nitidamente coberto apenas por uma fina camada de folhas.

É quando descobrimos que este pesadelo faz parte das visões de Mary (Katherine MacColl, outra colaboradora habitual de Fulci, que apareceria posteriormente em The Beyond, de 1981, e A Casa do Cemitério, de 1982). Ela é uma vidente que está participando de sessão espírita no centro de Nova York. Aterrorizada com o que vê (e Fulci faz questão de mostrar isso com supercloses nos olhos arregalados da moça), Mary cai no chão entre espasmos e grita “A cidade dos mortos! A cidade dos mortos!“. Surpreendentemente, o diálogo sai em alto e bom italiano!!!! Isso mesmo!!! A cópia lançada no Brasil (pela extinta Dado Group) não foi a americana, que tradicionalmente dublava (pessimamente) os diálogos originais em italiano, e sim a original!

Pavor na Cidade dos Zumbis (1981) (5)

Voltando ao filme, Mary tem um ataque de ansiedade e morre… DE MEDO! Este é um detalhe que mais tarde voltará a ser abordado, embora Fulci desperdice a ideia. A partir de então, os furos no roteiro vão se amontoando. A polícia chega e não acredita na história de que a vidente tenha morrido por causa de suas visões, acusando todo o grupo que participou da sessão espírita de ter usado drogas e provocado a morte da moça. É quando a sinistra Madame Teresa (Adriana Asti), que fala arregalando os olhos e virando direto para a câmera, avisa os policiais de que o terror está para começar em uma pequena cidadezinha, e que tudo está escrito em um livro de quatro mil anos atrás chamado Livro de Enoch!

Pavor na Cidade dos Zumbis (1980)

Sabe-se lá o porquê dos roteiristas Fulci e Sacchetti terem incluído um livro demoníaco e antigo na história, já que ele só é citado brevemente nos dez minutos iniciais e depois esquecido sumariamente. Reparem que no posterior The Beyond a dupla faz a mesma coisa, mostrando um tal Livro de Eibon, que também tem poderes sobrenaturais, e, ao mesmo tempo, pouca ou nenhuma relação com a história. Trata-se de mais um dos mistérios dos roteiros do horror italiano, que prezava mais pelo exagero do que propriamente pela lógica.

Pavor na Cidade dos Zumbis (1981) (7)

Paralelamente às cenas em Nova York, o filme mostra a pequena Dunwich, onde estão começando a acontecer fenômenos sobrenaturais, confirmando a previsão de Madame Teresa. Um doente mental chamado Bob (interpretado por Giovani Lombardo Radice, famoso pela cena onde é castrado em Cannibal Ferox, de Umberto Lenzi) é considerado o responsável por algumas misteriosas mortes acontecidas no local, já que é filho de uma feiticeira (outro detalhe que nunca se justifica)! Jovens garotas são encontradas mortas de medo, literalmente, e Bob é acusado de violentá-las. Mas a verdade é que elas foram atacadas pelo zumbi do padre Thomas (aquele que se enforcou no começo da história). Uma das primeiras vítimas morre quando o zumbi esfrega um monte de carne putrefata, vermes e minhocas vivas em sua boca – em cena repelente.

Pavor na Cidade dos Zumbis (1981) (9)

Voltamos a Nova York e Mary está sendo sepultada (sem passar por qualquer exame ou autópsia), enquanto um jornalista curioso, Peter Bell (o canastrão Christopher George, mais conhecido pelo seu trabalho em O Terror da Serra Elétrica, do espanhol Juan Píquer Simon), investiga a morte misteriosa durante a sessão espírita. Em uma das grandes cenas do filme, Mary acorda no interior do caixão quando está parcialmente sepultada. Ela começa a gritar, bater e arranhar o topo de madeira do caixão, arrancando as unhas e ensanguentando todo o forro. A cena é arrepiante pela sonoplastia dos dedos sendo rasgados contra a madeira.

Por sorte (ou por coisa que só acontece em filme), Peter estava no cemitério na mesma hora; ele escuta os gritos de Mary, pega uma picareta e quase mata a moça ao enfiar a ferramenta no tampo do caixão, atravessando-o – a ponta da picareta pára a alguns milímetros da testa da garota! É quando Fulci dá um close na tampa do caixão arrebentada e mostra o rosto pálido e apavorado de Mary gritando no interior. Um verdadeiro pesadelo!

Pavor na Cidade dos Zumbis (1981) (11)

Mary conta ao jornalista toda a história da cidade dos mortos-vivos mas, curiosamente, Dunwich não aparece em nenhum mapa (sabe-se lá porquê, considerando que é uma cidade normal habitada por pessoas normais). Eles começam a investigar, saindo a esmo de carro atrás da tal cidade. Aliás, interessante como os jornalistas dos filmes têm tempo para fazer este tipo de investigação, aparentemente sem qualquer prazo final para entrega de suas reportagens, podendo sumir sem dar satisfações ao chefe e tal… Isso sim é cinema!

Voltando a Dunwich, os fenômenos sobrenaturais continuam. Uma das cenas mais memoráveis é aquela em que um casal namorando num carro, perto do cemitério, é atacado pelo zumbi do padre. O rapaz é o futuro diretor Michele Soavi (de O Pássaro Sangrento e A Catedral). Como acontece em 11 de cada 10 filmes de terror, o fantasma do padre faz com que o carro pare de funcionar e as portas se tranquem. Depois, coloca a namorada de Soavi em transe, faz com que saiam lágrimas de sangue dos seus olhos (uma impressionante cena em close que até agora estou tentando descobrir como eles fizeram, porque não é efeito de computador) e depois obriga a mocinha a vomitar seus próprios intestinos (é ver para crer!). Mais uma cena aterradora, violenta e muito nojenta concebida pelo mestre da maquiagem Gianetto de Rossi, outro colaborador habitual de Fulci e espécie de Tom Savini italiano. A chacina termina com a mocinha transformada em zumbi e apertando a parte de trás da cabeça de Soavi até seu cérebro ser espremido para fora! A cena ficou tão boa que é repetida mais duas vezes até o fim do filme!!!

Pavor na Cidade dos Zumbis (1980) (2)

No que Peter e Mary chegam a Dunwich, o filme, que já estava suficientemente maluco, fica doidão de vez. Descobre-se que a cidade foi construída sobre as ruínas de Salem, aquela famosa cidade das feiticeiras (o que é historicamente equivocado, já que Salem existe até hoje, no Estado americano de Massachussetts). Cadáveres desaparecem do necrotério e aparecem em casas de pessoas, mortos viram zumbis que também aparecem e desaparecem, pessoas são mortas sem qualquer motivo, paredes de concreto armado se abrem em rachaduras, uma chuva de vermes invade uma casa, seguida por uma chuva de cacos de vidro (cena citada no posterior The Beyond), e por aí vai. Ao mesmo tempo, Peter e Mary ficam algum tempo circulando pela cidade sem motivo e encontram aliados no psiquiatra local, Jerry (Carlo De Mejo) e na pintora Sandra (a gatinha Janet Agren, que participou do filme de canibais Os Vivos Serão Devorados, de Umberto Lenzi).

Pavor na Cidade dos Zumbis (1981) (3)

Depois que quase todos os personagens do filme são mortos por zumbis que aparecem e desaparecem como fantasmas (e aparentemente não comem carne humana, apenas arrancam pedaços das pessoas), inclusive Sandra, que tem o topo de sua cabeça arrancado por um morto-vivo, Peter, Mary e Jerry resolvem encontrar o túmulo do padre Thomas no cemitério para dar um fim no chefe dos zumbis (resta saber de onde veio esta ideia). Legal é que o túmulo do padre é uma verdadeira catacumba, escura e repleto de teias de aranha e cadáveres putrefatos que vão voltar à vida e atacar os heróis.

Fulci não parece estar se divertindo neste filme. Dirigido com mão pesada, Pavor na Cidade dos Zumbis tem elementos demais para filme de menos, tornando-se logo arrastado e complicado demais. É quando o espectador desiste de tentar acompanhar a história para se concentrar na maquiagem e no gore (algo que aconteceria posteriormente no cinema americano, em filmes como a série Sexta-feira 13). A falta de empenho do diretor é tão visível que ele nem pareceu se preocupar em fazer um final minimamente coerente. Não há um duelo emocionante entre os heróis e o padre morto-vivo, sendo que o embate entre eles é resolvido rapidamente e sem emoção. Isso sem contar que a conclusão é inexplicável, pois quando parece que tudo está bem um dos personagens faz cara de pavor e grita, mas não é mostrado o que ele viu para assustá-lo tanto assim, simplesmente entram os créditos finais!

Pavor na Cidade dos Zumbis (1981) (10)

Pavor na Cidade dos Zumbis é valorizado pela figura do padre demoníaco, que tem uma cara realmente assustadora (e, num close, lembra o Drácula interpretado por Christopher Lee nos filmes da Hammer). Vale também por dois dos momentos mais violentos do cinema de Fulci, jamais superados pelo diretor: a cena onde a cabeça de Bob é atravessada por uma broca e o momento onde um dos personagens principais tem um pedaço da cabeça arrancado por um zumbi e ratos banqueteiam-se com seu cérebro (argh!).

Pavor na Cidade dos Zumbis (1981) (2)

A cena da broca é particularmente impressionante pelo seu realismo. Parece que o ator está realmente sendo executado. Em sua fixação por explicitar o máximo possível as cenas de morte, Fulci e o maquiador De Rossi fazem a broca entrar por um lado da cabeça e sair pelo outro, arrebentando a pele, sem cortes! Se fosse um filme americano, provavelmente iria cortar assim que a cabeça estivesse bem próxima da broca, mostrando um close de uma parede próxima e o sangue espirrando nela. Então, méritos para o cinema gore italiano, que tem colhões para mostrar barbaridades como esta!

Pavor na Cidade dos Zumbis (1981) (6)

Em meio às bizarrias de costume, duas curiosidades: a participação à la Hitchcock do diretor Fulci (que aparece em praticamente todos os seus filmes, sempre sem receber crédito), como um patologista, e a curiosa participação (também não-creditada) de Perry Pirkanen como um dos coveiros na cena em que Mary acorda dentro do caixão. Para quem não sabe, Pirkanen interpreta o cinegrafista loiro que, supostamente, foi morto de verdade no clássico Cannibal Holocaust, dirigido por Ruggero Deodato em 1979. As autoridades pensaram que Cannibal Holocaust era um snuff movie e que os atores tinham morrido mesmo. Se tivessem assistido Pavor na Cidade dos Zumbis, veriam que Pirkanen estava vivo e bem.

Pavor na Cidade dos Zumbis (1980) (3)

Para resumir, o filme é uma preciosidade no Brasil porque foi lançado nos tempos do boom do videocassete, em 1987, e hoje é uma raridade disputada a tapa por colecionadores. Em 1995, a distribuidora Reserva Especial relançou alguns títulos de Fulci originalmente lançados pela Dado Group, como The Beyond (que ganhou o péssimo título de A Casa do Além) e A Casa do Cemitério. Misteriosamente, esqueceu de Pavor na Cidade dos Zumbis. Ou faliu antes, quem sabe?

Já está mais do que na hora de alguma distribuidora interessar-se por resgatar obras como esta, em VHS e DVD, porque boas ou ruins, os fãs do horror têm obrigação de conhecê-las. E comparando com o moderno cinema de horror, cheio de obras vazias, remakes sem sentido (O Chamado, O Massacre da Serra Elétrica 2003) e filmes fracos, até uma obra ruinzinha de Lucio Fulci é mais do que recomendada.

Leia também:

8 Comentários

  1. MORCEGO

    Muito bom, e cheio de surpresas e sangue do começo ao fim.
    Um filme ótimo.

  2. Miguel

    Acho que a critica é muito depreciativa! estou assistindo o filme e ‘pausei’ para acessar o ‘boca’ e outros sites de horror.Particularmente estou gostando do filme,apesar de alguns exageros!
    Parabéns,pela resenha do filme,muito bem feita!

  3. Eu realmente não acredito numa nota tão baixa pra essa “preciosidade” do Mestre Fulci , que nessa outra produção dedicada aos zumbis depois do sucesso do clássico ” Zombie ” de 1979 , mais dessa vez não se preocupando muito com o roteiro e sim no que ele sabe fazer de melhor que é o Gore , em abundância e muito bem realizado num realismo impressionante que é a cena onde a cabeça de Bob é atravessada por uma broca resultando numa das melhores cenas do gore italiano !
    ” Pavor na Cidade dos Zumbis ” não é um clássico mais é um dos melhores e está entre os mais violentos do Mestre Lucio Fulci , tenho a felicidade de ter essa raridade em DVD importado em minha coleção !

  4. Re anan GOmes

    Ah para.. ta querendo dizer que em todos eses anos eu tendo ‘entender’ o filme, e na verdade nao existe o que entender… Ah, pelo menos nao me considero tão ignorante. kkk

    Pq nao é possivel eu via e revia, e nao conseguia entender. HAH

    Tipo quando vi rock horro picture show, nao conseguia entender..só depois que desliguei o cerebro e amei. Coisa que nao consegui fazer nesta produção.;

  5. Re anan GOmes

    Ah para.. ta querendo dizer que em todos eses anos eu tendo ‘entender’ o filme, e na verdade nao existe o que entender… Ah, pelo menos nao me considero tão ignorante. kkk

    Pq nao é possivel eu via e revia, e nao conseguia entender. HAH

    Tipo quando vi rock horro picture show, nao conseguia entender..só depois que desliguei o cerebro e amei. Coisa que nao consegui fazer nesta produção.;

  6. Juliano

    Olá Felipe, ótima crítica. Eu particularmente gostei muito do filme, apesar dos absurdos com o roteiro. Eu comprei um Bluray desse filme, ele é importado da Blue Underground vem com ótimos extras, como por exemplo como foi feito a cena em que a namorada do então desconhecido diretor Soavi chora sangue e a fatídica cena da furadeira atravessando a cabeça do Bob. Muito legal, vale a pena conferir.

  7. Anselmo Luiz

    infelizmente filmes como esse ” Pavor na Cidade dos Zumbis ” ou outros filmes de terror “B’ ou ” Underground ” jamais serão lançados aqui no Brasil tanto em DVD quanto em Blu – Ray ,pois as nossas distribuidoras são patéticas, não visando este mercado de filmes. Que falta é coragem e boa vontade deles lançarem algo que presta aqui. Valeu por este post !

    • Léo Bouças

      Agora foi lançado!
      😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *