Little Deaths (2011)

Little Deaths (2011)

Little Deaths
Original:Little Deaths
Ano:2011•País:UK
Direção:Sean Hogan, Andrew Parkinson, Simon Rumley
Roteiro:Sean Hogan, Andrew Parkinson, Simon Rumley
Produção:Sean Hogan, Andrew Parkinson
Elenco:Luke de Lacey, Holly Lucas, Siubhan Harrison, James Oliver Wheatley, Marc Bennett, Jennifer Handorf, Nick Harwood, Daniel Brocklebank, Christopher Fairbank, Rob 'Sluggo' Boyce, Scott Ainslie, Steel Wallis, Oliver Guy-Watkins

O termo francês petit mort (pequena morte) é um eufemismo para o orgasmo. Serve também para designar a sensação experimentada depois do gozo, quando a euforia se acalma e a cabeça volta a funcionar normalmente. É essa a sensação que o espectador experimenta ao final de Little Deaths, uma estranha produção britânica dividida em três capítulos, todos eles histórias de horror pouco convencionais ligadas pelo tema do sexo.

Little Deaths (2011) (1)

O que impressiona não é tanto a ousadia da proposta, mas o quanto os episódios destoam um do outro. O primeiro, House & Home, dirigido por Sean Hogan, é conduzido como uma história da EC Comics, com uma narrativa tensa e uma reviravolta ligeiramente previsível. A história de um casal abastado que gosta de trazer mulheres de rua para seus jogos sexuais ganha pontos pelo ritmo e atuações convincentes, mas soa bastante convencional comparado aos outros episódios.

Little Deaths (2011) (2)

Já “convencional” é uma palavra que não se aplica de forma alguma a Mutant Machine, o segundo episódio, dirigido por Andrew Parkinson. Utilizando o esperma de um homem aprisionado (semelhante às vítimas do filme Martyrs) um médico cria comprimidos que provocam visões em quem os toma. A vida de uma ex-prostituta viciada em drogas se cruza com este bizarro cartel de medicamentos experimentais, com consequências inesperadas. A trama de Mutant Machine é bastante difícil de absorver numa primeira sessão, mas deixando as loucuras narrativas de lado, a interpretação de Jodie Jameson como a desafortunada prostituta Jen é bastante cativante, e segura as pontas.

Little Deaths (2011) (4)

O último episódio, Bitch, de Simon Rumley, é o que mais ousa no quesito sexo, ao tratar de uma destrutiva relação sadomasoquista de um casal de jovens. Pete (Tom Sawyer) é um barman dominado pela namorada Claire (Kate Braithwaite), uma dominatrix que sofre de um medo patológico de cachorros. Utilizando de filtros de cores e uma ótima trilha sonora, Simon Rumley entrega o melhor episódio do filme, com direito a um final impressionante. O grande trunfo de Little Deaths foi ter escolhido esse episódio para fechar o filme, criando uma sensação de pequena morte que nos faz olhar para trás e examinar essa intensa coletânea de curtas de uma forma especial.

(Visited 91 times, 1 visits today)
Matheus Ferraz

Matheus Ferraz

Mineiro, autor publicado e mestre em Biografia pela University of Buckingham

Um comentário em “Little Deaths (2011)

  • 20/05/2015 em 02:25
    Permalink

    longe de ser um bom filme e mais distante ainda de ser um ótimo filme;
    A unica historia que se salva é a 1 historia,a segunda sem nenhuma explicação,ao termino fica a sensação de que nada foi explicado e a 3 historia é um drama e com pitadas de sexo e com um final mais ou menos!
    2 caveiras no maximo.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien