Trilogia de Terror: Pesadelo Macabro (1968)

Trilogia de Terror (1968)

Trilogia de Terror: Pesadelo Macabro
Original:Trilogia de Terror: Pesadelo Macabro
Ano:1968•País:Brasil
Direção:José Mojica Marins
Roteiro:José Mojica Marins, Rubens Francisco Luchetti
Produção:Renato Grechi, Antonio Polo Galante
Elenco:Mário Lima, Vany Miller, Nelson Gaspari, Ingrid Holt, Walter Portela, Katia Drumond, France Mary, Milene Drummond, Sebastião Grandim, Sergio Warnovsky, Jean Garret, Paula Ramos

No lendário ano de 1968 foi lançado um clássico do cinema brasileiro, o longa em três episódios Trilogia de Terror. Um trio de geniais diretores assina, respectivamente, um episódio – Ozualdo Candeias, O Acordo; Luis Sérgio Person, A Procissão dos Mortos; José Mojica Marins, Pesadelo Macabro. Enquanto Candeias e Person exercitaram seus específicos universos de estilo – o Cinema Marginal e a Alegoria Política -, o terror, propriamente dito, ficou aos cuidados do Mestre Mojica em sua breve história sobre Magia Negra e mortos enterrados vivos.

Trilogia de Terror (1968) (1)

Já nas primeiras sequências percebemos que a utilização da fotografia em P&B nos três episódios tem muita coerência e ganha atmosferas ainda mais aterradoras no episódio de Mojica. A encenação do ritual de macumba é muito interessante, mesmo não tendo a selvageria de Quando os Deuses Adormecem: a presença diabólica do Exú, a flagelação dos corpos, tudo é encenado de maneira detalhista, numa espécie de introdução para toda a trama que irá se desenrolar posteriormente. A maneira sombria e perversa como surge a sequência do ataque do casal é outro ponto alto desse episódio, bastante ousado para a época e para a rígida censura brasileira do regime militar. Os desdobramentos para a trama principal do morto que não estava realmente morto e a clássica paranoia do horror de ser enterrado vivo se misturam às lembranças do próprio Mojica, que, quando jovem, presenciou o batateiro do bairro levantando do caixão em pleno velório.

Trilogia de Terror (1968) (2)

O roteiro desse episódio foi escrito pelo próprio Mojica e por Rubens Francisco Lucchetti, seu colaborador em filmes como Finis Hominis e Quando os Deuses Adormecem. A fotografia de Pesadelo Macabro foi realizada por Giorgio Attili, outro grande colaborador de Mojica. Na produção desse projeto, temos Antonio Pólo Galante – o “Galante Rei da Boca” – em mais uma preciosa contribuição para o cinema brasileiro.

Trilogia de Terror (1968) (3)

A montagem de Sylvio Renoldi para a cena em que as personagens correm para tentar desenterrar o homem enterrado vivo é muito eficiente e tem uma boa dose de tensão e suspense, grudando o espectador na poltrona, mesmo que saiba que o protagonista está condenado ao abismo, como em toda narrativa gótica que se preze. A máscara de horror do homem em seu desespero de se libertar do sepulcro é uma das imagens mais emblemáticas da obra de Mojica.
https://www.youtube.com/watch?v=8MsEh7dgHIc

(Visited 67 times, 1 visits today)
Marcelo Carrard

Marcelo Carrard

Marcelo Carrard é Jornalista, Pesquisador e Crítico de Cinema e Editor do Blog: Nudo e Selvaggio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien