Críticas

Resgate de uma Família (2014)

Pode até divertir a família numa segunda-feira à noite, mas trará o arrependimento na manhã seguinte, como a ressaca de uma bebedeira ruim!

Resgate de uma Família (2014)

Resgate de Uma Família
Original:Reclaim
Ano:2014•País:EUA, China, Malásia
Direção:Alan White
Roteiro:Luke Davies, Carmine Gaeta
Produção:Brian R. Etting, Josh H. Etting, Mike Gabrawy, Gary Hamilton, Robert Luketic, Fredrik Malmberg, Silvio Muraglia, Ian Sutherland
Elenco:John Cusack, Ryan Phillippe, Rachelle Lefevre, Jacki Weaver, Luis Guzmán, Briana Roy, Jandres Burgos, Veronica Faye Foo, Millie Ruperto, Oscar H. Guerrero

Quando você tropeça numa chamada na TV aberta anunciando um thriller com nomes como John Cusack, Ryan Phillippe e a belíssima Rachelle Lefevre (da série Under the Dome), não há como escapar da curiosidade. E a vontade de acompanhar a produção se amplia quando o trailer evidencia Cusack como vilão, uma experiência rara num ator cuja filmografia está repleta de personagens heróicos e até românticos. Uma breve pesquisa para descobrir que o longa foi malhado pela crítica em sua passagem limitada pelos cinemas em setembro e lançamento simultâneo on demand – algo que atrai ainda mais a atenção, principalmente para fãs de bagaceiras como eu.

Resgate de uma Família tem todas as características de uma produção para a TV, daquelas que são exibidas no Tela Quente ou Supercine. Um thriller raso, sem emoção ou surpresas, permitindo que o espectador preveja o seu final antes mesmo do término dos dez minutos iniciais. E a direção trêmula de Alan White ou o roteiro esburacado de Luke Davies e Carmine Gaeta são o convite para mais uma crítica negativa, mesmo com o elenco conhecido e atraente.

Depois de um acidente do passado com a impossibilidade de gravidez, um jovem casal, Steven (Ryan Phillippe, de Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado, 1997) e Shannon (Rachelle Lefevre), decide adotar uma criança. Eles entram em contato com um agência de adoção chamada Intl. Rescue Adoption, sob o comando de Reigert (Jacki Weaver, de Segredos de Sangue, 2013), e se encantam com a doce Nina (Briana Roy), uma órfã sobrevivente de um terremoto no Haiti. Gastam uma fortuna no processo e parecem ter realizado um sonho até o contato “casual” com Benjamin (Cusack, de 1408 e Identidade), sua namorada Paola (Veronica Faye Foo) e o capanga Salo (Jandres Burgos). Nina é sequestrada pela gangue, num envolvimento direto com a forjada agência de adoção, com o intuito de exigir resgate e extorsão, e ameaçã de assassinato.

Resgate de uma Família (2014) (1)

Daí por diante, o casal é também sequestrado. Há a fuga, perseguição de carro, lutas, tiros e tal como manda o script. E também furos no roteiro e cenas clichês que trazem perguntas como: Por que Benjamin continuou mantendo o casal preso depois de conseguir o dinheiro? Por que Benjamin precisa contar todo o seu plano para os heróis, incluindo a revelação de nomes verdadeiros dos envolvidos? Nada empolgante e com a atuação caricatural de Cusack, fumando charuto e proferindo frases de efeito, Resgate de uma Família é uma tremenda perda de tempo.

Pode até divertir a família numa segunda-feira à noite, quando todos estão cansados e aguardando a chegada da próxima sexta. Mas, trará o arrependimento na manhã seguinte, como uma ressaca de uma noite de bebedeira ruim.

Leia também:

1 Comentário

  1. Cristina

    Por incrível que pareça o filme passou mesmo na Globo. rs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *