A Invocação 2 (2013)

A Invocação 2 (2013)

A Invocação 2
Original:Sadako 3D 2
Ano:2013•País:Japão
Direção:Tsutomu Hanabusa
Roteiro:Kôji Suzuki
Produção:Shin'ichirô Inoue
Elenco:Miori Takimoto, Kôji Seto, Kokoro Hirasawa, Satomi Ishihara, Yûsuke Yamamoto

É curioso observar o que aconteceu com a série Ringu ao longo dos anos. O primeiro filme, com direção de Hideo Nakata, foi lançado em 1998 e como resultado entrou para o hall das grandes produções do gênero. Claro que o remake norte-americano dirigido por Gore Verbinski em 2002 contribuiu e muito para a popularização da obra original. A verdade é que desde 1998 que a imagem da menina de cabelos longos escondendo o rosto foi vista em sequências, remakes e série de TV tornando-se assim uma figura midiaticamente tão conhecida como Jason, Freddy e outros monstros famosos do cinema contemporâneo.

Tudo ia muito bem dentro deste legado até que um novo filme japonês foi anunciado com o título de Sadako 3D e lançado em 2012. O que deveria ser uma atualização da série se mostrou como um verdadeiro erro cinematográfico. Os problemas do então novo filmes são tantos que é até difícil encontrar o principal. Na tentativa de atrair um novo público, o diretor Tsutomu Hanabusa apresentou uma história focada em (exagerados e mal feitos) efeitos especiais e com uma longa exposição da vilã Sadako, que passou a dar nome ao novo filme. Para quem lembra do conceito original, Ringu acompanha uma jornalista que investiga a lenda urbana de uma fita de vídeo que mataria quem a assistisse sete dias depois. A “responsável” pela maldição é Sadako, uma misteriosa jovem com poderes especiais e que foi atirada e trancada viva em um poço 30 anos antes da ação principal vista em Ringu.

A Invocação 2 (2013) (1)

Em Sadako 3D, o diretor Hanabusa deixou de lado o clima de mistério e investigação para dar lugar a uma overdose de mortes, correria, gritos e Sadako saindo diversas vezes de todas as telas vistas em cena. Além disso, o roteiro também mudou o modus operandi de Sadako. Mas como nada no gênero terror não é tão ruim que não possa ficar pior, eis que o público recebeu em 2013 a sequência de Sadako 3D, desta vez com o sofrível título de Sadako 2 3D.

Em Sadako 3D, a jovem professora Akane (Satomi Ishihara) escuta de alunas os rumores sobre um vídeo maldito que está circulando na internet. De acordo com as estudantes, todos que assistem se matam depois. Akane não acredita nos boatos até que uma de suas alunas morre de forma misteriosa e tudo leva a crer que os rumores sobre o vídeo maligno são verdadeiros. A ação de Sadako 2 3D, novamente dirigido por Hanabusa, acontece cinco anos depois do filme anterior e aqui temos a filha de Akane, chamada Nagi (Kokoro Hirasawa). A garota é praticamente a prima de Damien, o garoto de A Profecia já que as coisas mais estranhas e malignas acontecem em volta da menina. Enquanto isso, Akane é mantida em um lugar seguro e sem contato com a garota. E claro, Sadako parece estar sempre por perto.

A Invocação 2 (2013) (2)

Apesar de ser um filme completamente desnecessário, Sadako 2 3D não é uma porcaria completa como a episódio anterior. A trama possui falhas claras, mas aqui o diretor percebeu o obvio e trouxe uma trama menos exagerada em todos os aspectos. Os efeitos são mais discretos e temos pouca interferência de Sadako, que voltou a ser vista mais como uma entidade do que como personagem principal vista em excesso. Além disso, esta “parte 2” possui uma história mais linear enquanto a antecessora era bastante confusa.

A Invocação 2 (2013) (3)

Mas não vá esperando um bom filme. Dentro de uma comparação com Sadako 3D, esta sequência direta é até assistivel, embora perca feio quando comparado com os três primeiros filmes da franquia. A ideia que se tem ao assistir estes filmes 3D é que Ringu faz parte de um subgênero específico, com uma ação mais lenta e focada no suspense para construção de medo. Já os dois novos filmes parecem ser de um subgênero completamente diferente com ação mais focada em cenas sanguinolentas, cortes rápidos de edição e efeitos especiais. É como imaginar que a experiência de ver Ringu pela primeira vez é como ler um ótimo livro de suspense enquanto Sadako se parece mais com um videoclipe musical meio mal feito. Para ilustrar esta diferença, basta pensar que não é por gostar de obras como Os Outros (terror) que o mesmo público vai gostar de Pânico (também terror) ou vice-versa. Se for para seguir este novo formato, é melhor jogar Sadako de volta para dentro do poço.

Leia também:

Filipe Falcão

Filipe Falcão

Jornalista com Mestrando em Comunicação. Fã de Cinema, mas com gosto especial para filmes de Terror. Para ele, o gênero vai muito além de sangue e morte. Contato: filipefalcao@bocadoinferno.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien