Críticas

Constantine – 1ª Temporada (2014)

Como alguém pode desperdiçar tantas boas histórias em prol de um seriado genérico com uma “turma do Constantine” e seu estilo Scooby Doo?

Constantine (2014) (2)

Constantine
Original:Constantine
Ano:2014•País:EUA
Direção:Romeo Tirone, Neil Marshall, John Badham, Nick Gomez, T.J. Scott, Steve Shill, John F. Showalter, David Boyd, Mary Harron, Sam Hill, Thomas J. Wright
Roteiro:Daniel Cerone, David S. Goyer, Sneha Koorse, Brian Anthony, Christine Boylan, Jerry Siegel, Mark Verheiden, Cameron Welsh, Rockne S. O'Bannon
Produção:Neal Ahern Jr., James Spies
Elenco:Matt Ryan, Harold Perrineau, Angélica Celaya, Charles Halford, Michael James Shaw, Mann Alfonso, Jonjo O'Neill, Jeremy Davies, Claire van der Boom

Cigarro. Essa é a palavra chave que define o seriado que adapta para a TV as aventuras do mago inglês John Constantine (Matt Ryan), personagem da DC que inicialmente fazia parte do selo adulto da editora, a Vertigo, e posteriormente passou a conviver com os super-heróis da DC nos Novos 52. Mas veja bem. Não é que eu esteja fazendo apologia ao tabagismo ou realmente ache que fumar ou não seja o problema real do personagem na série. A questão é que se você está levando um personagem tão importante e querido de uma das maiores editoras de quadrinhos do mundo, que possui uma personalidade e um background tão bem construído por diversos autores de qualidade inquestionável, para um canal onde o mesmo não poderá aparecer fumando o tempo todo, você já começou errado!

Quem acompanha o personagem sabe que ele é um desgraçado sacana. Seus amigos são apenas instrumentos para que ele consiga o que quer, por mais nobres que sejam as suas causas – geralmente salvar o planeta de algum problema envolvendo trevas e demônios – eles quase sempre acabam morrendo. E nada, ou quase nada, desta personalidade transparece nos treze episódios da primeira temporada de Constantine.

Constantine (2014)

E não adianta os defensores mais ferrenhos levantarem as vozes para citar “A Feast of Friends”, o quarto episódio da série, onde John usa seu amigo Gary Lester (Jonjo O’Neill) para capturar um demônio que Gary involuntariamente soltou em Nova Iorque.Nos quadrinhos originais, publicados por aqui na revista Hellblazer Origens Vol.1 pela Panini, Constantine engana Gary e o usa como um receptáculo para o demônio da fome. O final é cruel e barra-pesada, mas John não poderia ter feito isso de outra forma. Foi um sacrifício em prol de um bem maior. Os leitores sabem disso. Constantine duvida disso e todos ao seu redor questionam isso. Essa ambiguidade do personagem é o que o torna tão rico e interessante. Não é a toa que Hellblazer foi o título mais longevo da Vertigo, chegando à marca de trezentas edições antes de passar para a DC em uma revista tão incorreta quanto a série de TV.

Se enxergarmos por este lado então, se vermos Constantine como uma adaptação do personagem nos Novos 52 e não aquele que aprendemos a amar em Hellblazer, talvez a série se saia um pouco melhor. Mas não é isso que vimos em seus treze episódios. Foram diversos arcos de Hellblazer misturados e bagunçados entre si que faz o leitor se questionar “o que eles estão fazendo?”. A HQ possui roteiros brilhantes prontos. É só adaptar! A Feast of Friends é o mais próximo que Constantine chegou de Hellblazer, mas parou aí.

Constantine (2014)

Este formato desgastado de “monstro da semana” não funciona com um personagem como Constantine, do qual lemos tantas boas histórias sequenciais que criam arcos fantásticos como os escritos por Jaime Delano, Garth Ennis, Warren Ellis, Peter Milligan, entre tantos outros grandes autores que passaram por sua revista, Hellblazer. Se até os irmãos Wachowsky, que não acertam a mão em nada há anos depois de Matrix, conseguiram adaptar outra HQ da Vertigo, V de Vingança, para o cinema e foi um sucesso, como alguém pode desperdiçar tantas boas histórias de John Constantine em prol de um seriado genérico com uma “turma do Constantine” e seu estilo Scooby Doo a lá Supernatural?

Constantine (2014) (5)

Ainda não sabemos qual o futuro de Constantine agora. Fontes dizem que o seriado passaria para o Syfy com seu nome alterado para Hellblazer. Se isso indica uma proximidade maior da série com as histórias originais, ou apenas uma tentativa de se afastar a segunda temporada do fiasco que foi a primeira, não sabemos. Resta aos leitores e fãs do personagem apenas rezar para seus deuses e efetuar seus rituais secretos pedindo que John Constantine finalmente caia em boas mãos.

Leia também:

4 Comentários

  1. Franklin

    Alguem pede para a serie ir para o netflix que ai da jeito.

    • Pois é! Estou esperando ansioso pelas séries da Marvel que sairão no Netflix. Principalmente a do Demolidor!

  2. Cristina

    O piloto foi simplesmente um desastre. Não tive a coragem de vocês de ver o resto, quanto a segunda temporada só digo uma coisa.. Vai SyFy!!!

    • SyFy dá um arrepio na coluna mesmo… Mas, de repente, a coisa deslancha! Volte aqui no ano que vem pra conferir a resenha da segunda temporada! 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *