Críticas

Desejo e Obsessão (2001)

Um filme carnal, doentio, envolto em uma áurea cult!

Desejo e Obsessão (2001) (1)

Desejo e Obsessão
Original:Trouble Every Day
Ano:2001•País:França, Alemanha, Japão
Direção:Claire Denis
Roteiro:Claire Denis, Jean-Pol Fargeau
Produção:Georges Benayoun, Philippe Liégeois, Jean-Michel Rey
Elenco:Vincent Gallo, Tricia Vessey, Béatrice Dalle, Alex Descas, Florence Loiret Caille, Nicolas Duvauchelle, Raphaël Neal, Aurore Clément

Desejo e Obsessão é um dos primeiros filmes do dito New French Extremy. A tarimbada diretora francesa Claire Denis entrega um filme carnal, doentio, envolto em uma áurea cult.

A história começa mostrando Core (Beatríce Dalle), uma mulher sensual que é resgatada por Léo Semeneau (Alex Descas), ao lado do corpo de um homem que Core acabara de matar durante o ato sexual. Core é mantida trancada por Léo em casa – talvez a única maneira de o médico controlar sua esposa. Em paralelo conhecemos o casal Shane (Vincent Gallo) e June Brown (Tricia Vessey), americanos que estão em lua de mel na França. A viagem tem outro propósito para Shane, que procura por Léo, que já havia conduzido uma perigosa pesquisa sobre o problema da mulher.

Desejo e Obsessão (2001) (2)

Não há desenvolvimento de personagens, não há uma explicação para os acontecimentos. A excelente trilha sonora da banda Tindersticks dita o rítmo, que, mesmo devagar, não deixa de prender a atenção do espectador. A lentidão da câmera vai em contramão com a voracidade dos personagens. Não é um filme de terror, nem tampouco um filme erótico, apesar dos elementos presentes – aliás, não dá pra encaixá-lo em um gênero . Claire Denis não tenta chocar como em A Serbian Film, muito menos tenta ser um pseudo-cult erótico como 9 Canções.

Desejo e Obsessão (2001) (3)

Não há motivos para Core ter feito o que fez. O espectador apenas acompanha o dia a dia dos personagens, como um voyer, mas com um misto de desejo e repulsa. A degradação humana é mostrada na vontade; do sexo surge o desejo mais visceral, mas a satisfação não é simples. É preciso morder, machucar, é preciso se lambuzar em sangue. E ainda tem gente se chocando com 50 Tons de Cinza.

Leia também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *