Críticas

A Dama na Água (2006)

Adulto demais para soar como um conto de fadas ao mesmo tempo em que se mostra por demasiado infantil para interessar ao público crescido!

A Dama na Água (2006) (3)

A Dama na Água
Original:Lady in the Water
Ano:2006•País:EUA
Direção:M. Night Shyamalan
Roteiro:M. Night Shyamalan
Produção:Sam Mercer, M. Night Shyamalan
Elenco:Paul Giamatti, Bryce Dallas Howard, Jeffrey Wright, Bob Balaban, Sarita Choudhury, Cindy Cheung, M. Night Shyamalan, Freddy Rodríguez, Bill Irwin, Mary Beth Hurt, Noah Gray-Cabey

Existem alguns diretores que após alcançarem determinado sucesso financeiro e reconhecimento por parte do público decidem se aventurarem em projetos que, se fossem ideias de cineastas menos famosos, provavelmente correriam o risco de serem arquivados. Classificar tais filmes é um verdadeiro martírio, pois estas produções costumam ir além de simples elogios ou duras críticas. O mais novo representante dessa vertente é o já controverso A Dama na Água (Lady in the Water, 2006), do diretor indiano M. Night Shyamalan, que alcançou fama internacional com O Sexto Sentido (The Sixth Sense, 1999) e apenas confirmou que ter o seu nome em cima do cartaz do filme é o melhor merchandising para os produtos lançados por ele. Mesmo que o resultado divida opiniões.

Antes de qualquer coisa, é preciso esclarecer que A Dama na Água NÃO é um filme de terror. Não que a produção estivesse sendo “vendida” para o público como sendo do gênero horror, pois desde que os primeiros trailers começaram a ser exibidos, a trama foi apresentada como “uma história de ninar” e vai ser dessa forma que o filme será tratado, com seus acertos e erros.

A Dama na Água (2006) (1)

A trama de A Dama na Água acompanha a rotina de Cleveland (Paul Giamatti, Planeta dos Macacos, 2001), que trabalha como zelador de um condomínio de apartamentos. A vida dele vai mudar drasticamente quando conhece uma garota chamada Story (Bryce Dallas Howard, A Vila, 2004), que, literalmente, saiu de dentro da piscina do local. Surpreso, Cleveland descobre que a estranha moça é uma narf, espécie de ninfa das águas que tem como objetivo ajudar os homens. Porém, o zelador vai perceber que Story corre perigo mortal, pois está sendo perseguida por uma criatura maligna, que visa matar a narf.

A primeira observação que deve ser feita é que A Dama na Água não é um filme para qualquer um, pois a produção percorre um caminho híbrido entre a fantasia e o suspense, o que já pode não agradar a quem está acostumado com os trabalhos anteriores do indiano, mais voltados para um suspense forte. A proposta inicial de Shyamalan foi de realizar um filme que fosse realmente como “uma história de ninar” e dentro dessa temática, ele procurou trabalhar com um medo mais implícito dentro de uma narrativa que segue um caminho fantasioso. O filme também aborda, de forma subliminar, temas como o bem e o mal, verdade e mentira, pecado e redenção, entre outros, que vão dando o tempero para a união entre a fábula e o mistério.

A Dama na Água (2006) (2)

Outro fator importante está ligado ao fato de Shyamalan sempre ter realizado trabalhos que tratem do ser humano como tema central das suas histórias, embora outros elementos, como o suspense, acabem por ficarem sobrepostos a essa proposta. Como exemplos, basta voltarmos no tempo para perceber que O Sexto Sentido trabalha a questão da aceitação, seja da morte ou da paranormalidade. Já Sinais (Signs, 2002) aborda o drama de um pai e sua ligação com os filhos, enquanto A Vila faz uma crítica a mentira coletiva e o fato da ignorância ser considerada por alguns como uma benção.

Shyamalan continua a trabalhar esse ser humano em A Dama na Água, ao apresentar um personagem principal, Cleveland, que possui um passado inconcluso que o impede de ser feliz. A própria narf vai ser uma espécie de agente reconciliador para os elementos humanos do filme, que se tornam pessoas melhores após terem contato com a moça. Aliás, tal ponto é um dos destaques da trama por gerar sequências que trabalham com esse lado emocional do personagem sem parecer piegas e conseguindo atingir o público.

A Dama na Água (2006) (4)

O roteiro do filme foi escrito pelo próprio Shyamalan, que se baseou em histórias que ele criava ao contar para os filhos. Engana-se quem pensa que a temática dos contos é novidade para o indiano, que em 1999 foi roteirista do infantil Stuart Little. A trama de A Dama na Água começa de forma agradável desenvolvendo uma história capaz de despertar a atenção do público. Nesse princípio, somos apresentados aos moradores do local, conhecemos a rotina de Cleveland e acompanhamos o surgimento de Story. O diretor evita, nessa primeira parte, momentos clichês e vai construindo o seu conto de fadas de forma eficiente. No entanto, será durante esse percurso que Shyamalan vai, infelizmente, perder o controle da situação e o que poderia render um grande filme, resulta apenas em um trabalho trivial.

Vai ser na metade da trama que o diretor vai ficar na dúvida com relação ao caminho que deve seguir para concluir o seu trabalho, que a partir de então fica adulto demais para soar como um conto de fadas ao mesmo tempo em que se mostra por demais infantil para interessar ao público crescido. Tal crítica é perceptível em vários momentos, como quando o filme começa a trabalhar com as habilidades das pessoas escolhidas para ajudar Story no retorno para o seu mundo, quando tudo soa muito cômico e improvável demais, mesmo dentro de uma fábula. Um dos momentos mais absurdos é quando os moradores descobrem que existe um garoto que consegue ler mensagens subliminares em caixas de cereais. Imagina a confusão na cabeça desse guri quando ele está no supermercado na sessão desse produto?

Ao mesmo tempo, existe uma perigosa criatura, uma versão digital do lobo G’mork, de A História Sem Fim (The NeverEnding Story, 1984), que surge ao redor do condomínio para dar cabo da pobre Story. Tal vilão não funciona dentro do enredo e acaba sendo mais um monstro digital como tantos outros já vistos. Indefinido, a produção segue esse caminho híbrido até o previsível final sem maiores novidades. Outro ponto que atrapalha um maior interesse pela ação são os personagens secundários. Apesar dos dois principais, Cleveland e Story, serem bastante interessantes, o restante dos moradores do condomínio são estereotipados e acabam com qualquer possibilidade de uma boa crítica para a trama. Entre os habitantes do prédio existe um rapaz que faz musculação apenas com um lado do corpo, uma chinesa idosa, que faz a linha velha escandalosa que não fala inglês, um casal de latinos com cinco filhas e por aí vai.

A Dama na Água (2006) (5)

Ainda no quesito personagens, existem dois outros que são, além de tudo, mal concebidos. O primeiro é um tal de Vick, interpretado pelo próprio Shyamalan e que, por algum motivo estranho, tem destaque dentre os demais coadjuvantes. A grande observação é que como ator, o diretor poderia muito bem se aposentar, pois até uma árvore seca consegue ter mais expressão artística do que ele. Outro personagem que poderia ter ficado de fora da trama é o do crítico de cinema que é um dos moradores do condomínio. De comportamento chato e sempre falando de como produções cinematográficas são previsíveis, fracas e ruins, a ideia de Shyamalan seria de fazer uma referência com a exigência dos profissionais que escrevem sobre filmes e que nem sempre agradam aos realizadores da película. Pois o tal crítico não acrescenta em nada para a história, sua participação é dispensável e o final dele está mais para picaretagem do diretor como se quisesse dizer para o público do cinema: olhem como eu sou um cara engraçado.

O mais curioso é pensar que tais pontos negativos, como a indecisão que o filme percorre a partir da sua metade, um final extremamente óbvio, ter que aguentar Shyamalan como ator, além de outros pequenos deslizes, poderiam ter sido retirados, pois a história em si é interessante. Fica a boa intensão desta obra realizada por um homem que sabe que possui poder para pegar qualquer história e transformar em filme, até mesmo uma de ninar.

Leia também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *