Críticas

Acácia (2003)

Sem a pirotecnia gore, ele possui uma boa história e roteiro, com momentos climáticos e desfecho de estilizada violência!

Acácia (2003) (3)

Acácia
Original:Akasia
Ano:2003•País:Coréia do Sul
Direção:Ki-hyeong Park
Roteiro:Ki-hyeong Park
Produção:Sungkyu Kang, Ki-hyeong Park, Yeong-shik Yu
Elenco:Hye-jin Shim, Jin-geun Kim, Oh-bin Mun, Na-yoon Jeong, Hee-tae Jeong, Jong-hwan Son

Para a maioria dos fãs de Cinema Fantástico já é uma realidade visível o fato de que as produções mais interessantes e diversificadas desse gênero foram produzidas na Ásia. Para o grande público essa onda de filmes de horror orientais se popularizou a partir de O Chamado, mais precisamente de sua adaptação norte-americana. O Japão passou a ser a fonte de histórias bizarras, singulares e aterradoras com diversos níveis de violência, misturando temas sobrenaturais com sangrentas histórias sobre gangsters e jovens ultra violentos. Aos poucos outros países asiáticos despontaram no Ocidente como grandes fornecedores de histórias fantásticas que fogem totalmente dos moldes do Cinema de Horror Norte-Americano, flertando mais com o Horror Europeu de Mestres como Dario Argento e Lucio Fulci, como por exemplo em Evil Dead Trap 1, que tem citações explícitas de Suspiria. Essa produção é muito longa, muito variada, e já vem de décadas, com clássicos absolutos como Onibaba, de Kaneto Shindo. Produções da China e mais recentemente da Tailândia despontam como o excelente Shutter aka Espíritos – A Morte Está ao Seu Lado. Mas um país asiático surge com uma produção volumosa de grandes títulos: a península da Coréia do Sul.

Nos últimos anos surgem filmes de muita qualidade e originalidade produzidos na Coréia do Sul, um país sem tradição de bons filmes que em menos de dez anos revelou grandes diretores e longas como Kim Ki Duk, com o chocante A Ilha, o slasher The Record, o extraordinário A Tale of Two Sisters aka Medo, a Trilogia da Vingança de Park Chan Wook, o perturbador The Uninvited e o obrigatório O Hospedeiro. Nesse conjunto de filmes surge em 2003 uma curiosa produção intitulada Acácia, escrita e dirigida por Ki Hyung Park.

Acácia (2003) (2)

A trama central coloca em cena elementos de um drama familiar moderno, carregado de sensibilidade e atmosfera de crescente expectativa que lentamente irá conduzir o filme para uma ruptura, transfigurando-o num perturbador filme de horror. As primeiras imagens da abertura mostram imagens impressionistas que irão se refletir nos quadros feito por um sensível menino que é escolhido para adoção por um casal que não pode ter filhos. O menino tem uma grande fixação por pintar árvores, e, na casa de seus pais adotivos, no quintal, existe uma árvore de Acácia, pela qual o pequenino se sente atraído, fascinado. Essa questão do elemento árvore no centro da trama me lembrou muito o filme de Kiyoshi Kurosawa: Charisma. Kiyoshi aliás parece ser a grande influência desse diretor sul-coreano. Assim como o colega japonês, ele constrói suas atmosferas permeadas de cargas sobrenaturais, encenando suas histórias em ambientes realistas e cotidianos de maneira muito original e atingindo ótimos resultados.

Mesmo com o fascínio do menino com relação a árvore de Acácia, o cotidiano da família é normal e harmonioso. O ponto de tensão que começa a mudar tudo está na figura da avó que não aceita o menino adotivo e insiste que a filha tente ter um filho biológico. Então a mãe adotiva do menino acaba engravidando. Uma mistura de ciúmes e medo envolve o garoto que desmancha um tapete feito pela mãe e provoca um pequeno incêndio. Até esse momento tudo parece a encenação de um drama sobre aceitação e rejeição dentro de um ambiente familiar. Claro que as coisas começam a mudar, e para pior, senão esse filme não estaria sendo comentado por aqui no Boca do Inferno.

Acácia (2003) (1)

Em uma noite de tempestade, uma violenta discussão entre o menino e sua mãe adotiva tem um clímax perturbador quando o menino afirma que a árvore de Acácia é a reencarnação de sua mãe biológica. Em meio a tempestade, o menino desaparece. O mistério sobre o sumiço do garoto é o que move a história a partir desse momento de ruptura. Os pesadelos do pai com imagens de fetos ensanguentados passam a perturbá-lo com mais intensidade. O fato dessa personagem ser um médico obstetra colabora para criar em torno dele uma figura aos poucos assustadora. Em torno da árvore que floresce mortes passam a ocorrer testemunhadas por uma misteriosa amiguinha do menino desaparecido. Sim, como todo filme de horror asiático temos aqui mais uma menininha fantasmagórica que se diz vampira, fato que provoca horror no avô, que, ao tocar o coração da menina, parece não sentir pulsação alguma, comprovando que realmente ela poderia ser uma morta-viva, ao menos em seu breve momento de pavor.

Aos poucos os terríveis mistérios da trama vão se revelando para o espectador que está preso nessa trama perturbadora de belas imagens e com um ótimo trabalho de edição, que lentamente desvenda os horrores em torno do menino e da bela árvore de Acácia, elemento que parece onipresente do início ao fim do filme. As imagens uterinas que surgem são incríveis e carregadas de simbolismos metafísicos. A sequência do encontro do casal numa noite de tempestade, dentro da casa com fios vermelhos forrando a parede, é de uma composição primorosa: com uma tesoura, ela caminha em direção ao marido, numa janela ao fundo vemos a luz de um relâmpago. Esse tipo de composição sofisticada nos remete aos clássicos da fase de ouro do horror cinematográfico italiano.

A cena final de Acácia me deixou sem ar por alguns segundos…coisa de gênio mesmo. Muito subestimado esse filme merece uma revisão e um melhor reconhecimento do público. Ele foge muito do lugar comum de produções similares. A sensibilidade do diretor ao criar esse filme é muito intensa, muito forte, pontuando-o com grandes momentos. Sem a pirotecnia gore de outras produções asiáticas, Acácia é um filme com uma boa história, um roteiro muito bem trabalhado, com uma série de momentos climáticos em seu desfecho de estilizada violência.

Leia também:

2 Comentários

  1. Thi MarQs

    Quem não viu esse filme, não sabe o que está perdendo! Um MEGA FILMAÇO mesmo.
    Ainda bem que tenho em minha coleção de Filmes Asiáticos. Muito bom poder ler sobre ele aqui…

  2. Vinícius

    Esse filme parece ser muito bom, mas você poderia, se possível, falar mais um pouco do slasher “The Record” que citou ao longo da sua crítica? Adoro slasher movies e fiquei bastante curioso, ainda mais por ser asiático, o que me deixa ainda mais intrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *