Críticas

Mandroid (1993)

Repleto de situações absurdas e clichês, com o eterno conflito entre a ciência para o bem da humanidade e o vilão com intenções maléficas!

Mandroid (1993) (2)

Mandroid
Original:Mandroid
Ano:1993•País:EUA
Direção:Jack Ersgard
Roteiro:Earl Kenton, Jackson Barr
Produção:Oana Paunescu, Vlad Paunescu
Elenco:Brian Cousins, Jane Caldwell, Michael Della Femina, Robert Symonds, Curt Lowens, Patrik Ersgård, Ion Haiduc, Mircea Albulescu, Adrian Pintea

Existem centenas de filmes bagaceiros de ficção científica e horror, principalmente dos anos 50, 60 e 70 do século passado, cultuados justamente pela bizarrice de seus roteiros e pela produção tosca. Mas, as tranqueiras existem em todas as épocas e são lançadas o tempo todo, vindas de todos os lados do planeta. Mandroid é de 1993, e tem direção de Jack Ersgard e produção executiva de Charles Band, pela “Full Moon Pictures”. Ele que foi o criador da extinta “Empire”, empresa responsável por preciosidades como A Hora dos Mortos-Vivos (Re-Animator, 85) e Do Além (From Beyond, 86).

Uma dupla de “cientistas loucos”, Dr. Karl Zimmer (Robert Symonds) e Dr. Drago (Curt Lowens), está trabalhando secretamente na Europa oriental num projeto científico com a descoberta de um poderoso cristal chamado “Supercon”. Por causa da alta carga radioativa, esse produto tóxico somente pode ser manipulado por um robô humanóide, o “mandroid” do título, que é controlado à distância, inicialmente através dos movimentos de uma pessoa ligada à máquina por um complexo sistema de computador, e depois apenas através dos pensamentos de seu controlador. O Dr. Zimmer, juntamente com seu assistente Benjamin (Michael Della Femina) e sua bela filha Zanna (Jane Caldwell), quer oferecer a invenção com fins pacíficos para o governo americano, que através da CIA envia um agente negociador, Joe Smith (Patrik Ersgard, irmão do diretor), e um cientista, Wade Franklin (Brian Cousins), para conhecer melhor o projeto. Porém, o sócio Dr. Drago não concorda e quer oferecer o mandroid como arma de guerra, gerando um confronto de interesses entre eles e causando um acidente que desfigurou seu rosto. Ele foge e transforma-se num vilão que planeja roubar o mandroid com objetivos sinistros.

Mandroid (1993) (1)

Com locações na Romênia, para baratear os custos de produção, é uma tranqueira de ação com elementos de ficção científica, apresentando um robô similar ao Robocop (que já faz parte da cultura popular). Uma vez controlado à distância e altamente resistente, é o objeto de desejo de um “cientista louco” transtornado que quer vender a ideia para propósitos militares na construção de um exército invencível de androides. O filme está repleto de situações absurdas e clichês exaustivos, com o eterno conflito entre a ciência para o bem da humanidade e o vilão com intenções maléficas. E claro, não poderia faltar uma mulher lindíssima no meio da bagunça toda, sempre bem maquiada, mesmo nos momentos de tiroteios e perseguições.

Mandroid (1993) (3)

Teve uma continuação ainda no mesmo ano e pelo mesmo cineasta, Invisible: The Chronicles of Benjamin Knight. Curiosamente, Benjamin teve apenas uma pequena participação no primeiro filme, sofrendo um acidente que o tornou invisível, e ficando afastado da trama principal. Mas, acabou tornando-se a ponte para uma continuação, ganhando bem mais destaque.
(Spoiler): Outra curiosidade está no principal pôster adotado para a divulgação, que mostra o mandroid sendo controlado por um homem numa cadeira de rodas. Trata-se do cientista americano Wade, que recebe um tiro e fica paraplégico, porém isso somente acontece no desfecho do filme, tornando a escolha da ilustração do poster uma atitude equivocada, uma vez que o robô só é controlado pelo deficiente físico uma única vez e numa das últimas cenas do filme.

Leia também:

1 Comentário

  1. TTrash

    Hauahauah o cara vai conhecendo cada pérola esse dai junta num saco com roboman, shocking dark, e robowar como copias dos classicos originais kkkk muito bom toda essa trasheira bom trabalho boca vão catalogando o maximo possível para o publico conhecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *