Críticas

Eu Sempre Vou Saber o Que Vocês Fizeram no Verão Passado (2006)

Se há uma boa notícia nesta coisa toda é que Ben Willis certamente vai sumir por alguns verões!

Eu Sempre vou Saber (2006) (2)

Eu Sempre Vou Saber o Que Vocês Fizeram no Verão Passado
Original:I'll Always Know What You Did Last Summer
Ano:2006•País:EUA
Direção:Sylvain White
Roteiro:Michael D. Weiss
Produção:Erik Feig, Nancy Kirhoffer, Amanda Lewis, Neal H. Moritz
Elenco:Brooke Nevin, David Paetkau, Torrey DeVitto, Ben Easter, Seth Packard, K.C. Clyde, Michael Flynn

O que no início era só coincidência está se tornando uma tendência em Hollywood: depois da febre dos remakes agora parece que a ordem do dia é ressuscitar franquias adormecidas e em muitos casos abrindo novos ciclos para histórias fechadas, como é o caso de Lenda Urbana 3, Efeito Borboleta 2, O Homem Sem Sombra 2, entre outros.

A bem da verdade esta nova ordem está trazendo muita dor de cabeça para aqueles que simpatizaram com os filmes ou franquias originais, pois o resultado final na maioria das vezes é uma cópia inferior do que já foi feito, como é o caso desta terceira parte da franquia Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado, que comemorará 20 anos em 2017.

Eu Sempre vou Saber (2006) (1)

Eu Sempre Vou Saber…, além de ter um dos maiores e piores títulos da história do cinema, é um tremendo estorvo para quem conhece a história dos primeiros filmes, exatamente por ele se manter como um slasher-teen preguiçoso da geração Pânico, daqueles que ficaram presos na segunda metade dos anos 90, com o agravante de soar excessivamente pretensioso, esquecendo do principal fator para se fazer um filme interessante: a diversão.

Contudo para entender mais sobre como essa porcaria foi feita preciso lembrar um pouco da história desta produção: o encerramento da trilogia foi anunciado em 2000 e seria protagonizado pela trinca de atores sobreviventes que fizeram sucesso nas partes anteriores, ou seja, trariam Jennifer Love Hewitt, Brandy Norwood e Freddie Prinze Jr. novamente. No entanto, por algum motivo, este script foi deixado de lado por algum tempo até que foi inutilizado pelos produtores e “escrito” um completamente novo; o lançamento que era pretendido para os cinemas acabou direto para DVD. Dito isto, pergunto: se este filme não traz os envolvidos e não tinha ligação com a sequência de fatos dos filmes anteriores, por que fazê-lo? A resposta mais provável é para pegar os trouxas que aguardavam desde 2000 ou, como o meu caso, achavam que seria no mínimo respeitoso com o que já havia sido feito e foi satisfatório.

Eu Sempre vou Saber (2006) (3)

Na história desta terceira e (espero) última parte, quase 10 anos se passaram desde a lenda do pescador assassino que aterrorizou uma cidadezinha e sua sequência em uma ilha nas Bahamas. Assim o nome de Ben Willis é esquecido e alçado ao status de lenda urbana, ridicularizado como se fosse um “papai Noel para adolescentes levados“. Agora em uma cidade onde Judas perdeu a outra bota é mais dia 4 de Julho com o parque na cidade em comemoração ao Dia da Independência. Um grupo de amigos idiotas tem uma ideia igualmente estúpida: fazer uma brincadeira utilizando uma roupa de pescador e um gancho comprado no eBay que dizem fazer parte da verdadeira lenda (hahahaha!!).

Assim, a “brincadeira” consiste em fazer o filho do xerife Davis (Michael Flynn, Halloween 4), P.J. (Clayton Taylor), ser falsamente perseguido por um dos amigos, Roger (Seth Packard), fantasiado de Ben Willis. Desnecessário dizer que o negócio sai mal e P.J. cai fatalmente no cano de escape de um trator e Roger, junto com a roqueira esquisita Zoe (Torrey DeVitto), o recém-calouro Colby (David Paetkau de Premonição 2) e sua namorada pura e casta Amber (Brooke Nevin do seriado The 4400), fazem cara de bunda e decidem enterrar o segredo. (familiar não?)

Eu Sempre vou Saber (2006) (4)

Um ano se passa e Colby está de volta à cidade. Uma festa é promovida, mas Amber descobre as tendências “galináceas” do seu namorado, abrindo caminho para a aproximação do típico mocinho bonitão perdedor Lance (Ben Easter) e o policial Hafner (K.C. Clyde), que é aquele tipo “um-pouco-maluco-e-por-isso-muito-suspeito” que estamos acostumados a ver.

Então, ainda naquela noite, Amber recebe em seu celular 50 mensagens iguais com aquele texto velho conhecido: “Eu sei o que vocês fizeram no verão passado“. Isto é o suficiente para assustar a garota que procura sua amiga Zoe para investigar os amigos e saber quem fez aquela brincadeira de mau gosto. Mal sabem elas que o perigo é real e, com o dia 4 de julho chegando, serão atacados e continuarão com a ideia de jerico de permanecer na cidade. Novamente o assassino vai eliminando os manés com aquele artefato que já não mete medo em mais ninguém.

Eu Sempre vou Saber (2006) (5)

Até que chega o ponto da esperada reviravolta, a perseguição final que leva para o gancho (com trocadilho e tudo) e você pensa: “UADARRÉU??“… Verdade, de todas as soluções possíveis para fechar a história, o filme optou pela mais fraca e sem sentido possível, além de criar um monte de buracos no que você já havia assistido até aqui, mantendo o ar de clichê com frases de efeito e aquele “no final tudo dá certo, mas até quando?“. Só faltou mesmo um gato pulando do lixo para completar.

A sensação de deja vu que os espectadores podem ter não é à toa: com apenas alguns detalhes diferentes Eu Sempre Vou Saber.. poderia ser um remake do filme original, claro que com um elenco menos estrelado e com um orçamento reduzido, o que quase sempre é um péssimo sinal. Assim sendo, o roteirista Michael D. Weiss (o mesmo de brrrr…. Crocodilo, Octopus e Efeito Borboleta 2) é muito esperto (ou muito incompetente), visto que porque o roteiro nada mais é do que um “Ctrl+C e Ctrl+V“, e o diretor, Sylvain White, entrou na barca e entrega um pretensioso clipe de nu-metal de uma hora e meia de duração, sem nenhum suspense e sem nenhuma inspiração, com flashsbacks e cenas de sonhos de mais e sangue de menos.

Eu Sempre vou Saber (2006) (6)

Os planos de câmera ambíguos e cenas em câmera por vezes lenta e por vezes rápida (principalmente na primeira metade) repete tudo o que vem sendo feito de 1997 até aqui e lembram mais um filme sobrenatural como Premonição 3 do que um slasher. O excesso de cortes rápidos e flashs de luz tornam a experiência não recomendável para quem tiver epilepsia, isto sem falar nas cenas em primeira pessoa, quase sempre sustos falsos que não assustam.

Por elenco menos estrelado, neste caso em específico, deve-se entender como elenco ruim. Por exemplo, a atriz Brooke Nevin, que faz o que Jennifer Love Hewitt fez no primeiro filme, além de não ter o mesmo carisma (e o corpo) dela, é muito chorona, melodramática e você acaba não dando crédito às ações da personagem, assim como os demais na mesma escala.

Eu Sempre vou Saber (2006) (7)

Em suma, é um filme tedioso que até faria algum barulho há 10 anos (no tempo que eu era criança e me assustava com qualquer merda também) e que apenas emula Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado. Então se há uma boa notícia nesta coisa toda é que Ben Willis certamente vai sumir por alguns verões, pelo menos até anunciarem uma nova continuação ou remake oficial… Deus me livre…

Curiosidades:

Alessandra Toreson foi a primeira escolha para interpretar a personagem Zoe, mas Alessandra deixou o projeto que acabou ficando com Torrey DeVitto.

Eu Sempre vou Saber (2006) (8)

– O título escolhido inicialmente foi “The Hook” ou “O Gancho“, o que sinceramente seria muito mais fácil de falar.

– Rumores davam conta de que Jennifer Love Hewitt apareceria em uma ponta neste filme, mas como podem notar ela não quis.

Leia também:

Gabriel Paixão

Gabriel Paixão

Colaborador e fã de bagaceiras de gosto duvidoso. Um Floydiano de carteirinha que tem em casa estantes repletas de vinis riscados e VHS's embolorados. Contato: [email protected]

5 Comentários

  1. Mk

    Uma porcaria chata, com uma imagem granulada horrível e um final cretino!!Dar uma caveira pra esse filme é até caridade!

  2. Thi MarQs

    POOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOODREEEEEEEEEEEEEEEEEE…..

  3. Alexandre Prata

    “UADARRÉU??“…kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Todo o filme se resumi nessa interrogação, genial Gabriel….Abraço a td equipe, excelente site.

  4. Hierofante1970

    Podem esperar que ainda farão mai um filme dessa franquia com o título “Eu Contínuo Sabendo, Nunca Esquecerei e com Certeza irei Contar para Todos o que Vocês Fizeram no Verão Re-re-re-re-retrasado”… ufaaa.

  5. Murilo

    Quando eu era novinho e ia na videolocadora eu ficava olhando o DVD desse filme e ate q um dia meu tio levou pq eu indiquei. fiquei ansioso para que fosse uma continuação otima do clássico. mas, tomei um banho de agua fria. esse filme é totalmente sem noção e desonrou a franquia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *