Megan Is Missing (2011)

Megan is Missing (2011) (3)

Megan is Missing
Original:Megan is Missing
Ano:2011•País:EUA
Direção:Michael Goi
Roteiro:Michael Goi
Produção:Mark Gragnani
Elenco:Amber Perkins, Rachel Quinn, Dean Waite, Jael Elizabeth Steinmeyer, Kara Wang, Brittany Hingle, Carolina Sabate, April Stewart, John k Frazier

“Megan e Amy são melhores amigas. Elas dividem segredos, batem papo com caras na internet. E dentro de alguns dias, elas nunca mais serão vistas.”

Uma coisa que sempre me perturbou (embora felizmente nunca tenha passado por isso) é o desaparecimento. Dizem que a dúvida sobre o estado da pessoa perdida é pior do que a eventual certeza de sua morte. Não sei, mas o fato é que justamente por sua ambígua natureza, o desaparecimento de pessoas sempre foi um filão muito explorado na ficção em novelas televisivas, filmes e livros. Com o avanço assustador e global da internet, ficou claro que os perigos e os benefícios da realidade se estenderiam também no mundo virtual, afinal, apesar de parecer óbvio, quando você conhece alguém pela grande rede você nunca sabe quem de fato ela é… até conhecê-la pessoalmente, gerando, é claro, um grande risco associado ao potencial encontro. E é justamente a partir dessa ideia que parte o segundo longa de Michael Goi (que só havia assinado a direção anteriormente do obscuríssimo drama erótico Voyeur (1999)) e é mais conhecido pelos seus trabalhos como diretor de fotografia (do filme Almas Condenadas (2006) e das séries American Horror Story e My Name is Earl).

O longa, filmado usando a técnica do found footage, se constrói desde o início afirmando ser uma compilação de arquivos de vídeo pessoais (primeira parte do filme) e filmagens encontradas pela polícia (desfecho do filme), e conta a história das melhores amigas Megan (Rachel Quinn) e Amy (Amber Perkins), de 14 e 13 anos respectivamente. A primeira, garota popular, sem um círculo familiar sólido e precocemente envolvida com sexo e drogas. A segunda, tímida, excluída e com família bem estruturada. Um par aparentemente improvável, as duas vivem sua amizade justamente em função do apoio mútuo e daquilo que sobra em uma e falta na outra.

Megan is Missing (2011) (2)

Procurando estabelecer justamente a dinâmica entre as personagens, o filme passa dois terços de sua duração em seu desenvolvimento e só no final acompanhamos o destino das protagonistas. E, se esse modelo narrativo parece, a princípio, interessante e o uso do recurso das filmagens encontradas busca evocar algum realismo, a qualidade nas atuações vai de ruim a péssima, e esse aspecto em vários momentos joga o espectador para fora da trama, justamente o contrário do que seria pretendido. Com a intenção de soar como um “aviso” para as/os adolescentes que potencialmente estão mais sujeitos ao risco apresentado no filme, o diretor e roteirista Goi constrói várias situações inverossímeis que mais uma vez prejudicam o andamento do filme.

Além disso (o próximo parágrafo apresenta spoilers):

O diretor também toma a decisão duvidosa de gerar espaço no final do filme basicamente apenas para a personagem Amy, como se Megan não merecesse nossa atenção no sofrimento que passa, ou talvez para criar um artifício para que nos identifiquemos apenas com a amiga mais vulnerável, e como se a outra não importasse em nada dentro daquela narrativa. Também é extremamente incoerente a facilidade com que Amy se torna presa do maníaco virtual, tendo em vista que o desaparecimento de sua amiga deveria ter gerado monitoramento policial ou pelo menos maior vigilância de seus pais que já eram superprotetores. (fim dos spoilers)

Megan is Missing (2011) (1)

Com tudo isso, na intenção apaixonada de criar um filme com caráter de alerta, Michael Goi pisou na bola diversas vezes em aspectos técnicos e narrativos e criou apenas um produto pseudo-educativo com algumas cenas inquietantes. E é só! Com algumas mudanças, principalmente no elenco, o filme poderia se tornar referência no gênero. Talvez na próxima tentativa…

(Visited 803 times, 1 visits today)
Marcus Augusto Lamim

Marcus Augusto Lamim

Um seguidor fiel do cinema em todos seus formatos e gêneros, amante de rock e do gênero fantástico, roteirista amador e graduando em química.

5 comentários em “Megan Is Missing (2011)

  • 03/04/2018 em 11:02
    Permalink

    Eu entendo o fundamento do filme como preocupação com as coisas que acessamos na internet.
    Mas no final me senti como assistindo o filme “Grotesque”, violência gratuita que não leva a lugar nenhum. Não sabemos quem é o culpado e ele não é pego.

    Um gosto inevitavelmente amargo no fundo da garganta.

    Resposta
  • 17/11/2015 em 11:39
    Permalink

    Vei, eu gostei sim do filme, as atuações são criticadas, mas é só mais um fator que contribui mais ainda para o realismo da pelicula. Gostei sim do filme, dei 4 estrelas no filmow e n me arrependo disso. Se td filme baseado em fatos reais fosse tão realista assim seria muito melhor do que apenas usar a frase de efeito “Baseado em Fatos”.

    Resposta
  • 12/08/2015 em 00:36
    Permalink

    Discordo.
    Talvez existisse no filme uma necessidade de realmente não retratar Megan, mas sim a corrupção, desde o início, de uma personagem (Amy) idealizada em um ambiente tanto hostil como diferente apresentado pela web e por uma amiga de características totalmente opostas: popular socialmente e com uma família completamente desestruturada.
    O sofrimento de Megan é “importante”. Mas a narrativa não foca nele. Amy é uma personagem mais esférica e ganha mais desenvolvimento na trama: de garota exemplar para, em poucos dias, ser um corpo desaparecido dentro de um barril.

    Resposta
  • 01/08/2015 em 15:18
    Permalink

    Acho esse filme somente “Bom” e nada mais nada menos, possui muitos defeitos mas não muitos o que qualifique como péssimo!

    Resposta
    • 03/08/2015 em 21:34
      Permalink

      Concordo contigo MK o filme é bom!!!
      Assisti esse filme há uns 2 anos e achei ele interessante e obviamente o pôster do filme ja nos dá uma dica da qualidade (Vide até msm o tem: ” found footage”, algo ja tão desgastado). Quer ‘te-horror’ cult reflexivo e contemporâneo?? Assistam os do Von Trier.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien