Críticas

Destruam Toda a Terra (1968)

É até divertido com tanta cena bagaceira para todos os lados, mas também cansa bastante e torna-se um convite ao sono!

Destruam Toda a Terra (1968) (2)

Destruam Toda a Terra
Original:Gamera tai uchu kaijû Bairasu
Ano:1968•País:Japão
Direção:Noriaki Yuasa
Roteiro:Niisan Takahashi
Produção:Hidemasa Nagata
Elenco:Kôjirô Hongô, Tôru Takatsuka, Carl Craig, Michiko Yaegaki, Mari Atsumi, Junko Yashiro, Peter Williams, Kôji Fujiyama

Direção de Noriaki Yuasa. Uma nave alienígena hostil quer dominar e colonizar a Terra. Sua forma é um conjunto de esferas amarelas com listras pretas, e os invasores são criaturas com tentáculos disfarçadas de humanos. Uma dupla de jovens escoteiros, o japonês Masao Nakaya (Tôru Takatsuka) e seu amigo americano Jim Crane (Carl Craig), são especialistas em fazer trotes e brincadeiras, como o que fizeram com um pequeno submarino projetado pelo cientista Dr. Dobie (Peter Williams), cujos controles foram invertidos, e são sempre repreendidos pelo chefe dos escoteiros, Sr. Shimida (Kojiro Hongo). Porém, as crianças não imaginariam a encrenca em que iriam se meter quando são sequestradas pelos alienígenas, despertando a fúria do monstro protetor Gammera, uma tartaruga imensa que voa e solta fogo pela boca, que parte furiosa na salvação dos meninos. Na batalha, os alienígenas conseguem instalar um mecanismo de controle cerebral no monstro, obrigando-o a se voltar contra os humanos, destruindo uma represa e uma usina elétrica, ameaçando a segurança de Tóquio, a capital do Japão e a cidade preferida para os mais diversos monstros atacarem.

Destruam Toda a Terra (1968) (1)

Lançado em DVD pela Works num programa duplo com A Batalha dos Monstros (1969), temos novamente outro filme com Gammera, tão ruim quanto os demais, com efeitos especiais paupérrimos e uma história básica cheia de furos e muito similar ao filme seguinte da série, demonstrando a falta de criatividade dos roteiristas, fazendo com que os filmes de monstros japoneses se pareçam demais uns com os outros. Dessa vez, em Destruam Toda a Terra, para preencher a duração de cerca de uma hora e meia, os realizadores optaram por inserir várias cenas de cansativas lutas entre Gammera e monstros rivais, retiradas de outros filmes. E não faltam mais outras novas sequências toscas também como uma em especial mostrando Gammera literalmente surfando sobre um monstro inimigo, formado pela união de vários alienígenas com tentáculos, que se juntaram numa única criatura enorme para combater a tartaruga voadora.

De uma forma geral, o filme é até divertido com tanta cena bagaceira para todos os lados, mas dependendo da situação, também cansa bastante e torna-se um convite ao sono.

Leia também:

1 Comentário

  1. anselmo luiz

    Este filme da tartaruga guerreira Gamera é o fraco as partes legais e quando são exibidos os flashback’s de Gamera lutando contra outros monstros nos dois ultimos filmes ,Barugon (1966) e Gyaos em (1967 ) foi dublado pela extinta A.I.C – São Paulo e foi exibido muitas vezes nos anos 70 e 80 pela TV Record,sua ultima exibição na TV Aberta foi no ” Cinema 11 ” na TV Gazeta em 1988 ,depois disso sumiu,com tudo de bom sumiu na TV .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *