Críticas

A Deusa da Cidade Perdida (1965)

Uma aventura fantástica de exploração da Hammer, com Peter Cushing e Christopher Lee, além da estonteante Ursula Andress!

A Deusa da Cidade Perdida (1965) (3)

A Deusa da Cidade Perdida
Original:She
Ano:1965•País:UK
Direção:Robert Day
Roteiro:David T. Chantler, H. Rider Haggard
Produção:Michael Carreras
Elenco:Ursula Andress, Peter Cushing, Bernard Cribbins, John Richardson, Rosenda Monteros, Christopher Lee, André Morell, Princess Soraya, Julie Mendez, Lisa Peake, John Maxim

A produtora inglesa “Hammer” é normalmente lembrada por seus filmes de horror gótico, mas também fazem parte de seu catálogo histórias de aventura com elementos de fantasia, como A Deusa da Cidade Perdida (1965), com direção de Robert Day e roteiro de David T. Chantler, baseado em livro de H. Rider Haggard. E no elenco ainda temos a dupla Peter Cushing e Christopher Lee, e eles atuam ao lado da estonteante atriz suiça Ursula Andress, a “deusa” do título nacional.

Na Palestina de 1918, um arqueólogo a serviço do exército inglês, Major Horace L. Holly (Peter Cushing), juntamente com seu fiel mordomo Job (Bernard Cribbins) e o jovem amigo aventureiro Leo Vincey (John Richardson), tentam descansar num bar dançante, bebendo, conversando e se divertindo com as belas mulheres locais. Porém, a incrível semelhança física de Leo com uma imagem num medalhão antigo desperta uma atenção especial e ele recebe um anel precioso e um mapa para localizar a misteriosa cidade faraônica de Kuma, perdida no vasto deserto em direção à África. Os três amigos montam uma pequena expedição com a esperança de encontrar a cidade e possíveis tesouros.

A Deusa da Cidade Perdida (1965) (1)

Kuma é governada com tirania por uma linda e sobrenatural mulher chamada Ayesha (Ursula Andress), que tem o poder de imortalidade, e que conta com o apoio do sumo sacerdote Billali (Christopher Lee) para manter a ordem e obediência com os escravos. Ela acha que Leo pode ser a reincarnação de seu amado companheiro de séculos atrás, oferecendo-lhe a oportunidade de vida eterna com poder e riquezas.

O filme é uma típica aventura com fantasia, daquelas que eram exibidas com frequência na saudosa “Sessão da Tarde” da TV Globo. O tema de “cidade perdida” costuma despertar a curiosidade, instigando a imaginação sobre as lendas de civilizações escondidas. Peter Cushing, como sempre, lidera o elenco com seu talento característico, e Christopher Lee aparece menos, ficando com um papel secundário, mas sua presença sempre é motivo de interesse. E tem a beleza de Ursula Andress, no auge da carreira na época, após atuar com Sean Connery no filme do agente secreto 007 em O Satânico Dr. No (1962).

A Deusa da Cidade Perdida (1965) (2)

O escritor Henry Rider Haggard é conhecido por suas histórias de aventuras que inspiraram muitos filmes como As Minas do Rei Salomão (1985) e Allan Quatermain e a Cidade do Ouro Perdido (1986), ambos com Richard Chamberlain, além de She, que recebeu inúmeras outras versões no cinema.

A Deusa da Cidade Perdida teve uma sequência em 1968, A Vingança da Deusa (The Vengeance of She), também com produção da “Hammer”.

Leia também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *