O Enigma de Outro Mundo (1982)

O Enigma de Outro Mundo (1982) (5)

O Enigma de Outro Mundo
Original:The Thing
Ano:1982•País:EUA
Direção:John Carpenter
Roteiro:Bill Lancaster
Produção:David Foster, Lawrence Turman
Elenco:Kurt Russell, Keith David, Wilford Brimley, Donald Moffat, T. K. Carter, Richard Masur, David Clennon, Charles Hallahan, Richard Dysart, Peter Maloney, Joel Polis, Thomas G. Waites, Norbert Weisser, Larry J. Franco

Pode parecer estranho hoje que um reconhecido clássico de gênero como O Enigma do Outro Mundo possa um dia ter sido um fracasso. Mas é verdade. Lançado em 1982, o oitavo longa do mestre João Carpinteiro fracassou de cara nas bilheterias, em parte devido à estreia na mesma semana de outro clássico da ficção científica, Blade Runner – O Caçador de Androides, e em parte devido ao megassucesso de E.T. – O Extraterrestre, que mostrava alienígenas sob um ponto de vista bem mais otimista e amigável do que o longa de Carpenter, e que acabou arrebanhando o público familiar para os cinemas. Não só público mas também a crítica da época sentou a lenha no filme, que só ganhou o merecido reconhecimento após o lançamento em home vídeo e exibições na TV. Opiniões à parte, é inegável a influência desse trabalho em inúmeros outros exemplares de sci-fi horror, desde a construção lenta e gradual do suspense até a trilha sonora enervante e aos efeitos de maquiagem práticos usados aqui sem a menor parcimônia.

O Enigma de Outro Mundo (1982) (1)

Podendo ser considerado ao mesmo tempo um remake de O Monstro do Ártico (1951) e uma readaptação do conto Who Goes There? (1938) de John W. Campbell, o roteiro de Bill Lancaster acompanha uma estação americana de pesquisa na Antártida que se vê ameaçada por uma estranha espécie parasita alienígena que assimila organismos vivos e os imita, criando uma cópia exata daquele, assim gerando uma atmosfera paranoica de quem é realmente humano entre aqueles homens.

O Enigma de Outro Mundo (1982) (2)

Enigma se caracteriza quase como um exercício de gênero, e se sai naturalmente muito bem nesse sentido com a direção segura de John Carpenter. Não há preocupação em desenvolver a maior parte de seus personagens, já que vemos desde o início da trama MacReady (Russell) assumindo o destaque exclusivo da história, quando na primeira sequência é visto isolado do restante de sua equipe, e percebemos seu comportamento impulsivo, mas também de liderança, já que basicamente nenhum dos outros homens questiona suas ações ou suas ordens. Assim, a deficiência na caracterização daquelas pessoas não geraria no espectador a tão conhecida identificação, no entanto, não é o que ocorre, já que o roteiro acaba apostando bem na construção de paranoia e medo, conferindo curiosamente a cada personagem a mesma importância em dado momento do filme, já que qualquer um pode ser a coisa.

O Enigma de Outro Mundo (1982) (3)

Além disso, Carpenter deita e rola com a maquiagem prática criada por Rob Bottin com colaboração da lenda Stan Winston, que confere ao longa um caráter grotesco, mas que nunca soa gratuito, aliando desespero e morbidez ao suspense instalado. Uma aposta corajosa que deu certo, se considerarmos que na maioria das vezes a construção do suspense, em se tratando de filmes com criaturas, consiste muito mais em esconder do que mostrar. A ambientação de isolamento é construída lenta e gradualmente, como em Alien – O Oitavo Passageiro, tendo como auxiliar principal a trilha quase onipresente de Ennio Morricone.

O Enigma de Outro Mundo (1982) (4)

Independentemente de o longa funcionar ou não como alegoria, como aqueles que citam o filme no contexto da Guerra Fria, o fato é que O Enigma do Outro Mundo funciona em vários níveis, do horror repulsivo ao thriller psicológico, algo cada vez mais raro no cinema de gênero atual.

(Visited 533 times, 1 visits today)
Marcus Augusto Lamim

Marcus Augusto Lamim

Um seguidor fiel do cinema em todos seus formatos e gêneros, amante de rock e do gênero fantástico, roteirista amador e graduando em química.

21 comentários em “O Enigma de Outro Mundo (1982)

  • 16/05/2018 em 15:41
    Permalink

    Um clássico que está para a ficção científica como outro clássico, Um Lobisomem Americano em Londres, está para o terror de ficção. A ideia do filme é inovadora até ainda nos nossos dias, porque sabemos que no Universo microrganismos são a forma de vida mais possíveis de serem encontrados e temos aqui um ser cujas células agem individualmente porém se unem formando um todo, o que é extraordinariamente assustador!!! A mutação do ser que assimila e copia o hospedeiro é sensacional, porque se cria o clima de não se saber quem é a Coisa, ao contrário de filmes como Alien, O Oitavo Passageiro, onde o alien é claramente reconhecível, e os hospedeiros não atacam humanos, ao contrario da Coisa deste filme!!! A prequel Enigma do Outro Mundo 2011 é razoável ao que lhe foi confiado fazer, que é mostrar o que aconteceu na base norueguesa antes da Coisa em forma de cachorro ir parar na base norte-americana!!1 Injusto não ter tido reconhecimento ao menos como filme de terror, já que seus concorrentes de lançamento naquele ano de 1982 eram de vertentes diferentes do ramo da ficção científica!!!! Este filme merece muitos Oscars para se corrigir tamanha injustiça da indústria cinematográfica!!!!!

    Resposta
  • Pingback:Uma Antártida misteriosa? – Canal Geo.Doc

  • 20/04/2018 em 16:55
    Permalink

    Adaptação do conto de John W. Campbell Jr, “Who goes there”.
    O pesadelo da minha juventude!
    Passei muito tempo sem querer ver de novo, devido ao mal-estar que causava, mas é terror nota 10.
    Boa sacada o filme de 2011 que aparece como um “prequel” dessa história.

    Resposta
  • 22/02/2018 em 23:45
    Permalink

    ótimo filme! os efeitos especiais deixam os dos filmes atuais no chinelo!

    Resposta
  • 06/06/2017 em 10:26
    Permalink

    Assisti ontem e MEU DEUS DO CÉU, que filme incrível. Tem uma ou duas cenas que eu senti a narrativa lenta demais (talvez influenciado pelos filmes de hoje, em que sempre tem coisa acontecendo), mas o resto compensa e compensa muito. A cena da aranha e do teste sanguíneo eu jamais vou esquecer. Recomendadíssimo.

    Resposta
  • 05/06/2017 em 18:27
    Permalink

    Peidei de medo a noite toda quando vi esse filme a primeira vez…

    Resposta
  • 19/05/2017 em 13:19
    Permalink

    Um dos primeiros filmes de terror q assisti na infância. Clássico, um dos meus preferidos até hoje. Teve um remake muito fraco há uns anos atrás.

    Resposta
    • 24/02/2018 em 11:14
      Permalink

      Desculpa…mas o remake não foi fraco não, aliás não foi um remake, pois o filme de 2011 relata momentos antes do filme de 82.
      Eu assisti o de 2011 com olhar crítico, e aprovei.

      Resposta
  • 23/01/2017 em 01:33
    Permalink

    Grande clássico não se fazem mais pérolas desse tipo infelizmente

    Resposta
  • 17/01/2017 em 06:01
    Permalink

    Clássico por sorte!! Se dependesse da Set Cinema e Vídeo, tudo que era do John Carpenter seria jogado no lixo!!!! Kkkk ela metia o malho nesses filmes!!!

    Resposta
  • 16/01/2017 em 23:44
    Permalink

    Assisti umas 3 vezes o filme.
    É muito bom, os efeitos das variadas formas da criatura são fantásticas. E causam mais medo do que se tivessem sido feitas com CG.
    Muita tensão e o horror científico.
    Recomendadíssimo.

    Resposta
  • 10/08/2016 em 14:51
    Permalink

    Figura no meu top 5 de melhores filmes!

    Resposta
  • 12/02/2016 em 15:17
    Permalink

    Simplesmente temos aqui um filmão, clássico absoluto da ficção cientifica e terror, quem ainda não viu esse tem que vê-lo, ele é obrigatório em qualquer boa coleção de filmes e eu tenho o meu.

    Resposta
  • 06/02/2016 em 15:40
    Permalink

    John Carpenter só tem meu respeito por pertencer ao meu gênero preferido: terror. Mas nunca assisti nenhuma obra prima ou filme inesquecível seu, diferente dos monstros Ridley Scott e Spielberg.

    Resposta
    • 20/02/2016 em 19:13
      Permalink

      Pois reveja suas considerações. Este e Halloween são considerados pela crítica especializada como clássicos dentro de suas respectivas categorias. E apesar de adorar os diretores citados por você, acho que Carpenter não deve nada à eles.

      Resposta
  • 29/01/2016 em 21:30
    Permalink

    Um dos melhores filmes de John Carpenter.
    É também a adaptação não-oficial de “Nas Montanhas da Loucura”, de H.P. Lovecraft.

    Resposta
  • 24/01/2016 em 00:10
    Permalink

    Simplesmente um dos meus favoritos! Quando vi esse filme em meados dos anos 80 fiquei dias com aquelas imagens bizarras na cabeça! Obra prima do sci-fi.

    Resposta
  • 23/01/2016 em 18:44
    Permalink

    Um dos meus filmes favoritos, e que alçou John Carpenter a condição de meu cineasta favorito! Perdi a conta de quantas vezes já o assisti … mereceia um edição especial em Blu Ray aqui no Brasil ….

    Resposta
  • 23/01/2016 em 10:20
    Permalink

    Adaptação não-oficial de Nas Montanhas da Loucura, de H.P. Lovecraft.
    Excelente filme.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien