O Sexto Sentido (1999)

O Sexto Sentido (1999) (2)

O Sexto Sentido
Original:The Sixth Sense
Ano:1999•País:EUA
Direção:M. Night Shyamalan
Roteiro:M. Night Shyamalan
Produção:Kathleen Kennedy, Frank Marshall, Barry Mendel
Elenco:Bruce Willis, Haley Joel Osment, Toni Collette, Olivia Williams, Trevor Morgan, Donnie Wahlberg, Peter Anthony Tambakis, Jeffrey Zubernis

A esta altura todos já sabem como termina. E ainda continua surpreendente imaginar os rumos da carreira do cineasta indiano a partir de seu sucesso absoluto, lançado em 1999, numa briga particular, na época, com A Bruxa de Blair. Shyamalan engataria um trabalho a cada dois anos, com sua inspiração assumida em Hitchcock incomodando críticos na mesma proporção que atraía adjetivos elogiosos de seus seguidores. O Sexto Sentido foi além de um horror psicológico eficiente, mas serviu como motor propulsor da carreira do cineasta e levou o gênero para o Oscar com seis indicações.

O sexto sentido, na verdade, era uma qualidade de David Vogel, o então presidente da The Walt Disney Studios. Depois que Shyamalan havia mostrado um pouco de seu talento com duas comédias, sendo que a última com distribuição da Miramax, Vogel decidiu ler um novo roteiro, colocado em sua mesa, na íntegra e se apaixonou pelo seu conteúdo. Se não conseguia os direitos financeiros para seu lançamento, até mesmo porque a Disney ainda possuía certas restrições quanto ao material lançado, ele comprou os direitos do texto e vendeu para a Spyglass Entertainment, com cláusulas no contrato sobre o box office. Ele já previa o sucesso de uma produção que custara aproximadamente U$40 milhões, e conquistaria só nos EUA quase U$300 milhões, apontando aquele diretor sem muita experiência como um vulcão dourado em erupção.

O Sexto Sentido (1999) (1)

Entretanto, o sucesso não foi por acaso. O Sexto Sentido é realmente um filmaço, e continua com força em seu conteúdo numa releitura quinze anos depois. Engana-se que o tacha como apenas um filme de fantasmas, o que é uma visão rasa de um trabalho bem moldado sobre o fim de um relacionamento, a difícil aceitação de uma separação, quando cada eixo evita enxergar o outro. Aliás, todo trabalho do diretor possibilita uma análise profunda sobre fases da vida escondidas em metáforas sobrenaturais. Só para exemplificar, Corpo Fechado pode ser visto apenas como o surgimento de um herói e consequentemente um vilão, mas também traz uma leitura sobre o divórcio através dos opostos; Sinais é um filme sobre invasão alienígena maquiando a perda da fé diante da morte de um ente querido; e até o criticado Fim dos Tempos traz um cataclisma e um pré-apocalipse para mostrar que os Homens, ao destruir a Natureza, andam para trás na evolução, cometendo suicídios lentamente…

O longa começa com a chegada do Dr. Malcolm Crowe (Bruce Willis), um psiquiatra infantil, em casa com a esposa após um evento de comemoração de um prêmio de honra ao mérito. Levemente embriagados, sua esposa Anna (Olivia Williams) já deixa claro o quanto ele anda afastado de casa por conta do trabalho – a ponta de um iceberg de qualquer relacionamento. Ao notar a casa invadida, ele pede que a esposa chame a polícia, enquanto conversa no banheiro com um ex-paciente, Vincent Grey (Donnie Wahlberg), que o acusa de ter destruído sua vida, no momento em que ele mais precisava de ajuda. “Ninguém deve sentir medo sozinho.“, o rapaz perturbado diz antes de atirar em Crowe e se suicidar.

O Sexto Sentido (1999) (3)

No outono seguinte, Dr. Crowe está às voltas com um novo paciente, um garoto de nove anos chamado Cole Sear (Haley Joel Osment), com sintomas similares ao de Vincent Grey: problemas de socialização e protagonismo, além de um sofrimento pessoal envolvendo possíveis alucinações. O garoto vive com a mãe, Lynn (Toni Collette), que não lhe dá a atenção necessária por consequência de uma perda traumática. Ao conviver com o pequeno, aos poucos, Dr. Crowe descobre mais sobre sua condição até conseguir a confiança necessária para o famoso desabafo na cama: “Eu vejo pessoas mortas.

Por conta desse segredo trazido à tona apenas no segundo ato, até lá, não há visões assustadoras ou assombrações. O espectador acompanha os fatos na percepção do médico antecipando essa revelação, numa narrativa lenta e cadenciada, quando o incômodo do garoto se torna evidente e é transmitido para o público, sem poupá-lo dos calafrios. A partir daí, o até então drama psicológico é envolto por elementos sobrenaturais com a presença de fantasmas perturbados em busca de ajuda. Há os enforcados da escola, o que sabe onde a arma está escondida e a menina que baba – exposições sempre assustadoras, acompanhadas da trilha sonora acertada e os posicionamentos de câmera inteligentes e bem escolhidos.

O Sexto Sentido (1999) (4)

Torna-se impossível não se envolver com o drama do pequeno Cole. Ora, quem teria coragem de se aproximar dessas entidades em estado de sofrimento absoluto para tentar ouví-las e fazê-las entender sua nova condição? Dentre as regras observadas pelo menino duas são fundamentais, mas que facilitam para o público prever a surpresa final: 1) um fantasma não enxerga o outro; 2) muitos não sabem que estão mortos. Mesmo com essa antecipação dessa surpresa, Shyamalan age consciente na apresentação das peças que conduzirão ao clímax como a cor vermelha mostrada somente nos momentos certos, deixando a revelação final apenas como a cereja de um bolo degustado e apreciado lentamente.

(Visited 83 times, 2 visits today)
Marcelo Milici

Marcelo Milici

Fundou o Boca do Inferno em 2001. Formado em Letras, fez sua monografia sobre o Horror Gótico na Literatura. É autor do livro "Medo de Palhaço", além de ter participado de várias antologias de horror!

Um comentário em “O Sexto Sentido (1999)

  • 16/01/2017 em 00:26
    Permalink

    Excelente filme.

    Um dos melhores filmes do diretor Night Shyamalan. A história é incrível, atuações impecáveis e o final é surpreendente.

    Um filme perturbador e aterrorizante.

    5 caveiras!!!!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien