Críticas

Espantalho Assassino (2013)

São correrias, perseguições e um desfile de futilidades que não agregam na tentativa dos realizadores de despertar a atenção do espectador.

Espantalho Assassino (2013) (3)

Espantalho Assassino
Original:Scarecrow
Ano:2013•País:EUA, Canadá
Direção:Sheldon Wilson
Roteiro:Rick Suvalle
Produção:Jamie Goehring
Elenco:Lacey Chabert, Robin Dunne, Nicole Muñoz, Brittney Wilson, Carlo Marks, Reilly Dolman, Iain Belcher, Richard Harmon, Julia Maxwell

Mais um representante do cinema fantástico bagaceiro do início do século XXI, Espantalho Assassino é uma produção em parceria entre Canadá e Estados Unidos, feita para a televisão, e exibida regularmente no canal “SyFy”. A direção é de Sheldon Wilson, que tem o interessante Terra Rasa (Shallow Ground, 2004) no currículo.

O professor Aaron Harris (Robin Dunne) reúne um grupo de estudantes para cumprir uma tarefa punitiva, visitando uma antiga fazenda abandonada para recolher os restos de um espantalho num campo de milho, o qual seria reaproveitado para a realização de um tradicional festival de espantalhos numa pequena cidade. A fazenda é de propriedade da família de Kristen (Lacey Chabert), ex-namorada do professor, e é conhecida por histórias de assombração com uma lenda de um espantalho sobrenatural que se alimenta do sangue de suas vítimas. Quando o grupo de estudantes chega ao local, logo descobre que o horror é real e eles precisam lutar por suas vidas contra os ataques violentos de uma entidade maligna que habita as plantações.

Espantalho Assassino (2013) (1)

A ideia básica do filme é um imenso clichê, pois os espantalhos já foram excessivamente explorados pelo cinema de horror, devido suas características típicas de criaturas assustadoras. Eles são confeccionados justamente com esse objetivo, impedir que animais, principalmente pássaros, destruam plantações nas fazendas. E no caso específico desse Espantalho Assassino, que apresenta um monstro não humano sedento de sangue, não há novidades, apenas mais do mesmo, numa história forçada e claramente manipulada para facilitar o trabalho preguiçoso do roteirista Rick Suvalle. O grupo de estudantes patéticos existe apenas e exclusivamente para servir de alimento para o espantalho sobrenatural.

São correrias, gritarias, perseguições e um desfile de futilidades que não agregam na tentativa dos realizadores de despertar a atenção do espectador. Além do uso exagerado de CGI vagabundo na concepção da criatura, tornando-a artificial demais e eliminando qualquer eventual carga dramática que existiria se fosse um espantalho interpretado por um ator de carne e osso fantasiado.

Espantalho Assassino (2013) (2)

Talvez as únicas coisas que possam se salvar e até divertir um pouco os menos exigentes sejam as várias cenas sangrentas com mortes violentas repletas de feridas e escoriações profundas, com razoáveis doses de sangue escorrido. No mais, é apenas outro filme convencional dentro do tema e condenado ao esquecimento. Um filme com espantalhos assassinos que é bem mais interessante e recomendado é A Maldição dos Espantalhos (Scarecrows, 1988), que também é conhecido por aqui como Espantalhos, lançado em VHS, numa saudosa época sem a artificialidade da computação gráfica.

Leia também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *