Críticas

A Casa dos Horrores Mortais (1974)

Filme para a TV que soube aterrorizar muitos pequenos espectadores nas décadas passadas!

a-casa-dos-horrores-mortais-1974-3

A Casa dos Horrores Mortais
Original:The Strange and Deadly Occurrence
Ano:1974•País:EUA
Direção:John Llewellyn Moxey
Roteiro:Sandor Stern, Lane Slate
Produção:Sandor Stern
Elenco:Robert Stack, Vera Miles, L.Q. Jones, Herb Edelman, Phil Chambers, Bill McKinney

Na boa e pré-histórica época das fitas de VHS, filmes como A Casa dos Horrores Mortais não apareciam entre as primeiras opções a serem alugadas. Apesar do título atraente, a capinha da VideoBan não trazia nada que pudesse convidar o público a uma conferida. Sem monstros, esqueletos assustadores ou fantasmas – ora eu era um moleque nos anos 80 -, a sinopse já indicava que poderia ser apenas mais uma produção de suspense, carregada nos mistérios envolvendo uma casa sinistra. Mas, depois que você aluga todas as opções das prateleiras – e até leva novamente os mesmos filmes, a contragosto de seus pais -, chega a um momento que você resolve dar uma chance ao menos atrativo, colocando-o nos sacos de tijolos alugados para uma verificada com a família no fim de semana.

A Casa dos Horrores Mortais cumpre as expectativas que me faziam evitar levá-lo para casa, mas ainda assim foi capaz de perturbar o sono do agora editor do Boca do Inferno. Revendo nos dias atuais, um vórtex de lembranças surge diante dos olhos, embora o tempo e o avanço da idade do espectador acabe revelando suas falhas. O enredo, apesar de batido atualmente, era até uma novidade em 1974 quando o filme foi lançado. Se levar em consideração tudo o que veio depois desse filme, a impressão é que A Casa dos Horrores Mortais é um rascunho do estilo que seria desenvolvido com maestria na década seguinte.

a-casa-dos-horrores-mortais-1974-1

A família Rhodes acaba de se mudar para uma nova residência, no interior. Um casarão rural com direito a cavalos, piscina, sauna e diversos cômodos. Depois de seis meses de tranquilidade, sem graves ocorrências para o pai Michael (Robert Stack, que foi Eliot Ness na clássica série Os Intocáveis), a esposa Christine (Vera Miles, a Lila, de Psicose, 1960) e a filha adolescente Melissa (Margaret Willock, da série Fay), alguns estranhos blecautes começam a incomodá-los. São seguidos pelo agito dos cavalos, pela aparição de roedores pelos cômodos, barulhos externos e pesadelos vívidos. Em uma noite, ela acorda gritando com a sensação de que alguém a tocou; e outra, ela é “atacada” pelo manequim que usa para medir vestidos.

A garota relembra dois casos que fazem parte das histórias da casa: o local pertenceu a uma missão espanhola que teria tido um fim trágico, com a morte em um incêndio proposital de todos os ocupantes; e um antigo morador da residência, um reverendo, foi encontrado morto na piscina, com suspeita de suicídio. Apesar das possibilidades de o ambiente ser assombrado, um novo personagem surge para confundir a família. Dr. David Gillgreen (Ted Gehring, de O Último dos Valentões, 1975) aparece de vez em quando para oferecer uma boa grana para comprar a casa, mesmo sem verificar as condições do local. Será que a morada dos Rhodes é assombrada ou o doutor anda aprontando nas madrugadas para que a família decida vendê-la? Mesmo com a tranquilidade do xerife Berlinger (L.Q. Jones, de Meu Ódio será sua Herança, 1969) nas investigações rasas, a família está disposta a enfrentar os problemas sem arredar o pé, independente do cachorro aparecer morto e até do próprio Gillgreen!

a-casa-dos-horrores-mortais-1974-2

Curto (78 minutos) e lento em sua narrativa de mistério, A Casa dos Horrores Mortais com certeza iria decepcionar o público atual, acostumado com o ritmo da câmera acelerada, dos efeitos digitais e dos romances vazios. Não tem personagens carismáticos, violência ou sangue em profusão. E a câmera de John Llewellyn Moxey (de outros filmes para a TV como Pânico e Morte na Cidade e Férias Mortais, ambos de 72) trabalha os closes e a expressão de espanto do elenco, em um recurso comum do período, revelando o orçamento reduzido na fotografia escura e discreta de Jack Woolf (Abelhas Assassinas, 1974).

Se existe um bom motivo para uma conferida, o enredo de A Casa dos Horrores Mortais foi escrito por Lane Slate (de O Carro – A Máquina do Diabo, 1977) e principalmente Sandor Stern. Este depois seria o responsável por Terror em Amityville (na época, lançado como A Cidade do Horror), de 1979, e comandou e roteirizou a parte 4, A Fuga do Mal, mostrando que ele tem uma certa experiência em apresentar casas malditas. Não é um filmaço, nem teve a intenção de se tornar um clássico do horror, mas é uma boa produção curiosa e que soube aterrorizar muitos pequenos espectadores nas décadas passadas.

Leia também:

2 Comentários

  1. Luís Filho

    Gostaria de encontrar um filme que assisti na televisão (não lembro o canal, penso que foi no SBT) no início da década de 90, eu não sei todos os detalhes, mas a trama envolvia um grupo de pessoas (uma gestante entre eles) que ia investigar uma mansão numa ilha bem sinistra, e a cena que ficou na minha cabeça (e que não me deixou dormir o resto do ano após o filme) foi o ataque contra a mulher grávida que teve seu feto arrancando e devorado por uma bruxa.

    • Alex

      amigo, pela sua descriçaõ creio que o filme possa ser um destes: Bruxa – Encontros Diabólicos (com a linda blair, ela é um gravida no filme, e eles estao em uma mansao com uma bruxa) ou o classico italiano Antropophagus (com a tissa farrow, irma da mia farrow, mas nesse n ha uma bruxa, e sim um canibal que come o feto da barriga da mulher).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *