Críticas

3 A.M. (2012)

Três histórias assustadoras que acontecem no horário das 3 da madrugada. O resultado não é dos mais assustadores, mas consegue entreter.

3 A.M.
Original:3 A.M. 3D
Ano:2012•País:Tailândia
Direção:Isara Nadee, Kirati Nakintanon e Patchanon Thammajira
Roteiro:Sukkosin Akkarapath, Manachaya Panitsarn, Nattapot Potchumnean , Kirati Rarikrak , Bob Siriwong e Wuthichai Wongnophadoon
Produção:Kiattikul Iamphungporn, Sirawat Nakintanon, Vichien Nakintanon
Elenco:Apinya Sakuljaroensuk, Focus Jirakul, Shahkrit Yamnarm e Vasana Chalakorn

O cinema de terror tailandês já é um velho conhecido dos fãs do gênero. Títulos como Bankok Haunted, de 2001; The Eye – A Herança, de 2002; Espíritos – A Morte Está ao seu Lado, de 2004; Re-cycle, de 2006; entre outros, deixaram muito marmanjo com medo de dormir com a luz apagada. Parte do sucesso do cinema de terror tailandês se sustenta nos roteiros bem construídos que flertam com temas sobrenaturais e questões culturais do próprio país que trata com bastante seriedade a questão espiritual.

Outro tipo de filme que deixa os fãs do gênero felizes é o que traz pequenas histórias costuradas por uma temática principal. A Casa que Pingava Sangue, de 1970; A Maldição dos Gatos, de 1977; Creepshow, de 1982; Pesadelos Diabólicos, de 1983; As Profecias do Dr. Terror, de 1987; Contos da Escuridão, de 1990; entre outros, podem até não possuírem as histórias mais assustadoras do mundo, mas funcionam como entretenimento dentro do gênero e se não assustam, ao menos divertem o público.

Para este texto, vamos falar de um filme que possui ambas as características dos dois primeiros parágrafos deste texto. É um filme de terror da Tailândia e é formado por três histórias, cada uma com cerca de 30 minutos. A obra em questão tem o título de 3 AM. Em tradução direta para o português, 3 da madrugada. A direção é assinada pelo trio Isara Nadee, Kirati Nakintanon e Patchanon Thammajira. Apesar de não ser o trabalho mais assustador vinda da Tailândia, ao menos serve como um filme divertido e de certa forma diferente.

O primeiro segmento acompanha duas irmãs que são proprietárias em uma loja de perucas. Uma das irmãs é bastante responsável enquanto a outra quer apenas se divertir com os amigos. Aparentemente as duas desconhecem a origem dos cabelos que alguns clientes vendem para elas. Tudo segue dentro da normalidade até que um espírito decide se vingar pelo modo como os vivos tratam o cabelo dela.

A segunda história acompanha um funcionário de uma firma de velórios que acaba se envolvendo com a triste história de uma moça que teria sido morta pelo noivo. Tomado por um forte sentimento, o rapaz acaba por se envolver afetivamente com a defunta. Tudo segue dentro da normalidade, mas existe um segredo em torno da morta.

A última trama acompanha a rotina nada saudável de um grupo de funcionários de uma empresa que decidem pregar sustos com temáticas sobrenaturais uns nos outros em plena madrugada. Tudo vai bem até que um grave acidente acontece com um deles e os demais precisam lidar com a culpa. O ponto semelhante entre as três histórias, além da presença de espíritos, é o fato das ações se passarem às 3 da madrugada. De acordo com os personagens, trata-se do horário no qual os fantasmas ficam mais ativos e aptos a se aproximarem dos vivos.

Apesar as tramas serem simples, a direção do trio Nadee, Nakintanon e Thammajira é bastante funcional. No entanto, alguns dos sustos são previsíveis e os personagens, todos jovens, não trazem a seriedade que estamos acostumados com as produções tailandesas. sobrenaturais.

Das três histórias, a que passa mais seriedade, e por isso pode funcionar mais, é a segunda, que no Brasil recebeu o título de A Noiva Cadáver. Com apenas um personagem principal vivo, existe uma áurea de mistério em torno da jovem morta e do interesse do funcionário por ela. Destaque para a participação especial da atriz Vasana Chalakorn como uma enfermeira. Para quem não está lembrado, Chalakorn interpretou a mãe de Natre no excelente Espíritos – A Morte Está ao seu Lado. Tê-la no segmento já é um ponto de destaque.

Infelizmente 3 AM foi lançado nos cinemas em 3D. Isto significa que assistir ao filme na TV não apenas não vai ter o mesmo resultado como ainda vai trazer diversas cenas nas quais objetos e sangue são lançados na direção da câmera. Além disso, o filme faz uso exagerado de efeitos em CGI. A maioria destes é dispensável na trama. 3 AM entrou recentemente para o catálogo de filmes da Netflix.

Leia também:

2 Comentários

  1. Luis Henrique Bogo

    Vale para variar, assistir um Tailandes. As duas primeiras histórias até que são boas, mas a última parece um roteiro de principiante.

  2. Thiago

    Esse filme é quase um terrir. Dá uma sustos e faz rir, principalmente no final. Pelo menos é divertido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *