Críticas

Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra (2003)

Um típico blockbuster que tem como prioridade o lucro financeiro e a conquista da simpatia popular através de uma história sem complicações, porém com muita aventura e repleta de efeitos especiais!

Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra
Original:Pirates of the Caribbean: The Curse of the Black Pearl
Ano:2003•País:EUA
Direção:Gore Verbinski
Roteiro:Ted Elliott, Terry Rossio
Produção:Jerry Bruckheimer
Elenco:Johnny Depp, Orlando Bloom, Geoffrey Rush, Keira Knightley, Lee Arenberg, Brye Cooper, Jonathan Pryce, Mackenzie Crook, Jack Davenport, Damian O'Hare, Giles New, Angus Barnett, David Bailie, Michael Berry Jr., Trevor Goddard, Kevin McNally, Paula J. Newman, Isaac C. Singleton Jr.

“Mais de 3000 ilhas de paraíso. Para alguns isto é uma benção. Para outros… isto é uma maldição”

O cinema americano nos últimos anos tem sido marcado por várias tendências modistas que estão sendo responsáveis por um impulso de produção de uma infinidade de filmes comerciais com orçamentos maiores. Existem aqueles adaptados por exemplo em personagens famosos dos quadrinhos (como X-Men, Homem-Aranha, ThorCapitão América…), ou aqueles baseados em vídeo games (como Final Fantasy, Mortal Kombat, Resident Evil, Silent Hill…), ou ainda a onda dos “crossovers” (cruzamentos entre personagens de filmes diferentes, como Freddy Vs Jason, Alien Vs Predador, e os entre heróis), e finalmente aqueles inspirados em atrações do famoso parque de diversões “DisneyWorld“, como a comédia Beary e os Ursos Caipiras, o humor negro Mansão Mal-Assombrada e a aventura de “capa-e-espada” com elementos sobrenaturais Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra (Pirates of the Caribbean: The Curse of the Black Pearl), que estreou nos cinemas brasileiros em 29/08/03.

Com um orçamento generoso de US$ 140 milhões, o filme arrecadou bem mais do que o dobro disso comprovando a eficácia da fórmula empregada, oferecendo ao grande público o que ele exatamente está esperando, ou seja, uma mistura de aventura com um pouco de horror “light“, e muita diversão numa história simples e despretensiosa. A direção é de Gore Verbinski, um cineasta que vinha do bem sucedido filme de horror O Chamado, e a produção é do especialista em fitas de ação Jerry Bruckheimer, responsável por uma infinidade de super produções como Ases Indomáveis, A Rocha, Armageddon, 60 Segundos, Pearl Harbor e Falcão Negro em Perigo, entre outros.

Piratas do Caribe pode ser considerado como um típico “blockbuster” que tem como prioridade maior a alta lucratividade nas salas de exibição e a conquista da simpatia popular através de uma história sem complicações, porém com muita aventura e repleta de efeitos especiais, objetivando um entretenimento sem compromisso. Seu argumento básico, uma história de piratas dos mares, já há muito tempo não era utilizado pelo cinema, cujos filmes dessa temática tiveram seu ápice entre as décadas de 1930 e 50, porém mesmo passados cinquenta anos, o gênero foi bem recepcionado garantindo o sucesso do filme, para a alegria dos executivos do estúdio “Walt Disney“.

No século XVII, quando os mares ainda eram dominados por navios de piratas, o excêntrico Capitão Jack Sparrow (Johnny Depp), comandante do barco “Pérola Negra“, enfrenta um motim e é abandonado numa ilha. Seu navio passa então a ser conduzido pelo Capitão Barbossa (Geoffrey Rush) e sua tripulação. Numa certa noite eles invadem a tranquila cidade de Port Royal, no Caribe, causando grande desordem e sequestrando a bela Elizabeth Swann (Keira Knightley), filha do governador local Weatherby (interpretado pelo veterano Jonathan Pryce).

Conseguindo escapar da ilha, Sparrow também chega à cidade à beira do mar e conhece o jovem Will Turner (Orlando Bloom), que é um amigo de infância da moça sequestrada, e que sem saber inicialmente, é também filho de um lendário pirata, mas que tornou-se um honesto ferreiro e hábil fabricante de espadas. Ambos decidem fazer uma aliança e partem então em busca da recuperação do navio “Pérola Negra“, além de tentar encontrar um tesouro perdido em ouro asteca, e resgatar a jovem das mãos dos piratas. E atrás em seus rastros, aparece também um grupo de soldados liderados pelo aristocrático Comodoro Norrington (Jack Davenport), noivo encomendado de Elizabeth.

Em meio a uma série de revelações, muita conversa, correrias e várias lutas, eles descobrem que na verdade os piratas são fantasmas amaldiçoados pela imortalidade, navegando como zumbis pelos oceanos até o final dos tempos, transformando-se em criaturas horrendas esqueléticas e sobrenaturais durante a noite sob a luz do luar, e cuja intenção é anular a antiga maldição utilizando o sangue da jovem Elizabeth, e o poder mágico de um medalhão de ouro que ela carrega em seu pescoço.

Pessoalmente, o gênero de cinema abordando a temática dos piratas dos mares nunca me agradou plenamente, não despertando grande interesse, e Piratas do Caribe não foi uma exceção, pois basicamente destaco apenas dois fatos dignos de nota no filme: os efeitos especiais com os piratas amaldiçoados mortos-vivos, com suas verdadeiras feições reveladas à noite, pela luz do luar, e a interpretação excêntrica do talentoso ator Johnny Depp, que concentra para si toda a atenção nas inúmeras cenas em que aparece. Entretanto, uma série de pontos negativos superaram os acertos como a longa duração (duas horas e vinte minutos), que deixou o filme cansativo; as inevitáveis tentativas de piadas, que não conseguiram seu objetivo com êxito (com exceção de alguns momentos engraçados com o Capitão Jack Sparrow); e principalmente as sequências super previsíveis com a obrigação de sempre concluir as tramas com os tradicionais desfechos felizes, para agradar o grande público. Em resumo, o filme é apenas mais um passatempo dispensável, sem nenhum atrativo maior senão encher de dinheiro os bolsos dos executivos do cinema americano, e que se esquece rapidamente após sua exibição.

No elenco destacam-se o cultuado e talentoso ator Johnny Depp e o jovem Orlando Bloom, num início de carreira. O americano Depp nasceu em 1963 e seu primeiro trabalho foi uma ponta no filme A Hora do Pesadelo (1984), aparecendo em seguida como um dos soldados do excepcional drama da guerra do Vietnã Platoon (1986), de Oliver Stone. Sua participação no cinema fantástico é bem significativa, atuando em filmes importantes como Edward Mãos-de-Tesoura (1990), tendo o privilégio de contracenar com o mestre Vincent Price pouco antes de sua morte, Ed Wood (1994), junto com o veterano Martin Landau, O Último Portal (1999), com o também experiente Frank Langella, A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça (1999), novamente com uma ponta de Martin Landau (não creditada) e participação especial de Christopher Lee,  Do Inferno (2001), com história inspirada em uma “graphic novel” de Alan Moore, e tantos outros. Depp trabalhou sob o comando de diretores consagrados como Tim Burton e Roman Polanski. Quanto ao jovem inglês Orlando Bloom, nascido em 1977, ele é bem conhecido devido a sua significativa participação como o elfo Legolas Greenleaf, na famosa franquia de O Senhor dos Anéis, baseada na obra literária de J. R. R. Tolkien e dirigida por Peter Jackson.

Leia também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *