Críticas

Ao Cair da Noite (2017)

Indo na contra mão do cinema que prioriza o entretenimento, o filme aposta no mistério, no clima de tensão devido à luta selvagem pela sobrevivência, no desespero crescente…

Ao Cair da Noite
Original:It Comes at Night
Ano:2017•País:EUA
Direção:Trey Edward Shults
Roteiro:Trey Edward Shults
Produção:David Kaplan, Andrea Roa
Elenco:Joel Edgerton, Christopher Abbott, Carmen Ejogo, Riley Keough, Kelvin Harrison Jr., Griffin Robert Faulkner, David Pendleton

O triunfo da Morte

O fã de cinema de horror que está procurando diversão escapista, barulheira, correrias desenfreadas, tiroteios, sustos fáceis, sangue em profusão, tripas expostas, monstros em CGI, não irá encontrar no filme Ao Cair da Noite (It Comes at Night, 2017), que estreou em circuito comercial restrito nos cinemas brasileiros em 22/06/17, com cópias originais legendadas. Porém, quem aprecia e procura uma história tensa, com constante atmosfera sombria e perturbadora, carregada de paranoia, mistério, pessimismo, com narrativa mais cadenciada onde toda esperança está abandonada, num ambiente de grande pressão psicológica, além de um final depressivo, então esse é o filme indicado.

Com direção e roteiro de Trey Edward Shults, temos uma família morando isolada numa casa no meio da floresta, formada pelo pai protetor, Paul (o australiano Joel Edgerton), a esposa Sarah (a inglesa Carmen Ejogo), e o filho adolescente de 17 anos, Travis (Kelvin Harrison Jr.), que tem pesadelos terríveis frequentemente. O clima é de tensão constante, numa luta pela sobrevivência contra uma contaminação misteriosa que aparentemente mergulhou o mundo no caos. Eles precisam eliminar a ameaça que tomou o corpo do avô, Bud (David Pendleton), enterrado com o cadáver cheio de feridas pestilentas e carbonizado por segurança. Porém, as coisas se complicam mais ainda após a chegada de outra família pedindo refúgio, formada pelo jovem casal Will (Christopher Abbott) e Kim (Riley Keough), e o filho pequeno Andrew (Griffin Robert Faulkner).

Distanciando-se da fantasia tradicional do cinema, Ao Cair da Noite se aproxima mais de uma possível realidade com o mundo mergulhando numa contaminação devastadora não explicada, onde os sobreviventes precisam lutar ferozmente por suas vidas fragilizadas. Trazendo à tona seus instintos mais selvagens de sobrevivência, utilizando-se de violência e desconfiança para a autopreservação, eliminando gradativamente os sentimentos e emoções que caracterizam a humanidade, dando lugar à frieza e indiferença.

Indo na contra mão do cinema que prioriza o entretenimento com pipoca e refrigerante, Ao Cair da Noite aposta no mistério, na falta de informação sobre os trágicos acontecimentos externos, no clima de tensão devido à luta selvagem pela sobrevivência, no desespero crescente do fim aparentemente inevitável da humanidade, dizimada por uma doença sem nome.

Após ver o filme e com o sentimento perturbador e desconfortável que invade o espectador, temos a sensação de que seriam pessoas de sorte todas aquelas que fossem carregadas pela Morte logo no início do apocalipse, caso um dia uma pandemia devastasse a Terra.

Leia também:

4 Comentários

  1. Joao

    Pra mim, tempo perdido. Artificial e motivações não se sustentam.

  2. Thiago

    Eu, particularmente, curti o filme. Tantos filmes lançados ultimamente que trazem gore e violência ao extremo e não causam a menor impressão. Não desenvolve um clima de tensão, os personagens, o roteiro… Enfim. Tô preferindo esses filmes que apostam na sugestão e na construção de um bom clima a filmes explícitos demais sem nenhuma personalidade.

  3. gostei desse filme não

  4. Tiago Ricardo Charão

    Filmes que evitam perder tempo explicando a origem de criaturas e contaminação, tem tendência a serem muito mais efetivos do que os que assim o fazer, tenho como exemplo principal, Abismo do Medo, um dos melhores filmes do gênero.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *