O Reflexo do Mal (1990)

O Reflexo do Mal
Original:The Reflecting Skin
Ano:1990•País:Canadá, UK
Direção:Philip Ridley
Roteiro:Philip Ridley
Produção:Dominic Anciano, Ray Burdis
Elenco:Jeremy Cooper, Viggo Mortensen, Lindsay Duncan, Duncan Fraser, Sheila Moore, David Longworth, Robert Koons, David Bloom, Evan Hall, Codie Lucas Wilbee, Sherry Bie, Jason Wolfe, Dean Hass. Guy Buller

“Algumas vezes, coisas horríveis acontecem de forma bastante natural”

Filmes do gênero fantástico são alegóricos por natureza. Das ficções científicas distópicas e seus robôs, alienígenas e insetos gigantes, até os longas de horror com situações sobrenaturais que escondem seres humanos atormentados, o cinema sempre se utilizou de vários expedientes como metáforas para problemas e dilemas reais e concretos. Em O Reflexo do Mal, uma pequena pérola anglo-canadense esquecida pelo tempo, não é diferente, num belo filme que pode ser interpretado como uma reflexão mística, lírica, simbólica da infância e da perda da inocência em forma muitas vezes de sonho… ou pesadelo.

O britânico Philip Ridley (Marca da Vingança, Paixões na Floresta) dirige e assina o roteiro sobre um garoto de nove anos, Seth Dove (Cooper), que vive na região rural de Idaho com sua mãe autoritária e de modos brutos (Moore) e seu catatônico e reservado pai (Fraser), enquanto seu irmão mais velho (Mortensen, de Leatherface: O Massacre da Serra Elétrica 3 e O Senhor dos Anéis) luta na Segunda Guerra Mundial. O longa acompanha as travessuras do garoto e seus amigos em cenários idílicos (Ridley fez questão de pintar à mão os trigais da região de um amarelo vivo, berrante). O alvo preferido dos meninos é Dolphin Blue (Duncan), uma mulher inglesa que vive isolada em uma casa nos arredores. Quando o pai de Cooper lê um romance barato sobre vampiros, Cooper imediatamente associa a figura mítica à Dolphin, crendo de fato que a coitada é uma vampira. Acontecimentos inusitados como a chegada de uma gangue de jovens de óculos escuros e vestidos de preto em um Cadillac e o desaparecimento de crianças na região completam o cenário de eventos que de tão estranhos, parecem de fato, obra sobrenatural. Mas não se engane, O Reflexo do Mal trata seus personagens e situações de maneira ultrarrealista, causando, inclusive, uma espécie de estranhamento no espectador, tamanha teatralidade nas atuações e na mise-en-scène. Não por acaso, Ridley trabalhou muito mais nos palcos ingleses do que no cinema. Tematicamente ambicioso, há espaço para discussões de fundo religioso e moral, revelando, por exemplo, a tormenta da homossexualidade reprimida pelo pai de Seth.

Fotografado com a excelência característica de Dick Pope, o filme é permeado por uma atmosfera intensa e constante de caráter onírico e lúgubre, já que estamos vendo o filme pelos olhos do menino Cooper. Cada plano poderia ser emoldurado como uma pintura em tela, tamanho cuidado e perfeição nos enquadramentos. E é justamente seu desfecho, de uma força e significado ímpares, que encerra todo o belo simbolismo desse horror gótico moderno.

(Visited 703 times, 1 visits today)
Marcus Augusto Lamim

Marcus Augusto Lamim

Um seguidor fiel do cinema em todos seus formatos e gêneros, amante de rock e do gênero fantástico, roteirista amador e graduando em química.

Um comentário em “O Reflexo do Mal (1990)

  • 30/08/2018 em 21:32
    Permalink

    Nunca tinha ouvido falar desse filme, mas me deu vontade de assisti-lo agora!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien