Críticas, Literatura

Social Killers.com: Amigos Virtuais, Assassinos Reais (2015)

Uma leitura essencial para os dias de hoje, mostrando que estar conectado pode ser mais perigoso do que você imagina!

Social Killers.com: Amigos Virtuais, Assassinos Reais
Original:Social Media Monsters: Internet Killers
Ano:2015•País:EUA
Autor:RJ Parker e JJ Slate•Editora: Darkside Books

Faca, revólver, corda e mouse. Basicamente são essas as principais armas dos assassinos em série modernos. Se antes havia a dificuldade do contato físico, obrigando-os a perseguir suas vítimas ou espreitá-las nos becos escuros, com o advento da internet o acesso se tornou mais fácil. As redes sociais, os classificados online e as salas de bate-papo substituíram a rua deserta, o convencimento no barzinho e o convite a um passeio discreto. Imagine como esses espaços virtuais poderiam servir às ações de Jack, o Estripador (na busca por garotas de programa em sites especializados) ou até do Maníaco do Parque (que poderia convidar suas vítimas para ensaios fotográficos através de um portfólio online)?

Para servir de alerta aos ingênuos navegadores – e até para aqueles que prestigiam programas policiais ou simplesmente são curiosos caçadores de crimes reais – RJ Parker e JJ Slate desenvolveram o interessante Social Killers.com: Amigos Virtuais, Assassinos Reais (Social Media Monsters: Internet Killers), lançado no Brasil pela Darkside Books. A obra traz o relato de 33 casos de crimes verdadeiros (assassinatos, estupro, canibalismo, tortura e até condução ao suicídio) e que tiveram seu ponto de partida através da internet. Eles apresentam suas provas por meio de uma literatura agradável, sempre introduzidas por uma apresentação do meio virtual, mostrando que classificados como o Craigslist e redes sociais como Facebook, Instagram, Twitter e as salas de bate-papo podem ser a porta de entrada para pessoas perturbadas e invejosas, que caçam almas solitárias para perpetuar seus atos insanos.

Livro analisa mais de trinta casos famosos

Livro analisa mais de trinta casos famosos

Além das histórias assustadoras, o livro também traz uma seção sobre o quanto a internet também pode ser uma aliada na solução e captura de criminosos. Há agências especializadas – pelo menos na América – em se infiltrar nas redes sociais em busca desses futuros assassinos e pedófilos, servindo como proteção e isca, ainda que o alerta quanto ao conteúdo que seu filho ou amigos acessam ainda seja necessário, até mesmo pela quantidade excessiva de doentes e malfeitores.

Se existe um defeito na editoriação da obra, pode-se apontar a ausência de imagens. Seria muito mais convincente e curioso se cada caso apresentado também trouxesse fotografias dos assassinos (não necessariamente das vítimas) para que o leitor possa traçar ainda mais o perfil dos culpados. Não para julgar pela aparência – até mesmo porque a internet facilita o esconderijo da real face do psicopata -, mas para auxiliar na construção dessa imagem e também ilustrar os fatos.

Social Killers (2015)

De toda forma, uma leitura essencial para os dias de hoje, mostrando que estar conectado pode ser mais perigoso do que você imagina.

Leia também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *