Críticas, Televisão

Santa Clarita Diet (2017)

Apresenta-se como um ótimo entretenimento. Não espere uma produção de terror, mas uma série de humor negro e nojeiras sem fim.

Santa Clarita Diet
Original:Santa Clarita Diet
Ano:2017•País:EUA
Direção:Ruben Fleischer, Marc Buckland, Tamra Davis, Ken Kwapis, Lynn Shelton
Roteiro:Victor Fresco
Produção:James Simons
Elenco:Drew Barrymore, Timothy Olyphant, Liv Hewson, Skyler Gisondo, Mary Elizabeth Ellis, Richard T. Jones, Ricardo Chavira, Joy Osmanski

Santa Clarita Diet é a série de humor negro da Netflix, que conta com Drew Barrymore no elenco e, novamente, na linha de suas comedias românticas, um cara que faz de tudo para ficar com ela. Mas tá, não vamos ser pessimistas. A série possui sim esse aval romântico, mas não se limita a isso, ampliando essa visão: ela fala de relações familiares e sobre lidar com novas situações. É claro que isso não é feito de forma tradicional. Estamos falando de um zumbi na família.

A Família Hammond tem uma vida pacata no subúrbio de Los Angeles. Os pais Sheila (Drew Barrymore) e Joel (Timothy Olyphant) são corretores de imóveis e tem a típica filha adolescente, Abby (Liv Hewson).  Em um dia comum de trabalho, Sheila tem uma crise de vômito. Litros e mais litros são expelidos, além de um órgão, que se assemelha a um coração ou algo do tipo. Depois desse estranho incidente e evitando a visita a um médico, a família procura o vizinho nerd Eric (Skyler Gisondo), que entre seu afair com Abby e o mundo paranormal conclui que Sheila é uma espécie de zumbi.

Ao contrário dos zumbis que se desmembram automaticamente, Sheila fica super enérgica e impulsiva, ganhando um gosto por carne crua e, por consequência, carne humana. A partir desse novo paladar, o casal protagonista vai agir em conjunto, para conseguir alimento, procurar uma chance de cura e tentar permanecer como uma família normal.

Cada um dos dez episódios, assim como vários outros exemplos no seguimento das comédias, possui trinta minutos, e em cada um deles é desenvolvida uma pequena trama onde acompanhamos o avanço da Sheila zumbi gradativamente. Mas, além das cenas de comédia e nojeiras, que puxam para um aspecto gore, a produção se desenvolve através de uma base familiar.

O interesse é debater questões de proximidade e da vida suburbana de forma extrema. Isso é bem costurado nessa primeira temporada, tanto que sequências absurdas acabam se naturalizando justamente por ser uma característica que acompanha a série como um todo. Um exemplo claro desse aspecto (e sem spoilers) é a relação das personagens secundárias com a nova Sheila cheia de atitude. Mesmo não sabendo o que está acontecendo, elas são influenciados pelas atitudes extremas e do lema ‘just do it’ da protagonista, tomando decisões que não se inseriam em suas vidas antes de ver o exemplo da vizinha, mas que já habitava suas mentes de forma tão intensa, que basta um incentivo e já se realizam.

Entretanto, esses aspectos, e os da relação da própria família Hammond, muitas vezes se sobressaem ao humor negro pretendido pela série, deixando as coisas muito ‘fofinhas’. E, por incrível que pareça, essas cenas muito meigas acabam destoando mais da narrativa da série do que os próprios absurdos que a família passa devido a situação zumbi em ação.

Mas, mesmo com pontos negativos nesse trabalho narrativo, a série é divertida, você consegue rir e sentir nojo ao mesmo tempo, além de abordar questões sobre convivência, senso moral e ético, os limites do que fazemos por quem amamos e a naturalização de situações absurdas a partir do momento em que nos inserimos nelas.

Com isso, Santa Clarita Diet se apresenta como um ótimo entretenimento. Não espere uma produção de terror, mas uma série de humor negro e nojeiras sem fim.

Leia também:

3 Comentários

  1. Eliezer

    A série é boa. Comecei assistindo com um pé atrás, mas o humor negro me agradou bastante e me fez assistir todos os episódios. As atuações às vezes são caricatas demais, principalmente do marido da Drew, mas acho que fez parte do contexto. Tem cenas hilárias, bons diálogos e bastante nojeira. Enfim, vale a pena conferir.

  2. Roberto Szabunia

    Assisto no momento a três seriados: o antiquíssimo e cult “Perdidos no Espaço” (um capítulo toda sexta-feira, como nos velhos tempos); o contemporâneo “American Horror Story”; o atualíssimo “Santa Clarita Diet”. Os dois atuais oferecem um bom contraste entre o horror clássico de AHS e o escracho de SCD. Ambos atrativos, em seus subgêneros.

  3. Eduardo

    Ah… Caras…
    Eu achei essa série me agradou muito! Comecei assistindo sem querer e acabei devorando ela.
    Recomendo pra quem gosta de humor negro, um pouco de “trash” e boas risadas (:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *