The Walking Dead: 8ª Temporada (2017/2018) – Episódios 1 a 8

The Walking Dead - Oitava Temporada
Original:The Walking Dead - Season 8
Ano:2017/2018•País:EUA
Direção:Greg Nicotero, Michael E. Satrazemis, Jeffrey F. January, Alrick Riley, Michael Slovis, Kari Skogland
Roteiro:Charlie Adlard, Frank Darabont, Robert Kirkman, Tony Moore, Scott M. Gimple, Angela Kang, Matthew Negrete, Channing Powell, David Leslie Johnson
Produção:Angela Kang, Ryan DeGard, Christian Agypt
Elenco:Chandler Riggs, Andrew Lincoln, Norman Reedus, Melissa McBride, Lauren Cohan, Danai Gurira, Alanna Masterson, Josh McDermitt, Christian Serratos, Seth Gilliam, Ross Marquand, Lennie James, Austin Amelio

Uma violenta batida na cabeça com um taco de beisebol, envolto em arame farpado, extinguiu não apenas um dos personagens mais queridos da série como também qualquer expectativa de melhora da versão televisiva de The Walking Dead. A audiência foi despencando aos poucos, desde o término da sexta temporada, com a dúvida sobre quem poderia ser a vítima fatal até a revelação da dupla brutalidade cometida. A sétima, seguindo os quadrinhos, teve uma metade envolvendo a falta de esperança do grupo de Rick Grimes (Andrew Lincoln), escravizado pelos Salvadores, tendo que dividir metade do que era produzido com os capangas de Negan (Jeffrey Dean Morgan) além da entrega de todas as armas. Daryl (Norman Reedus) fora mantido preso, com a perspectiva de que aceite o novo líder; Maggie (Lauren Cohan), abalada, retorna para Hilltop, já apresentando sua tendência ao comando; enquanto Carol (Melissa McBride) e Morgan (Lennie James) são apresentados à comunidade conhecida como O Reino, sob a chefia do rei Ezekiel (Khary Payton).

Assim, a temporada se desenvolveu com a apresentação de novos ambientes, a divisão dos grupos e a total falta de esperança de Rick, contrariando o ímpeto de Michonne (Danai Gurira) pelo desejo de vingança. Tara (Alanna Masterson) conhece uma comunidade composta por mulheres, com muitas armas e interesse de se manter no isolamento; e, mais tarde, também há o envolvimento do “grupo do lixão“, que também possuem armas e um desafio para a conquista da confiança. A segunda metade da temporada foi marcada pelo desejo de Rick por vingança, principalmente com a visita surpresa de Negan e a morte surpreendente de Spencer (Austin Nichols), que buscava uma aliança covarde.

No término da temporada, há um embate entre as comunidades em Alexandria, num contra-ataque motivado pela transformação de Sasha (Sonequa Martin-Green) em zumbi, saltando do caixão trazido pelos Salvadores. Foi mediana dentro do que se esperava, com mais discursos do que ação, com os zumbis mais uma vez servindo apenas como metáfora de sobrevivência. Poucos momentos de destaque e a divisão dos episódios pelos núcleos resultaram em avaliações negativas por parte dos espectadores e da crítica, deixando uma séria dúvida sobre a continuidade do programa.

Em 22 de outubro, teve início a oitava temporada, com o episódio Mercy, comandado por Greg Nicotero. Discursos dos líderes das comunidades, prometendo um final satisfatório para o conflito contra os Salvadores, e os planos de ação. Com o direcionamento de zumbis ao Santuário, onde habitam os inimigos, as comunidades se organizam em combates que mais confundem os espectadores do que trazem possibilidades interessantes. Dwight (Austin Amelio) ajuda os alexandrinos com dicas envolvendo Negan e os postos avançados; ao passo que Eugene (Josh McDermitt), raptado no final da sétima, começa a aceitar sua condição “Negan” se mostrando eficaz em algumas soluções.

Carl (Chandler Riggs) desapareceu numa subplot bobo sobre ajudar um rapaz perdido. Jesus (Tom Payne) passou a fazer jus ao nome, impedindo que os salvadores reféns sejam mortos. Alguns são mantidos presos em Hilltop, ao lado de Gregory (Xander Berkeley), assim como padre Gabriel (Seth Gilliam), que é capturado pelos inimigos, depois de pedir a confissão de Negan e começa a exibir sinais de uma doença desconhecida – há quem acredite que seja uma enfermidade causada pelo uso de sangue de zumbi como camuflagem.

Com cenas de perseguição de carros e muito tiroteio, a oitava temporada cresce na ação, mas se perde em seu roteiro confuso. Há alguns bons momentos, como aqueles que homenageiam a série devido ao centésimo episódio, com referências aos anteriores: o helicóptero avistado por Rick, e o encontro dele com um velho conhecido, por exemplo; ou até mesmo a morte do namorado de Aaron (Ross Marquand), partindo de maneira triste, porém discreta, no encosto de uma árvore. Negan se organiza para raptar aqueles que considera as principais ameaças: o Rei, a Viúva e Rick. Nos conflitos, o reinado é destruído com a morte de boa parte do exército, incluindo a querida tigresa digital, e deixa Ezekiel com a mesma falta de perspectiva que tomou conta de Rick, sem o “sorriso no rosto“.

No entanto, essas cenas interessantes se perdem no enredo frágil. Por algum momento, os Salvadores parecem ter se reduzido a um pequeno grupo no Santuário, até o episódio que encerra a meia-temporada quando aqueles capangas que eram importantes na sexta e sétima resolveram “dar as caras” numa resposta à altura. How It’s Gotta Be, de Michael E. Satrazemis, ficou nesse payback, alternando diversos núcleos, presos em uma situação claustrofóbica na ameaça dos vilões. Você a todo momento espera uma reação imediata, mas a busca por uma fuga pelo esgoto parece ser a mais apropriada. Além disso, Rick simplesmente desaparece numa viagem de carro que começa com a luz do dia e culmina com a noite, quando há uma revelação surpresa sobre o destino de um personagem – não tão surpreendente se você tiver prestado atenção na temporada e no destaque dado ao episódio.

Muitos fãs aguardavam o tão sonhado confronto entre Rick e Negan, algo que se mostra rápido e desnecessário. Enquanto Maggie parece não estar disposta a se entregar facilmente e Ezekiel finalmente resolveu voltar a agir, fica a dúvida se a oitava vai se manter nessa guerra entre Rick e os salvadores ou se teremos uma conclusão na disputa para o início de uma nova fase de The Walking Dead. Ou seria melhor encerrar a temporada e a série, deixando apenas Fear the Walking Dead como a oficial dos zumbis, uma vez que seu conteúdo está bem mais interessante?

Com mais cenas de ação do que boa parte da série inteira, The Walking Dead precisa se organizar em seu enredo cheio de tramas desnecessárias e personagens perdidos. Talvez “enxugar” o elenco e se concentrar no mais simples, como a sobrevivência ao apocalipse zumbi, pode ser um belo retorno às origens e a caminhada correta dos mortos!

Leia também:

Marcelo Milici

Marcelo Milici

Fundou o Boca do Inferno em 2001. Formado em Letras, fez sua monografia sobre o Horror Gótico na Literatura. É autor do livro “Medo de Palhaço”, além de ter participado de várias antologias de horror!

3 comentários em “The Walking Dead: 8ª Temporada (2017/2018) – Episódios 1 a 8

  • 16/12/2017 em 02:13
    Permalink

    A sétima temporada me deixou tão de saco cheio que nem fiquei sabendo do início da oitava. Essa série e Game of Thrones deixaram os bons momentos pra trás e estão numa encheção de linguiça só. Os produtores parecem querer explorar até o osso. Vamos ver se, perdendo audiência, tomam vergonha na cara e dão um desfecho digno às séries.

    Resposta
  • 12/12/2017 em 15:11
    Permalink

    Incrivel que essa foi a MELHOR avaliação da Serie e este nem é um site ‘oficial’ de fãs…

    Resposta
  • 12/12/2017 em 10:13
    Permalink

    Minha paciência com TWD acabou nesta temporada (mais especificamente no segundo episódio). Se é pra ver fantasia, com reis, reinos, animais digitais, messias, santuários, assisto uma série de fantasia.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien